15 Melhores Coisas para fazer em Vila Nova de Famalicão e visitar


No distrito de Braga, Vila Nova de Famalicão é uma cidade de trabalho despretensiosa. Pode não haver muitos locais para parar o espetáculo, mas a cidade compensa isso com enigmáticas igrejas medievais, casas de figuras históricas famosas e também museus que lançam luz sobre o passado industrial da cidade.

E para viagens de um dia, não poderia ser mais fácil alcançar cidades como Braga e Guimarães, ou os resorts na costa. A casa de show em Vila Nova de Famalicão, a Casa das Artes tem uma reputação invejável, e a cidade também organiza uma infinidade de eventos durante todo o ano, com um Carnaval no final do inverno tão bizarro quanto divertido.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Vila Nova de Famalicão :

1. Museu Bernardino Machado

 

pode investigar um período de rebitagem da história de Portugal neste museu no Palacete Barão de Trovisqueira do século XIX.

As galerias são dedicadas ao período de 1835 a 1944 e a Primeira República em particular.

Bernardino Machado foi o seu terceiro e oito presidente e o último líder democrático de Portugal antes de adoptar uma ditadura em 1926. Cresceu em Vila Nova de Famalicão, e este museu abriu em sua homenagem em 2001. Existem cópias originais de documentos como fotografias, cartas e diplomas, bem como monografias, móveis, objetos pessoais, artes decorativas e pinturas.

2. Casa de Camilo Castelo Branco

 

O adorado escritor do século 19 Camilo Castelo Branco viveu nesta casa de 1863 até a sua morte em 1890. É um belo edifício, construído no início do século 19 por Pinheiro Alves, que fez fortuna no Brasil.

Depois da sua morte, Castelo Branco mudou-se para um longo relacionamento com a ex-mulher de Pinheiro Alves, Ana Plácido, que herdou a propriedade através do seu filho.

Castelo Branco escreveu um grande corpo de romances, peças de teatro e ensaios aqui, e a casa ainda está cheia de suas posses: há móveis, utensílios do dia a dia, 787 livros em sua biblioteca particular, correspondência pessoal, recortes de jornais e mais de 1000 peças de decoração, seja de pintura, cerâmica ou escultura.

 

3. Igreja de Santiago de Antas

 

Esta igreja tomou forma nos anos 1200 e foi parte de um mosteiro para os Cavaleiros Templários.

Do lado de fora parece bastante sombrio, mas a igreja tem muito mais coisas do que a fachada faz parecer.

A nave tem elementos tanto da arquitetura românica quanto gótica, com tetos de madeira, paredes forradas a azulejos de tapete, um arco triunfal ogival e também a talha dourada barroca na capela-mor.

O mais absorvente de todos são os capitéis que sustentam o arco; estes são medievais e retratam pássaros bebendo de um cálice ou presa devoradora, assim como padrões geométricos e vegetais.

4. Mosteiro de Landim

 

Agora extinto como um edifício religioso, este antigo mosteiro é totalmente restaurado e usado como um espaço para eventos nos fins de semana.

Mas você ainda pode fazer uma visita durante a semana.

E você será justificado, já que poderá ver o design românico, gótico, maneirista, barroco e rococó em um só lugar.

Há um órgão espetacular de 1700, bem como vestígios da fundação do mosteiro em 1100, incluindo arcos cegos com capitéis esculpidos na capela principal.

Você também pode encontrar um claustro com uma colunata dórica e muitos parques com faias, carvalhos e acácias, contendo cantaria de um jardim perdido do século XVI.

5. Museu Ferroviário do Lousado

 

Este museu ferroviário foi inaugurado nas antigas oficinas da Companhia dos Caminhos de Ferro de Guimarães, que estava em funcionamento de 1883 a 1927. Se você gosta de arqueologia industrial, este será um para você, com equipamentos e ferramentas de 1875. a 1965 coletados em seis países diferentes.

As crianças ficarão mais empolgadas com as quatro locomotivas a vapor, e há também quatro vagões ferroviários preservados que você pode entrar.

Você também pode procurar ferramentas, placas antigas, carrinhos antigos e um conjunto de trem modelo antigo.

 

6. Museu da Indústria Têxtil

 

A era industrial é também o foco deste museu, que acompanha a evolução da produção de panos de Vila Nova de Famalicão.

As exibições são cronológicas, e você voltará às raízes da aldeia da indústria têxtil local antes de testemunhar a agitação técnica e social do período industrial.

Muitas peças de maquinaria desta época estão em exposição e alguns ainda estão em funcionamento, demonstrando técnicas de tecelagem, fiação e acabamento.

Os têxteis continuam sendo parte da economia da cidade, portanto, há também um espaço dedicado ao futuro da indústria têxtil e aos desafios sociais e econômicos que ela enfrenta.

7. Igreja de São Pedro de Rates

 

As pessoas percorrem um longo caminho apenas para ver esta igreja românica a não mais do que 15 minutos a oeste de Vila Nova de Famalicão.

Você pode ver uma semelhança com a Igreja de Santiago de Antas, que foi construída na mesma época.

Este foi construído sobre um templo foi usado pelos romanos e visigodos.

Massas da escultura do século XII sobreviveu aqui; você pode vê-lo nas capitais que suportam as arquivoltas no portal principal e nas pedras no interior do edifício.

Há colunas com padrões, um arco muito incomum com figuras humanas esculpidas nele e capitéis representando animais.

8. Casa das Artes

 

Vila Nova de Famalicão orgulha-se do seu centro cultural, que tem um perfil nacional e um calendário muito dinâmico, considerando o tamanho da cidade.

É um local elegante, com dois auditórios, o maior com capacidade para quase 500 pessoas e a encenação de ópera, bandas ao vivo, dança e peças de teatro.

Há também sessões de cinema semanais, então se você estiver com disposição para uma noite de cultura, você pode consultar a programação e ver se alguma coisa chama sua atenção.

Há também o mais pessoal Café Concerto, um bar que realiza shows de rock, blues, jazz, stand-up comedy e debates.

9. Parque da Devesa

 

Este parque público de 27 hectares foi inaugurado em 2012, com quase 25 anos de existência.

Vale a pena passear e fazer um piquenique num dia de sol e tem extensas áreas relvadas misturadas com choupos, carvalhos, sobreiros, pinheiros e salgueiros.

O parque contém um trecho do rio Pelhe e você pode passear no banho por suas margens.

A profusão de água já tornou o parque um paraíso para as aves, com mais de 60 espécies registradas aqui.

Fique de olho no horário no verão, pois há shows no anfiteatro com capacidade para 1000 pessoas no parque.

10. Castros

 

Muitas colinas no norte de Portugal são encimadas pelas ruínas de Castros; estes eram assentamentos da Idade do Bronze e do Ferro protegidos por uma muralha defensiva e normalmente ocupados até a época romana.

Alguns eventualmente se tornaram cidades e cidades modernas.

Mas muitos desapareceram, apenas para serem redescobertos nos séculos XIX e XX.

Em redor de Vila Nova de Famalicão pode descobrir três: Castro do Monte das Ermidas, que é o maior e mais intacto da região, Castro de São Miguel-o-Anjo e Castro de Eiras.

Por fim, há uma maravilhosa "Pedra Formosa", uma pedra monolítica com gravuras celtas complexas

 

12. dias de folga

 

As fabulosas cidades de Braga e Guimarães estão ambas dentro de meia hora.

Ambos os transportarão para o início do Reino de Portugal.

Braga foi a primeira diocese do país e tem a catedral mais antiga de Portugal.

A escalada do topo do morro do Santuário Bom Jesus do Monte, Bom Jesus do Monte, é uma daquelas coisas que você simplesmente tem que fazer, seja pelas requintadas escadarias barrocas ou pelo funicular do século XIX.

Ainda mais perto está Guimarães, o local de nascimento de Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal.

Há um castelo resistente do século X e o Palácio Gótico dos Duques de Bragança, que seria a família real do século XVII.

13. Eventos Anuais

 

Uma das muitas coisas surpreendentes sobre as celebrações loucas do Carnaval de Vila Nova de Famalicão, em Fevereiro ou Março, é que elas são um fenómeno relativamente novo.

É um evento de participação em massa para que quase todos na cidade se vestirem em trajes malucos para uma programação de desfiles e danças temáticos que duram dez dias.

No outono, há o festival da colheita de Feira Grande de São Miguel, na virada de outubro, quando artesãos e fazendeiros se instalaram na Praça D. Maria II. E no início de setembro você pode pegar a Feira de Artesanato e Gastronomia, quando 150 expositores exibem tradições populares portuguesas e boa comida.

14. Costa Atlântica

 

Se você pegar a A7 você pode estar na costa em apenas 20 minutos, e a boa notícia é que o primeiro destino que você chega é a grande conurbação que liga Vila do Conde à Póvoa de Varzim.

Ambas são cidades encantadoras com praias com Bandeira Azul e personagens muito diferentes.

Vila do Conde tem um pedigree de construção naval remontando à Era dos Descobrimentos, e há um museu e um patrimônio histórico da época.

O animado honeypot turístico, a Póvoa de Varzim tem a sua própria tradição marítima como porto de pesca, mas também tornou-se um resort de luxo no século XIX.

O casino Beaux-Arts e os veleiros poveiro são um lembrete persistente desta época.

15. Cozinha local

 

 

Uma razão pela qual Vila Nova de Famalicão encena um festival anual de gastronomia é porque a comida é uma grande parte da identidade local.

Além da feira em setembro, há uma quinzena no início de fevereiro (Quinzena da Gastronomia), quando os restaurantes da cidade celebram a comida local.

Alguns preparos para provar em qualquer época do ano são bacalhau à lagareiro, bacalhau grelhado com legumes, cebolas e batatas, cabrito assado ou cozido à Portuguesa, cozido feito com uma mistura de carnes, legumes e leguminosas.

Muito gratificante no inverno é o rojões com papas de sarrabulho, que é carne de porco frita servida com uma rica sopa de carne.

  • 15 Melhores Coisas para fazer em Vila Nova de Famalicão e visitar


Outros Artigos Populares no Blogue