O que fazer em Leiria os 12 melhores sitios para visitar


Museu de José Malhoa Caldas da Rainha





O Museu de José Malhoa localiza-se no Parque D. Carlos I, na cidade de Caldas da Rainha, Distrito de Leiria, em Portugal. O seu nome é uma homenagem ao pintor português José Malhoa.

O Museu José Malhoa apresenta o maior núcleo reunido de obras do seu patrono e uma importante coleção de pintura e de escultura dos séculos XIX e XX, revelando-se a quem o visita como o museu do Naturalismo Português.

Completam as coleções de pintura, uma secção de Cerâmica das Caldas - articulada em torno da importância de que se revestiu a atuação de Rafael Bordalo Pinheiro para a faiança local e do conjunto único das 60 esculturas de terracota da “Paixão de Cristo” - o núcleo de Escultura ao Ar Livre e uma Biblioteca de Arte.

O Museu José Malhoa mostra o maior núcleo reunido de obras do seu patrono e uma importante coleção de pintura e de escultura dos séculos XIX e XX, revelando-se a quem o visita como o museu do naturalismo português.

Classificado como imóvel de interesse público desde 2002 e com uma localização de excelência no magnifico Parque D. Carlos I, em Caldas da Rainha, o edifício do Museu José Malhoa foi o primeiro a ser projetado para fins museológicos em Portugal.

Este Museu tem um significado único na história da nossa cultura, revelando-se pioneiro na museologia portuguesa, quer pelo conceito arquitetónico, quer pela aplicação de princípios de conservação e adequação ao acervo de pintura e de escultura que expõe, ficando detentor de um lugar definitivo na história cultural da especialidade.





PEDRAS NEGRAS E PRAIA VELHA





As praias de Pedras Negras e Praia Velha, no concelho da Marinha Grande, voltaram a ser galardoadas com a bandeira "Qualidade de Ouro 2016", atribuída pela Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza.

Este galardão é atribuído anualmente por aquela organização às praias portuguesas com melhor qualidade da água. Este ano, a Quercus identificou 382 praias com “Qualidade de Ouro” – mais 68 que no ano anterior, das quais 338 são zonas balneares costeiras, 36 interiores e 8 de transição.

A Câmara Municipal da Marinha Grande volta a congratular-se com esta distinção da Quercus às Pedras Negras e Praia Velha, que visa identificar as praias que nos últimos cinco anos apresentam água de qualidade excelente, garantindo a sua fiabilidade juntos dos veraneantes.

A atribuição do galardão praia com “Qualidade de Ouro” é feita com base em informação pública disponibilizada pela Agência Portuguesa do Ambiente, tendo como critérios:

- ter qualidade da água “Excelente” nas cinco últimas épocas balneares de 2011 a 2015;

- todas as análises realizadas, sem exceção, na última época balnear (2015) deverão ter apresentado resultados melhores que os valores definidos para o percentil 95 do anexo I da Diretiva relativa às águas balneares.

De acordo com a Quercus, esta avaliação “é mais limitada em comparação com os múltiplos critérios para atribuição da Bandeira Azul, ao basear-se apenas na qualidade da água das praias, sendo contudo mais exigente neste aspeto em específico, para além de incluir todas as águas balneares, não envolvendo qualquer processo de candidatura”.



Igreja de São Pedro (Leiria)





A Igreja de São Pedro ou Capela de São Pedro situa-se perto do castelo de Leiria, na cidade de Leiria, distrito de mesmo nome, em Portugal.

No tempo em que Eça de Queiroz permaneceu em Leiria, esta capela de estilo românico, construída no último quartel do século XII, funcionou como teatro, e mais tarde como celeiro.

Ali o escritor escandalizou a sociedade leiriense da época, ao ser visto durante um espetáculo com “indecorosos” olhares e mãos num idílio com a nobre vizinha do lado.

Encostado à igreja, à esquerda, encontra-se o m|i|mo – museu da imagem em movimento, e à direita, o Posto de Comando da PSP de Leiria, instalado no edifício dos antigos Paços Episcopais, construídos em 1640 a mando do bispo D. Diogo de Sousa.

Aí também existiram os Paços de São Simão onde decorreram as Cortes de 1254 e onde residiram, entre outros, os reis D. Afonso III, D. Dinis e a Rainha Santa Isabel, e D. Fernando, quando se deslocavam e permaneciam com a sua corte em Leiria.



Museu Municipal de Óbidos





A exposição permanente do Museu Municipal de Óbidos é uma viagem pela produção artística e pela devoção religiosa da história da Vila. A colecção testemunha a acção das colegiadas religiosas e o enriquecimento cultural marcado por encomendas a alguns dos maiores nomes da Arte Portuguesa. Destaca-se a colecção de pintura dos séculos XVI e XVII, onde constam obras de André Reinoso e Josefa d’Óbidos. A HistóriaO Museu foi inaugurado a 15 de Junho de 1970, com a presença do então Presidente da República, Almirante Américo Tomás, do Cardeal Patriarca de Lisboa, D. Manuel Alves Cerejeira e diversas autoridades do Governo. Foi seu primeiro director o então presidente da Câmara, Albino de Castro e Sousa (1922-1984)

O Museu Municipal integra a Rota de Museus do Oeste e é sede da Rede de Museus e Galerias de Óbidos.     Outro dos antecedentes remotos que levaram à fundação do museu é reflectida a partir de algumas realizações culturais em Óbidos, nomeadamente a Exposição de Arte Sacra em 1954 e a Evocação de Josefa de Óbidos em 1959, produzindo-se um efeito de expectativa redobrada com o encerramento do “museu regional”, instalado no exíguo espaço da capela gótica de S. Martinho, onde existia uma colecção de arqueologia e fragmentos arquitectónicos, a maior parte pertencente ao tenente-coronel Luís Torquato de Freitas Garcia.

Atelier-Museu António Duarte Caldas da Rainha





O Atelier-Museu António Duarte localiza-se na cidade e Concelho das Caldas da Rainha, Distrito de Leiria, em Portugal.

É um museu municipal, e está inserido no Centro de Artes, um projeto desenvolvido pela autarquia. Foi construí­do pelo arquiteto Carlos Barbosa.

O Atelier-Museu António Duarte (1912-1998) foi inaugurado em 1985 após doação da colecção de arte do Mestre escultor à sua cidade natal, Caldas da Rainha. A ideia inicial de dotar o edifício com um atelier, visava dar condições para que paralelamente à missão museológica, autores convidados pudessem aí desenvolver projectos artísticos.Podemos aqui encontrar, distribuída por várias salas, grande parte da sua produção escultórica, desde escultura pública (sobretudo esbocetos, modelos e maquetas) que constituem a expressão mais conhecida da sua obra, a um registo mais intimista e pessoal. Um interessante núcleo de Arte Sacra pode também ser apreciado



Torre Sineira (Leiria)





A Torre sineira de Leiria (1772) é uma torre sineira em estilo barroco e localiza-se no Largo D. Manuel de Arriaga, na cidade portuguesa de Leiria; tem a particularidade de estar separada da Sé dessa cidade.

Esta torre de estilo barroco, curiosamente afastada da Sé, foi construída sobre uma das antigas torres medievais das Portas do Sol, que marcavam a entrada sul na antiga vila medieval amuralhada, e davam acesso ao Castelo. No século XVIII, ao tempo de D. Frei Miguel de Bulhões e Sousa, adquiriu o atual coruchéu que ostenta o brasão daquele bispo.

Ao lado da Torre foi construída a casa do sineiro, tão célebre no romance de Eça de Queiroz “O Crime do Padre Amaro”, por ser o local dos encontros amorosos entre Amélia e Amaro. No seu relógio o Poeta Acácio de Paiva viu muitas vezes as horas.



Casa Museu Afonso Lopes Vieira





A Casa-Museu – Colónia Balnear Afonso Lopes Vieira é constituída por:

Um edifício residencial principal situado junto ao mar , onde está instalada, no primeiro andar, a Casa-Museu Afonso Lopes Vieira e no rés-do-chão, parte das instalações da Colónia Balnear Afonso Lopes Vieira;

Capela e Edifício anexo, situado a Norte, onde funcionam os dormitórios da Colónia Balnear.

A casa foi oferecida pelo pai de Afonso Lopes Vieira como prenda de casamento, ao poeta e à sua mulher, D. Helena Aboim, em 1902. Aqui viveram durante longos períodos de tempo - principalmente durante as estações mais quentes, de Abril a Outubro – alternando com as estadias na casa das Cortes e na Casa de Lisboa.Foi na “Casa-Nau”, como lhe chamava, que Afonso Lopes Vieira escreveu grande parte das suas obras literárias, ensaios, conferências, artigos, etc. e recebeu grandes nomes das artes e da literatura nacional do princípio do século XX.

A casa constitui em si um testemunho literário da obra de Afonso Lopes Vieira, na medida em que possui diversos elementos decorativos mandados aplicar por este, ao longo da sua vida (principalmente expressos em lápides e azulejos) que aludem a algumas das suas obras.

Em 1938, no seu testamento, o poeta legou a casa à Câmara Municipal da Marinha Grande, para que aqui fosse instalada uma Colónia Balnear Infantil, para os filhos dos operários vidreiros, bombeiros e trabalhadores das Matas Nacionais.



Museu de Cerâmica (Caldas da Rainha)





O Museu da Cerâmica localiza-se na Quinta Visconde de Sacavém, na freguesia de Nossa Senhora do Pópulo, cidade e Concelho das Caldas da Rainha, Distrito de Leiria, em Portugal.

Criado oficialmente em 1983, o Museu de Cerâmica está instalado na Quinta Visconde de Sacavém, adquirida para o efeito pelo Estado em 1981.Iniciado com um núcleo adquirido pelo Estado e por peças da colecção do Visconde de Sacavém, o acervo do museu integra exemplos da produção cerâmica das Caldas da Rainha e de outros centros nacionais e estrangeiros.

O conjunto arquitetónico da Quinta, em estilo romântico revivalista, é constituí­do por um Palacete tardo-romântico, que abriga a exposição permanente, e por um edifí­cio secundário onde se situam a sala de exposições temporárias, a loja, a olaria e o centro de documentação.

Os jardins da Quinta, de traçado romântico, constituem um conjunto evocativo do gosto do final do século XIX com as suas alamedas, canteiros, floreiras, lagos e um auditório ao ar livre.

O Museu da Cerâmica foi criado oficialmente em 1983, nas Caldas da Rainha, correspondendo aos desejos da população da cidade.Encontra-se instalado no antigo Palacete do Visconde de Sacavém, no Avenal, mandado construir na década de 1890 pelo 2º Visconde de Sacavém, José Joaquim Pinto da Silva (1863-1928), colecionador, ceramista e importante mecenas dos cerâmicos caldenses.



Praia de Paredes da Vitória





A Praia de Paredes da Vitória situa-se no vale onde desagua a Ribeira de Paredes. É conhecida pelos praticantes de parapente  Com um extenso areal, esta praia reúne as condições ideais para a prática de surf, bodyboard e parapente. É frequentada por jovens que aproveitam ainda a possibilidade de jogarem voleibol e futebol de praia. Com boas infra-estruturas de apoio, é vigiada.



Praia do Pedrógão Leiria





A Praia do Pedrógão é um lugar pertencente à freguesia de Coimbrão, concelho de Leiria. É a única praia e estância balnear do concelho de Leiria. Fica a norte da Praia da Vieira (concelho da Marinha Grande), e consequentemente a norte do Pinhal de Leiria. Dá nome à Mata Nacional do Pedrógão, dentro da qual está inserida.

Uma ‘ilha’ entre o mar verde do pinhal de Leiria e o Oceano Atlântico, a Praia do Pedrógão oferece um extenso areal, os benefícios do iodo, a Arte Xávega e sossego aos visitantes.

A Estrada Atlântica e a sua extensa ciclovia e a proximidade à Lagoa da Ervedeira são dois atrativos adicionais de uma estância balnear com qualidade certificada com três galardões: bandeira Azul, bandeira de praia Acessível e bandeira “Qualidade de Ouro”.

O Parque de Campismo localiza-se a sul do Pedrógão, na confluência do acesso sul da povoação com a estrada das matas que segue para a Figueira da Foz.

Tem bons acessos para o Pedrógão, para a praia e para outras localidades: para Sul, Vieira de Leiria e para Norte, Osso da Baleia.

Os edifícios de serviços compreendem zona de restauração (restaurante, bar, sala de jogos e esplanada), minimercado e peixaria.

O Parque de Campismo dispõe de um campo de jogos, que está preparado para a prática de modalidades como o andebol de 7, futebol de salão, basquetebol, voleibol e ténis, assim como de um parque infantil.



Museu Municipal do Bombarral





Sendo um concelho rico em sítios arqueológicos, com destaque para a Gruta Nova da Columbeira, a Lapa do Suão e o Castro da Columbeira, a Sala de Arqueologia exibe uma mostra valiosa deste espólio, desde o Paleolítico médio à época Romana, demonstrativo da ocupação humana deste território ao longo dos 30.000 anos. Esta sala é apontada por especialistas como exemplar a nível nacional.

Casa Museu de S. Rafael





O acervo da Casa Museu é constituído sobretudo por cerâmica produzida ao longo dos anos na Fábrica Bordalo Pinheiro contendo originais e cópias de peças desenhadas e executadas pelo artista no final do Séc. XIX.

 

Museu fundado no ano de 1884 com as peças produzidas no decorrer dos anos na fábrica de cerâmica do artista Rafael Bordallo Pinheiro. A coleção engloba originais e cópias de peças desenhadas e executadas pelo artista no final do século XIX. São peças conhecidas por todo o mundo, pela sua beleza, arte e originalidade.



  • O que fazer em Leiria os 12 melhores sitios para visitar


Outros Artigos Populares no Blogue