15 Melhores Coisas para fazer e visitar em Leiria


Uma hora a norte de Lisboa, Leiria é uma cidade universitária descendo a encosta do seu castelo medieval. Reis I de João e Denis Eu vivi aqui e transformei de uma fortaleza difícil em um palácio de luxo. O rei João também deixou a sua marca no Mosteiro da Batalha, um local da UNESCO e peça vital da herança portuguesa.

Em torno de Leiria você passará o tempo em praças animadas e igrejas históricas, navegando museus dedicados aos antigos trabalhos de impressão e produção de vidro. Quando o mercúrio sobe no verão, a costa, com suas generosas praias arenosas e o ar fresco do Atlântico, é apenas uma viagem curta e pitoresca para o oeste.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Leiria :

1. Castelo de Leiria

 

Poucos castelos medievais foram adaptados em palácios, bem como o majestoso Castelo de Leiria, e está entre os mais distintos do país.

Havia três fases de construção, cada uma dando ao castelo uma aparência e um papel diferentes.

A construção inicial foi durante a reconquista de Portugal dos mouros sob o seu primeiro rei Afonso Henriques.

Mais tarde, houve extensões góticas sob os reis Denis I (século 14) e João I (século 15), acrescentando um palácio gracioso que liga à fortaleza como um lar para a realeza.

Um dos muitos elementos deliciosos aqui é a loggia, concluída no início do século 15 pelo rei João.

2. Museu da Imagem em Movimento

 

Dentro das muralhas do castelo é um museu da imagem em movimento, fundada em 1996 nos antigos estábulos.

Essa data não é aleatória, pois marcou um século de filmes em Portugal.

O museu foi criado para preservar e exibir equipamentos de gravação, edição e apresentação de todos os períodos: os fãs do cinema estarão interessados em câmeras antigas, luzes e projetores, bem como equipamentos mais primitivos, como os zoétropes.

Há também pianos de cinemas silenciosos, máquinas antigas de ingressos de cinema, caixas de bobinas antigas e alguns jogos interativos para crianças.

 

3. Museu de Leiria

 

Essa atração tem agora um século e foi movimentada em vários locais da cidade antes de encontrar recentemente um lar permanente no extinto Convento de Santo Agostinho.

A exposição é ordenada cronologicamente e as exibições pré-históricas são particularmente fascinantes; há fósseis descobertos em Guimarota de animais com 150 milhões de anos e o Menino do Lapedo, restos de uma criança do Paleolítico Superior encontrados no Vale do Lapedo.

Há também cerâmicas da Idade do Ferro, artefatos da cidade romana de Collipo e arte religiosa de conventos dissolvidos e igrejas.

4. Catedral de Leiria

 

Um monumento nacional português, a catedral data do século XVI e tem uma concha maneirista, com interiores clássicos e barrocos.

Como muitos dos edifícios em Leiria, quase desmoronou no terramoto de 1755.

E isso explica a aparência robusta e reforçada do prédio, uma vez que foi reconstruído para ser resiliente.

Houve mais problemas no caminho em 1810, quando um incêndio durante a Guerra Peninsular com os franceses destruiu os interiores.

Por isso, é mais um testemunho interessante dos desafios de Leiria do que um monumento deslumbrante, embora o altar barroco dourado no seu interior seja apropriadamente esplêndido.

5. Moinho do Papel

 

Este moinho de papel medieval na margem do rio Lis pode ser rastreado até 1411, quando foi mencionado na carta real do rei João I.

Foi a primeira fábrica de papel registrada no país e, em 1496, influenciaria a indústria de impressão local, quando o Almanach Perpetuum, de um estudioso hebreu, se tornou um dos primeiros livros impressos de Portugal.

Antes disso, a fábrica fora usada para moer grãos e produzir petróleo.

Quando o interior foi restaurado em 2009, cada uma dessas aplicações antigas foi revivida, mas a melhor parte é ver polpa e tecido sendo transformados em folhas de papel diante de seus olhos.

 

6. Praça Rodrigues Lobo

 

Esta praça central é o centro da vida nocturna de Leiria e um local de sociabilidade apenas para descontrair durante alguns minutos e tomar um café ou uma bebida fria.

A vista ajuda também, pois espreitar por cima dos edifícios a norte são as muralhas do castelo de Leiria.

A praça tem o nome em homenagem a uma das figuras mais famosas de Leiria, o poeta do início do século XVII Rodrigues Lobo.

Ele nasceu em riqueza, mas optou por escrever sobre os agricultores humildes que trabalham pelos rios Lena e Lis.

Lobo é comemorado com uma estátua, erguida no canto sudoeste em 1923.

7. Igreja de São Pedro

 

Situado perto do castelo é uma pequena igreja românica absorvente construída em torno do mesmo período.

Por um curto período de tempo, esta era a catedral de Leiria, mas depois do século XVII caiu em desuso e foi reaproveitada como um teatro, celeiro e até uma prisão.

Isso torna ainda mais surpreendente que muitas das esculturas dos séculos XII e XIII ainda estejam aqui.

Sua atenção estará no portal principal, que no topo tem imagens de animais esculpidos nas mísulas que sustentam a cornija.

E abaixo as arquivoltas são decoradas com motivos vegetalistas e rostos humanos.

8. Museu Escolar

 

Em Marrazes, a alguns minutos a leste do centro de Leiria, é um museu que ilumina a vida escolar portuguesa nos séculos XIX e XX.

Começou como um projeto na escola local, liderado por professores para mostrar aos alunos como era a escola nos dias passados.

Mas logo havia material valioso suficiente para abrir um museu em um prédio separado.

Há móveis, brinquedos antigos, livros e itens do cotidiano (ardósias, quadros-negros, borrachas, relógios, cruzes) da sala de aula.

O museu está dividido em oito salas diferentes, de acordo com assuntos como carpintaria e geologia, ou períodos como o fim da monarquia, a Primeira República e a Ditadura.

9. Pinhal de Leiria

 

Ao sair do limite ocidental de Leiria, no caminho para as aldeias da Marinha Grande e Vieira Leiria, a serena paisagem arborizada pode parecer completamente natural, mas os seres humanos tiveram uma grande mão neste cenário.

O Pinhal de Leiria é uma floresta de 11.000 hectares de pinheiro-manso plantada durante o reinado do século XIII de D. Afonso III. Isto foi para proteger Leiria e a sua agricultura de invadir dunas de areia vindas da costa, e pode visitar estas dunas à beira da floresta.

A floresta também teve um papel a desempenhar na Era dos Descobrimentos quando forneceu muito pinheiro e resina para a frota mundial de conquista de Portugal.

Há mirantes, clareiras na floresta com bancos para piquenique, trilhas de bicicleta e bancos restauradores do rio Moel.

10. Mosteiro da Batalha

 

Apenas 15 minutos a sul de Leiria é um Património Mundial da UNESCO e um dos monumentos mais valorizados do país.

Isto foi encomendado pelo rei João I para recordar a vitória cristã contra os mouros na Batalha de Aljubarrota em 1385. A igreja, o claustro real, as capelas inacabadas e a casa do capítulo garantem o tempo que lhes for possível.

Isto é devido à riqueza e complexidade das esculturas, que foram concluídas no estilo manuelino gótico e do início do século XV, misturando arquitectura gótica, plateresca espanhola e mourisca para criar algo exclusivamente português.

Fora de tudo, a Capela dos Fundadores é a parte que você não pode perder, contendo o túmulo de João I e Filipa sua esposa, bem como o explorador do século XV, Henrique, o Navegador.

 

11. Museu de Vidro

 
 
A poucos minutos a oeste de Leiria, a caminho da costa, encontra-se a cidade da Marinha Grande, que está abrigada naquela fragrante floresta de pinheiros e usou a sua abundância de areia para fazer vidro.

A cidade ainda é a maior fabricante de vidro de Portugal, e métodos consagrados pelo tempo foram assumidos pelas modernas instalações de moldagem.

O museu está instalado no palácio do século XVIII pertencente a William Stephens, um imigrante inglês que esteve encarregado da Royal Glassworks na Marinha Grande em 1770.

Em vitrines, você pode maravilhar-se com vitrais artísticos, copos e vasos antigos que remontam ao século XVIII e itens produzidos em outros centros de fabricação de vidro de Portugal a partir de 1600 em diante.

12. Praia de São Pedro de Moel

 

Se você está ansioso para o ar do oceano e uma bela praia para descansar, você está com sorte, como esta aldeia costeira gentil é inferior a 20 quilômetros.

O passeio também vai levá-lo através do pinhal, enquanto a vila tem muita arquitetura do século XIX, incluindo a casa do poeta da virada do século Afonso Lopes Vieira. As águas são frias, mesmo no verão, e não são para nadadores casuais ou crianças mais jovens; esta é a costa do Atlântico, e é mais adequada para surfistas e bodyboarders.

Mas realmente o fascínio está na própria praia, que é vasta, e tem areia branca e muita beleza para revigorá-lo, com afloramentos rochosos e penhascos altos crestados por um farol.

13. Praia de Paredes da Vitória

 

Outra praia que deveria estar no seu radar é essa a poucos quilômetros de São Pedro de Moel.

Com quase nenhuma invasão turística, há apenas uma aldeia e uma longa cadeia de penhascos cobertos de vegetação por trás desta praia.

A areia pálida e suave desaparece na distância em qualquer direção, enquanto a vila tem as instalações para garantir um dia confortável ao sol.

As falésias em Paredes da Vitória também precisam ser mencionadas, já que essas formações de calcário e arenito contêm fósseis do Período Jurássico Inferior, há cerca de 200 milhões de anos.

14. Fátima

 

Apenas 20 minutos a sudeste é o local de peregrinação mais apreciado de Portugal.

Tudo começou com aparições marianas relatadas por pastores de cem anos atrás.

Um santuário foi construído no local, em um local idílico em meio a colinas a 350 metros acima do nível do mar.

Pessoas de todo o mundo fazem a jornada e, para os não-religiosos, você pode simplesmente ver um dos pontos de encontro da Cristandade em ação.

Os avistamentos foram divulgados pela primeira vez no dia 13 de maio, então Fátima fica especialmente ocupada nesta data.

Mas o dia 13 de qualquer mês entre maio e outubro também é muito popular, sendo outubro a última vez que Mary foi vista aqui.

15. Cozinha local

 

Se estiveres a pensar no velho centro de Leiria e a olhar para as vitrines das padarias, vais ver estes doces cor-de-laranja em pequenos bolinhos de papel.

Eles são uma especialidade local e conhecida como Brisas do Lis, feita com gema de ovo, açúcar e amêndoas e originalmente feita por freiras no extinto Convento de Santana.

Para comidas saborosas, há a típica morcela de arroz, um tipo de morcela feita com sangue de porco, arroz, carne de porco e várias ervas e especiarias.

E para uma refeição local tradicional, experimente o bacalhau com migas (bacalhau assado com pão ralado), isca frita, leitão ou chanfana, um cozido de cabrito ou cordeiro.

Leiria encontra-se também no vinho DOC Encostas de Aire, famoso pelos seus tintos claros e brancos frutados.

  • 15 Melhores Coisas para fazer e visitar em Leiria


Outros Artigos Populares no Blogue