Visita o Mercado Time Out no Cas do Sodr





A revista Time Out organizou este animado salão de comida no Cais do Sodré, que combina com sucesso os mundos de intelectual e intelectual. Situado no tradicional Mercado da Ribeira, onde os moradores compram carne e peixe, é um dos melhores lugares em Lisboa para passar o dia, comendo e bebendo de mais de 50 conceitos diferentes. Comece com a charcutaria da marca Manteigaria Silva com mais de um século e termine com o sorvete de estilo italiano embalado em um cone de biscoito wafer da Santini. Uma das melhores razões para visitar é provar a cozinha de alguns dos chefs mais famosos de Portugal, incluindo Miguel Castro e Silva, Marlene Vieira, Miguel Laffan, Alexandre Silva e Henrique Sá Pessoa.



Museu do Banco de Portugal





A museografia, da autoria do ateliê Providência Design, desenvolvida com a equipa do Banco de Portugal, assenta em núcleos temáticos que focam os artigos-padrão, o dinheiro no mundo e a sua história ao longo dos séculos, o fabrico da nota e da moeda, e ainda testemunhos pessoais sobre o papel do dinheiro na vida do cidadão.O Museu do Dinheiro oferece uma experiência marcadamente interativa que recorre à tecnologia multimédia para mostrar o seu acervo. A museografia não convencional aposta na criação de ambientes surpreendentes, capazes de convocar a participação do visitante e de promover a construção de conhecimento.Este é um museu consciente da sua função social e da presença simbólica que tem na cidade e no país; um museu que assume como prioridade o contacto com vários públicos, que investe na programação educativa e cultural, mantendo uma forte ligação à comunidade e à cidade.O Museu do Dinheiro assegura a acessibilidade e a satisfação de quem o visita a vários níveis: social, físico, cognitivo. Identifica-se como um lugar de sociabilização que disponibilizará serviços e interfaces de comunicação com o público de formato variado — cafetaria, loja, auditório, biblioteca, áreas de acolhimento, salas de experimentação.



Arco da Rua Augusta Arco do Triunfo Lisboeta





A imensa praça ribeirinha de Lisboa, a Praça do Comércio , é bastante impressionante vista do chão, mas é apenas quando vista do Arco da Rua Augusta que suas vastas dimensões podem realmente ser apreciadas. O marco do arco do século XIX fica no extremo norte do terminal próximo ao extremo sul da Rua Augusta, a principal via pedestre da cidade. Projetado pelo arquiteto português Santos de Carvalhoe construído para marcar a reconstrução da capital após o terramoto de 1755, o monumento foi inaugurado em 1873. Só recentemente foi permitido ao público visitar o topo do arco, onde um terraço é encimado por uma estátua alegórica de Glória, ele mesmo coroando figuras representando Bravura e Gênio e decorado com coroas de flores. Abaixo, um entablamento suporta estátuas adicionais de heróis nacionais, incluindo o Vasco da Gama e o Marquês de Pombal



Torre de Belm uma torre histrica da Cidade de Lisboa





Indiscutivelmente a mais emblemática de todos os monumentos históricos de Lisboa, a Torre de Belém agacha-se nas águas rasas, perto da foz do rio Tejo, como símbolo da extraordinária era dos Descobrimentos de Portugal, no século XVI. Construída em 1515-21 como uma fortaleza e originalmente situada no meio do rio (o curso de água mudou ao longo dos anos), a torre representa o ponto alto da arquitectura manuelina decorativa . Sua fachada ornamentada é adornada com motivos marítimos fantásticos - todas as cordas torcidas e esferas armilares esculpidas em pedra. De fato, tão valioso e icônico é este monumento que é protegido como Patrimônio Mundial da UNESCO . Situado em vários níveis, o recurso interior mais interessante é o segundo andarKings Chamber, onde o quarto se abre para uma loggia renascentista



Convento do Carmo e Museu Arqueolgico





Elevando-se acima de Lisboa, o esquelético Convento do Carmo foi praticamente devorado pelo terramoto de 1755, e é precisamente isso que o torna tão cativante. Seus pilares despedaçados e arcos tipo "wishbone" estão completamente expostos aos elementos. Os abrigos Museu Arqueológico tesouros arqueológicos, tais como sarcófagos 4-século, fragmentos de coluna Grifo-coberto, século 16- azulejo (azulejo pintados à mão) painéis e duas múmias peruanas repulsivas do século 16.



Elevador de Santa Justa Lisboa





O Elevador de Santa Justa, também referido como Elevador do Carmo, é um sistema de transporte público, situado no centro da cidade de Lisboa, no distrito de mesmo nome, em Portugal. Liga a rua do Ouro e a rua do Carmo ao largo do Carmo e constitui-se num dos monumentos mais interessantes da Baixa de Lisboa.

O Elevador de Santa Justa é um elevador admiravelmente trabalhado, que transporta passageiros desde a Baixa até às ruínas da Igreja do Carmo. O Elevador de Santa Justa é uma maravilha da era industrial, com a estrutura de ferro exterior formando arcos neogóticos gloriosos, enquanto no interior duas sumptuosas cabines de madeira envernizada elevam os passageiros em grande estilo.

 

É composto por uma torre metálica onde circulam duas cabinas, e por uma passadeira que liga o piso superior à zona do Carmo. A estrutura do elevador é composta por ferro fundido, e utiliza um esquema inspirado no estilo neogótico. Foi construí­do sob a gestão do distinto engenheiro Raoul Mesnier du Ponsard, conhecido por ter feito outros projectos do mesmo tipo em território nacional.

Este elevador foi planeado desde a Década de 1890, mas o projecto só foi aprovado pela Câmara Municipal de Lisboa em 1900, ano em que se iniciaram as obras. Durante a construção, uma das fases mais impressionantes foi a deslocação do viaduto e do pilar de suporte para as suas posições respectivas, manobra que foi executada através da rotação dos componentes inteiros.

O elevador foi inaugurado em 1902.

A bilheteira localiza-se por trás da torre, sob os degraus da rua do Carmo. Os passageiros podem subir ou descer pelo elevador dentro de duas elegantes cabinas de madeira com acessórios de latão.



Caf A Brasileira e a esttua de bronze de Fernando Pessoa





Uma estátua de bronze de Fernando Pessoa saúda os visitantes no Café A Brasileira - o querido poeta freqüentava esse lugar para beber o absinto. Um dos cafés mais antigos e talvez mais famosos de Lisboa, esta instituição de 1905 foi, no seu apogeu, um grande local para escritores e intelectuais se reunirem. Hoje é um pouco uma armadilha turística, mas não deixe que isso te deter; O pano de fundo Art Deco, completo com madeira escura, salpicos de latão, espelhos e um piso preto e branco, é como um pedaço da herança de Portugal, renascida.



Ncleo Arqueolgico da Rua dos Correeiros





Podemos observar e admirar estruturas sobrepostas de períodos históricos desde o Púnico ao Medieval e o Pombalino , para além de um espólio de várias épocas, dispostas de modo a mostrar as várias fases da ocupação da zona da baixa.

Visitas guiadas de 45 minutos.

Horário

Visitas em português - 5ªf: 15h00 e 16h00 | sábados: 10h00, 13h00, 15h00 e 17h00.Visitas em inglês - 5ªf: 17h00 | sábados: 12h00 e 17h00.

Encerra: domingos, 2ªf, 3ªf, 4ªf, 6ªf e feriados



Museu Nacional de Arqueologia Lisboa Belm





O Museu Nacional de Arqueologia (MNA) é o principal museu nacional de âmbito arqueológico em Portugal. Localizado em Lisboa, o museu foi fundado em 1893 por iniciativa de José Leite de Vasconcelos. O museu situa-se na ala ocidental do Mosteiro dos Jerónimos, onde ficava o antigo dormitório do Mosteiro, nas instalações oitocentistas em estilo neomanuelino, cedida por decisão governamental de 20 de novembro de 1900, iniciando-se a sua transferência em 1903 e abrindo portas em 1906.

O MNA resulta do esforço de José Leite de Vasconcelos (1858-1941) para criar um u201cMuseu do Homem Portuguêsu201d. Com o patrocí­nio de Bernardino Machado, foi criado, por decreto régio de 20 de dezembro de 1893, como u201cMuseu Ethnographico Portuguêsu201d. Como instituição centenária, esteve subordinada ao longo dos anos a diversas entidades e viu a sua designação alterar-se por quatro vezes, denominando-se, desde 1989, Museu Nacional de Arqueologia do Dr. Leite de Vasconcelos.

Em mais de um século de existência, este Museu constituiu-se a instituição de referência da Arqueologia Portuguesa com correspondência regular com museus, universidades e centros de investigação em todo o Mundo.

O Museu Nacional de Arqueologia foi distinguido com o Prémio Internacional u201cGenio Protector da Colonia Augusta Emeritau201d, atribuí­do pela Fundação de Estudos Romanos e pelo Grupo de Amigos do Museo Nacional de Arte Romano de Mérida, em Espanha.

Instituição centenária, o atual Museu Nacional de Arqueologia (MNA) foi fundado, em Dezembro de 1893, por proposta de Leite de Vasconcelos  (e daí a designação oficial mais completa do Museu, conforme publicação em 1989, no “Diário da República”: Museu Nacional de Arqueologia, do Doutor Leite de Vasconcelos).

O Despacho-Régio, promulgado pelo Rei D. Carlos, foi subscrito por dois ministros do governo de Hintze Ribeiro, concretamente João Chagas, Ministro do Reino e Bernardino Ribeiro, Ministro das Obras Públicas, Comércio e Indústria, e patrono político da ideia. Aliás a relação de amizade e de colaboração entre Bernardino Machado e José Leite de Vasconcelos é anterior à data da criação do Museu e vai manter-se até à morte deste último.

Em mais de um século de existência este Museu constituiu-se na instituição de referência da Arqueologia Portuguesa, com correspondência regular com museus, universidades e centros de investigação em todo o Mundo. O acervo do Museu reúne as coleções iniciais do Fundador e de Estácio da Veiga. A estas somaram-se numerosas outras, umas por integração a partir de outros departamentos do Estado (por exemplo: coleções de arqueologia da antiga Casa Real Portuguesa, 



Fazer um passeio de Elctrico 28





Andar no electrico 28 do Martim Moniz para o Campo de Ourique é uma das coisas mais divertidas para se fazer em Lisboa - também é uma ótima maneira de entender a geografia da cidade passando pelos principais pontos de interesse de Lisboa, e para evitar uma subida a pé, o que não faz mal!

Esta é definitivamente uma das principais atracções da cidade velha de Lisboa, e os eléctricos ficam muito cheios ao meio-dia e horas de pico quando os habitantes locais voltam do trabalho. Para evitar as multidões tente e vá antes das 11 horas, ainda mais cedo no verão.



Aqurio Vasco da Gama





O Aquário Vasco da Gama é um dos mais antigos do mundo. Localiza-se no Dafundo, freguesia de Cruz Quebrada - Dafundo, municí­pio de Oeiras, distrito de Lisboa, em Portugal. Trata-se de um aquário público.

Em 1898, na altura da inauguração do Aquário Vasco da Gama, o Rei Dom Carlos I realizou numa das salas uma exposição temporária com os espécimes zoológicos por ele recolhidos nas campanhas oceanográficas de 1896-1897.

Curiosamente esses mesmos espécimes regressariam anos mais tarde ao Aquário Vasco da Gama, integrando a Coleção Oceanográfica do Rei Dom Carlos I, enriquecendo de tal forma o Museu, que ainda hoje este é essencialmente conhecido pelos espécimes raros associados ao monarca oceanógrafo.

Com o passar dos anos o Museu foi reunindo outros espécimes biológicos, num conjunto que hoje se designa genericamente Colecção Aquário Vasco da Gama e que inclui sobretudo moluscos, peixes marinhos, peixes de água doce, aves aquáticas, tartarugas e mamíferos marinhos.



S de Lisboa A Imperdvel Mais Antiga Catedral da Cidade





A Sé de Lisboa , a catedral com um exterior imponente, é a mais antiga e importante catedral da cidade, construída em 1150, logo após os cristãos terem recuperado a cidade dos mouros. Tendo sobrevivido a vários terramotos e sido reconstruída várias vezes, a catedral é hoje uma mistura de diferentes estilos arquitectónicos e inclui um impressionante claustro gótico. É um complexo antigo icônico que todo visitante não deve perder.



Igreja de So Vicente de Fora Lisboa





A Igreja de São Vicente de Fora, também referida como Mosteiro de São Vicente de Fora, localiza-se no bairro histórico de Alfama, na cidade e Distrito de Lisboa, em Portugal.

O atual edifício maneirista, de carácter monumental, harmonioso e simétrico, substituiu o primitivo complexo arquitetónico românico do séc. XII (1147), um Mosteiro do mesmo nome, mandado construir por D. Afonso Henriques em agradecimento pela conquista de Lisboa aos Mouros nesse mesmo ano.

Mandado erguer por Filipe II em 1582, a construção termina em 1629, tendo sido dirigida por Fillipo Terzi em colaboração com outros engenheiros e mestres de obras, possivelmente segundo modelo inicial atribuído ao arquiteto de Filipe II, Juan de Herrera, autor do Mosteiro de El Escorial (Madrid).



Igreja de So Domingos (Santa Justa) Lisboa





A Igreja de São Domingos, do Convento de São Domingos de Lisboa ocupa a metade norte do lado oriental da Praça D. Pedro IV. Sendo limitada a Norte pela Rua Barros de Queirós, a Oeste pelo Largo de São Domingos, a Sul pela Praça da Figueira e a Este pela Rua de Dom Duarte.

Foi construí­da no século XIII, por ordem do rei D. Sancho II tendo a sua primeira pedra sido lançada em 1241. Desde então foi alvo de inúmeras campanhas de obras que lhe alteraram a sua traça medieval por completo. O convento foi acrescentado depois por D. Afonso III e novamente aumentado por D. Manuel I. Foi aqui que começou o Massacre de Lisboa de 1506. O terramoto de 1531 arruinou-o muito, o que obrigou a nova reedificação em 1536.

 

Esta igreja é famosa por albergar no seu interior parte do lenço da pastorinha Lúcia, assim como o terço da pastorinha Jacinta, usados por elas quando se deu o milagre do sol, a 13 de Maio de 1917. A primeira pedra da Igreja de São Domingos foi lançada no ano de 1241 sendo que, desde então, esta tem sofrido sucessivas campanhas de restauro e ampliação.

 

O estilo arquitetónico da Igreja de São Domingos é uma mescla dos diferentes períodos e influências que a moldaram, entre as quais em 1748, com a reforma implementada por Frederico Ludovice à capela-mor, assim como a posterior obra de reconstrução de Manuel Caetano Sousa e as obras de reconstrução que se deram após o grande incêndio de 1954. Dos vários elementos que a constituem sobressam os Maneiristas e Barrocos.

Neste terramoto, acontecido a 26 de Janeiro, tudo muda. Foram enormes os danos causados pelo sismo. Nas suas espessas paredes abriram-se fendas desde o teto até ao chão, chegando mesmo a ruí­r em alguns pontos. A sua reabertura foi possí­vel graças í s esmolas dos fiéis, í s diversas congregações - destacando-se a companhia de Jesus - e de um subsí­dio proveniente do Rei. Serão conservadas as três naves e todos os seus ornamentos.

A velha Igreja de São Domingos ficava junto à ermida de Nossa Senhora da Escada, também conhecida por Nossa Senhora da Corredoura, por ficar próximo do sí­tio deste nome, atualmente a Rua das Portas de Santo Antão, e cuja construção datava dos princí­pios da monarquia.

Era notável a sua riqueza em alfaias preciosas, havendo uma imagem de prata maciça, que saí­a em procissão num andor do mesmo metal, alumiada por lâmpadas também de prata. As pinturas dos altares, os paramentos, os tesouros, tudo desapareceu durante o terramoto de 1755, salvando-se unicamente a sacristia e a capela-mor, mandada fazer por D. João V e riscada pelo arquitecto João Frederico Ludovice, em 1748 - homem que projectou o colossal Convento de Mafra. A capela-mor, toda de mármore negro, e em cujas colunas se vêem, junto à base, medalhões delicadamente cinzelados, que também avultam sobre os nichos laterais.

Na sua reconstrução, o arquiteto Carlos Mardel (1696-1763) tentou preservar ao máximo o estilo da capela-mor projetada pelo arquiteto João Frederico Ludovice (1676-1752). O arquiteto acrescentou também magnificas colunas de mármore em todos os altares. No que concerne ao coro-alto este é constituí­do por uma planta retangular sobre o travejamento de madeira, assente em duas majestosas colunas, sendo iluminado pelas três entradas de luz que se encontram num registo superior, assim como pelo óculo da janela principal. A sua reabertura deu-se em 1834 conseguindo albergar mais de 2000 fiéis.

A igreja acabou por ser reconstruí­da por Manuel Caetano de Sousa, sob direcção de Carlos Mardel. O portal foi reaproveitado e veio da capela real do Palácio da Ribeira, assim como a sacada que encima o portal.

Sendo uma das igrejas mais vasta de Lisboa, nela se realizaram todas as grandes cerimónias religiosas, as exéquias nacionais e reais, assim como as solenidades dos baptizados e casamentos reais.

Em 13 de agosto de 1959, um violento incêndio destruiu por completo a decoração interior da igreja, onde constavam altares em talha dourada, imagens valiosas e pinturas de Pedro Alexandrino de Carvalho. A igreja recebeu obras e reabriu ao público em 1994, sem esconder as marcas do incêndio, como as colunas rachadas. Ainda que destruí­da, é uma igreja que sobressai pela policromia dos seus mármores.

Actualmente é a igreja paroquial da freguesia de Santa Justa e Santa Rufina, em plena Baixa Pombalina e foi classificada como Monumento Nacional. Expõe metade do lenço usado pela Irmã Lúcia no dia 13 de Outubro de 1917 (a outra metade encontra-se no Santuário de Nossa Senhora de Fátima, em Fátima) e ainda o terço usado por Santa Jacinta Marto no mesmo dia.

De traço predominantemente barroco, de planta em cruz latina, tem uma fachada muito simples e o interior, mesmo depois do terramoto e do fogo, evidencia ainda grande beleza e ecletismo. É uma igreja de uma só nave, majestosa. A sacristia e a portaria ainda mostram um pouco de sabor maneirista, denotando as várias campanhas de obras de que foi alvo na sua história. O mesmo estilo pode ser visto nos túmulos e lambris de azulejos de ponta de diamante na sacristia.

Na casa-forte, por trás do altar, existe o túmulo de D. Afonso, filho de D. Afonso III. Numa passagem para a sacristia, com entrada pela Rua da Palma, encontram-se os túmulos do grande pregador dominicano Fr. Luí­s de Granada (m. 1588) e do reformador da ordem Fr. João de Vasconcelos (m. 1652). Esta igreja tem ainda uma cripta abobadada e dotada de lambris de azulejos, onde está o túmulo de D. João de Castro, capelão de D. João.



Torre de So Vicente de Belm Lisboa (Ou torre de Belm)





A " Torre de São Vicente de Belém " é, sem dúvida, um dos monumentos mais emblemáticos da capital portuguesa. E um dos mais visitados e não só por estar perto do espetacular Mosterio dos Jerónimos.

O projecto inicial surge do plano de defesa da barra do Tejo iniciado por João II nas primeiras décadas do século XV (ver As vicissitudes da fortificação do estuário do rio Tejo ). Este plano incluiu a construção da Torre de Santo António,em Cascais, como um miradouro avançado no estuário, e a torre de S. Sebastião da Caparica , que atravessaria os fogos com a projectada Torre de Belém. Desta forma, uma vez terminada, a defesa marítima da capital seria simbolicamente assegurada pelos três santos de Lisboa por excelência.

Mas a torre só seria construída durante o reinado de seu sucessor, D. Manuel.Enquanto isso, no meio do Tejo estava ancorado o Grande Nau, um navio de 1000 toneladas fortemente armado, que provisoriamente complementava as baterias terrestres.

 

A Torre foi construída entre 1514 e 1520 pelo arquiteto Francisco de Arruda , supervisionado pelo Mestre de Obras do Reino, Diogo de Boytac , que na época dirigia as obras do Mosteiro dos Jerónimos. Recém-chegado do Norte de África onde trabalhou em várias fortalezas portuguesas, Arruda conseguiu criar uma fortaleza vocacional moderna e universal, digna da efervescente Lisboa manuelina.

A estrutura é constituída pela torre de residência acastillada, de tradição medieval, e pela fortificação abaluartada, de concepção absolutamente moderna.

 

A função militar é reservada para o bastião, que avança sobre as águas em três andares (subsolo, nave e terraço). O baluarte, ou plataforma de artilharia avançada, é poligonal em design e cobre uma ampla área de fogo. Está adaptado para os primeiros usos da pirobalística em Portugal, com 16 aeronaves endereçáveis e localizadas ligeiramente acima do nível médio de água, o que permite a prática de tiro rebote.

A torre residencial, com quatro andares abobadados, é um eco das tradicionais torres medievais de homenagem. Os seus quartos (que vivem Salão dos Reis do Governador, Salão de Audiências e capela no piso superior, sob o terraço) são reservados para funções civis e de culto.

No entanto, os elementos que mais se destacam na construção são, sem dúvida, os decorativos. Assim, a função defensiva que domina o conjunto é conjugada com numerosos motivos de inspiração fantásticos e uma influência simbólica do Maghrebi e orientadora

Entre os motivos decorativos mais proeminentes é o famoso rinoceronte esculpida na base de uma portaria, provavelmente inspirado no rinoceronte foi trazido para Lisboa (ele caiu ao lado das obras da torre) da Índia em 1515 e tanta expectativa criada em a época.

A Torre de Belém foi classificada como Monumento Nacional em 1910, registrada no Patrimônio da Unesco em 1983 e escolhida em 2007 como uma das 7 maravilhas do país.

 



Turismo em Portugal

Explora restaurantes museus hoteis e muito mais em Portugal