As 7 bibliotecas mais espetaculares do mundo uma fica em Coimbra

As 7 bibliotecas mais espetaculares do mundo uma fica em Coimbra

Não é suficiente alimentar o corpo, mas também é necessário alimentar a alma e o conhecimento. Em uma época em que o digital é a regra, por que não aproveitar as páginas de um livro?

E se isso puder ser feito em bibliotecas como essas, melhor que melhor. O mecanismo de pesquisa de voos do Skyscanner selecionou algumas das bibliotecas mais bonitas e mais mágicas do mundo.

1. Biblioteca Real do Mosteiro de El Escorial, Madri, Espanha

Fundada por Felipe II no Mosteiro do Escorial, esta biblioteca é uma jóia com letras maiúsculas. Sob seus tetos pintados, ela cobre verdadeiras obras-primas da literatura e é um prazer para os olhos olhar para ela onde quer que  olhe. O salão principal é uma maravilha que mais parece uma catedral do que um espaço dedicado à literatura.

2. Biblioteca Real da Dinamarca, Copenhaga

A moderna sede da Biblioteca Real da Dinamarca é conhecida como "O Diamante Negro". Nas margens do porto de Copenhague, este edifício dos arquitetos dinamarqueses Schmidt Hammer Lassen consiste em dois cubos pretos que se inclinam ligeiramente na rua e estão ligados por um átrio de oito andares cheio de varandas. A biblioteca tem uma cobertura externa de mármore preto e vidro a partir da qual  pode ver o mar.

3. Biblioteca Joanina, Coimbra, Portugal

A Biblioteca Barroca Joanina é a biblioteca da Universidade de Coimbra e um luxo indescritível para os bibliófilos. Foi construído no século 18 durante o reinado de Juan V, de quem leva o seu nome, e assim que  cruzar o limiar não saberá onde procurar. Em três grandes salas separadas por grandes arcos, as paredes são cobertas com livros dos céus pintados. Aparentemente, este monumento nacional possui mais de 250.000 volumes.



Construída entre os anos de 1717 e 1728, é um dos expoentes  do Barroco Português e uma das mais ricas bibliotecas europeias. Ficará conhecida como Biblioteca Joanina em honra e memória do Rei D. João V (1707-1750), que patrocinou a sua construção e cujo retrato, da autoria de Domenico Duprà (1725), domina categoricamente o espaço.

É composta por três pisos: o Piso Nobre, espaço ricamente decorado, a face mais emblemática da Casa da Livraria; o Piso Intermédio, local de trabalho e funcionou como casa da Guarda; a Prisão Académica, que de 1773 até 1834 foi o local de clausura dos estudantes.

Piso Nobre, terminado em 1728, começou a receber os primeiros livros depois de 1750, e actualmente o seu acervo é composto por cerca de 40.000 volumes. Toda a sua construção visa a conservação do acervo bibliográfico, desde a largura das paredes exteriores ás madeiras no interior. Ainda no auxílio à preservação dos livros, existem duas pequenas colónias de morcegos que protegem as coleções de insetos bibliófagos. Foi utilizado como local de estudo desde 1777 até meados do séc. XX, com a entrada em funcionamento da atual Biblioteca Geral.



Prisão Académica funcionou inicialmente em dois aposentos sob a Sala dos Capelos, logo em 1559 - desde a sua fundação que a Universidade teve como privilégio um código judicial próprio, aparte da Lei Geral do Reino. Estavam subordinados a este código, o “Foro Privado”, todos os que de alguma maneira se encontravam ligados à instituição. Esta autonomia permitia à Universidade possuir Juiz – o Magnífico Reitor -, Guarda e Prisão.

Em 1773 a Prisão foi transferida para o edifício da Biblioteca Joanina que viu incorporados e recuperados os restos do que fora o antigo cárcere do Paço Real, e que documentam a única cadeia medieval que ainda existe em Portugal. Em 1834, e após a extinção das Ordens Religiosas, a Prisão serviu como local de depósito de livros, manuscritos e iluminuras que se encontravam em diversos mosteiros e conventos.



Piso Intermédio foi sempre o depósito da Casa da Livraria, o qual era vedado o acesso aos estudantes e outros funcionários – o acesso seria sempre e somente dos Bibliotecários. Era também o local onde se reuniria a Guarda Real Académica, que a partir daqui acedia à Prisão Académica, abaixo.

 




4. Ala Mortlock da Biblioteca Estadual do Sul da Austrália, Adelaide, Austrália

Com seu teto de vidro que filtra a luz australiana brilhante, a ala de Mortlock da Biblioteca Estadual da Austrália do Sul é uma das mais belas do mundo. O edifício abriu suas portas em 1884 como uma biblioteca pública, museu e sala de arte e hoje é uma atração turística para qualquer leitor de livros.

5. Delegação Beitou da Biblioteca Pública de Taipei, Taiwan

Eco-sustentável e muito verde, o prédio que abriga a filial de Beitou da Biblioteca Pública de Taipei é, além de funcional, bonito. Desde que abriu suas portas em 2006, este trabalho da Bio-Arquitetura Formosana está na boca de todos porque é um dos edifícios mais eficientes em energia da região. Construído em madeira e com grandes janelas, esta biblioteca é um prodígio. Além do lugar perfeito para fugir do caos de Taipei em busca de calma.

6. Biblioteca da Abadia de Admont, na Áustria

A Abadia de Admont é a maior biblioteca monástica do mundo e um prodígio da arte barroca. Localizado no mosteiro mais antigo da Estíria, seu estilo opulento é devido ao arquiteto Josep Hueber, que projetou em 1776 um espaço de 70 metros de comprimento, 14 de largura e 13 de alta, onde cerca de 70.000 volumes são mantidos. Seu teto pintado com afrescos de Bartolomeo Altomonte é uma de suas características mais espetaculares. Então, assim que entrar, olhe para cima.

7. Biblioteca Central de Seattle, Estados Unidos

A Biblioteca Central de Seattle é o coração das bibliotecas públicas da cidade e está localizada em um edifício futurista de 56 metros de altura construído com aço e vidro, bem no centro. Os principais arquitetos do projeto foram Rem Koolhaas e Joshua Prince-Ramus, que projetaram um espaço único no qual eles "vivem" quase um milhão e meio de livros e outros materiais. Uma vez lá dentro, vai parecer que 

está flutuando em passarelas dentro de uma pele de vidro.







O que visitar e conhecer em Portugal

Visitar Setúbal  os 7 melhores locais

Visitar Setúbal os 7 melhores locais

Castelo de SesimbraO Castelo de Sesimbra, também referido como Castelo dos Mouros, localiza-se na vila de mesmo nome, freguesia do Castelo, concelho de Sesimbra, distrito de Setúbal, em Portugal. O castelo medieval ergue-se em posição dominante numa falésia, sobre uma enseada que se constitui em porto natural na ...
9 locais grátis para visitar em Vila do Conde

9 locais grátis para visitar em Vila do Conde

Praia da rvoreSituada entre as Praias de Azurara e do Mindelo e a meio de um areal muito longo, a Praia da Árvore localiza-se junto do acesso ao Parque de Campismo e possui boas infraestruturas de apoio. Na parte sul do areal encontra-se uma faixa de dunas com cerca de um quilómetro de comprimento, área protegida, selvage...
Roteiro 7 museus para visitar em Portugal

Roteiro 7 museus para visitar em Portugal

Museu de Arte Contempornea de ElvasMuseu de Arte Contemporânea de Elvas (MACE) é um museu de artes contemporânea portuguesa inaugurado a 6 de julho de 2007, situando-se na cidade de Elvas. Instalado no edifí­cio do Antigo Hospital da Misericórdia que mais tarde passou a ser chamado Hospital Distrital de Elvas,...
Os 8 melhores pontos turisticos para conhecer e visitar em Beja

Os 8 melhores pontos turisticos para conhecer e visitar em Beja

Museu do MrmoreO magnífico mármore Português chega a todo o Mundo, oriundo das pedreiras de Vila Viçosa, Borba e Estremoz. A sua qualidade superior permite a exploração desde o período romano.   Mármore, do latim marmor, ou seja, pedra de qualidade ou pedra branca, é das mais for...