Lisboa é a 93.ª cidade mais cara do mundo em termos de custo de vida, subindo 44 posições em relação ao ano passado num estudo global da Mercer divulgado e que é liderado por Hong Kong.

Existem mais de 47 mil cidade no mundo. Quando uma cidade entra para a lista das 100 mais caras do mundo não é brincadeira. É cada vez mais caro viver em Lisboa. No ano de 2018, a capital portuguesa subiu 44 posições no ranking sobre o custo de vida da Mercer, passando da 137ª posição registada em 2017 para o 93º lugar. Esta subida  é a maior de sempre já registada nesta cidade. 

Em 2017, a capital portuguesa ocupou a posição 137 no mesmo estudo, sendo que esta evolução é "a maior subida de sempre, desde o início da realização do estudo", refere a Mercer em comunicado.

 

Segundo o estudo, a par de Hong Kong, as cidades que ocupam o top 5 das mais caras do mundo são Tóquio, Zurique, Singapura e Seul.


Em Lisboa, o preço da gasolina "é dos mais elevados face às cidades posicionadas no topo deste ranking". A análise refere que um litro de gasolina sem chumbo de 95 octanas custa 1,5 euros, enquanto em Hong Kong custa 1,63 euros, em Tóquio 1,01 euros, e em Zurique 1,34 euros.

 

Segundo o estudo da consultora Mercer, divulgado nesta terça-feira, sobre os custos para os expatriados de viver numa determinada cidade, “os factores que motivam esta subida são maioritariamente decorrentes de variações do euro face ao dólar, mas reflectem também uma subida de preços generalizada da cidade nas áreas da habitação, restauração e combustíveis.” 

O relatório destaca o preço de arrendamento em zonas nobres de Lisboa onde um T3 ronda os 2650€ comparando com Hong Kong, a cidade mais cara do mundo

Este ano, as cidades alemãs evidenciaram algumas das maiores subidas deste ano, com Frankfurt (68º) e Berlim (71º) a saltar 49 lugares, enquanto Munique (57) subiu 41 posições.  

Outras cidades que subiram no ranking face ao ano passado foram Paris (34º), que trepou 28 lugares, Roma (46º) 34 lugares, Madrid (64º) 47 e Viena (39) 39 lugares. Por outro lado, algumas cidades na Europa Central e Oriental, incluindo Moscovo (17º), São Petersburgo (49), e Kiev (173º),