15 Melhores Coisas para fazer em Lamego


No Alto Douro, envolto em vinhas e maís, Lamego é uma cidade que chama a atenção pela sua arte, arquitetura barroca e vinho. Cada igreja ou capela precisa de um momento porque pode estar escondendo um tesouro como talha dourada ou o túmulo de uma figura histórica.

E se você for verdadeiramente devotado, não pensará em conquistar quase 700 degraus para subir ao Santuário de Nossa Senhora dos Remédios. No elegante Vale do Douro, não é de surpreender que o vinho esteja na agenda em Lamego, mas talvez não esteja preparado para o vinho espumante, um local de orgulho guardado em cavernas na cidade.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Lamego :

1. Museu de Lamego

 

Organizado pelo glorioso palácio episcopal, o Museu de Lamego está repleto de preciosas pinturas, esculturas, ourivesaria, azulejos, arqueologia, mobiliário e artefactos litúrgicos de várias épocas.

Muitas destas obras foram recolhidas pelos Bispos de Lamego, mas a colecção foi ampliada nos 80 anos em que o museu esteve aberto.

Os nocautes são do período da Renascença, como as quatro tapeçarias flamengas do século XVI evocando a tragédia de Édipo, ou as cinco pinturas do mestre renascentista Grão Vasco que originalmente compunham um políptico na catedral de Lamego antes de serem removidas em 1700.

2. Santuário de Nossa Senhora dos Remédios

Uma escadaria teatral sobe o Monte de Santo Estêvão até este santuário barroco e rococó do século XVIII.

Os devotos religiosos têm enfrentado a escalada desde pelo menos o 1300s.

A jornada é metade da diversão e requer 686 degraus por nove pousos e é enriquecida com painéis de azulejos, capelas, fontes, obeliscos e estátuas.

Você pode respirar nos nove pátios, e um deles, o “Pátio dos Reis”, tem as imagens dos 18 reis de Israel.

Quando você finalmente chegar ao topo, você pode ir ao encontro de Nossa Senhora dos Remédios em seu altar resplandecente.

Também neste terraço superior há um castanheiro com mais de 700 anos e coberto de hera.

3. Catedral de Lamego

Este Monumento Nacional remonta a 1129, mas já passou por centenas de anos de aperfeiçoamentos.

Hoje, a única característica dos primórdios é a torre sineira quadrada, que exibe janelas estreitas e românicas com arcos semicirculares.

A fachada é gótica, com pináculos e alvenaria detalhada nas arquivoltas ogivais acima dos três portais.

Mas entrar na catedral é como entrar em uma era diferente, já que o restante da igreja é do século XVIII.

Ou seja, além do claustro, datado de 1524 e com arcos renascentistas em torno de um jardim formal delicado com uma fonte.

4. Castelo de Lamego

Protegendo um esporão de granito acidentado, o castelo de Lamego é outro monumento nacional.

Não é uma grande parte da fortaleza original que chegou ao século 21, mas ainda há o suficiente para transportá-lo para a era das guerras entre os mouros e cristãos.

Foi capturado no final do século 10 pelo lendário comandante mouro Almanzor, e só reconquistado pelos cristãos 60 anos depois, à custa de muitos homens.

A praça quadrangular tem um pequeno museu no interior com exposições interativas, e do parapeito você pode ver os rios Coura, Balsemão e Varosa em um só panorama.

Além disso, mantenha os olhos abertos para a cisterna mourisca do castelo, que fica do lado de fora das paredes e tem abóbadas com nervuras sustentadas por quatro arcos apoiados em pilares.

5. Capela de São Pedro de Balsemão

 

Esta capela é mais antiga que qualquer outro monumento em Lamego.

Embora o exterior tenha um desenho barroco, o interior é tão antigo quanto o 600 quando este era um santuário visigótico.

Uma coisa legal sobre esta capela é que as pedras de uma vila romana nas proximidades foram usadas como material para o altar no edifício atual.

A atenção será dada à estátua mariana do século XIV, esculpida em pedra calcária da famosa pedreira de Ançã.

E a peça central, enquadrada por dois conjuntos de colunas e arcos semicirculares, é a tumba de granito do século XIV do Bispo do Porto.

 

6. Capela do Desterro

 

 

O que parece de fora, como uma igreja comum, esconde um dos tesouros de Lamego.

O edifício aqui hoje é da década de 1640, quando o oficial de diligências de Leça substituiu a capela que estava neste local por uma igreja barroca de tamanho natural.

Algumas das pinturas encomendadas para a igreja terminaram no Museu de Lamego, mas ainda dentro está a madeira dourada que foi criada nos anos 1700 pelos escultores locais Manuel de Gouveia, Manuel Machado e Manuel Martins.

O teto de caixotão é de tirar o fôlego também, com episódios da vida de Cristo pintados nos painéis.

7. Turismo de Vinhos

 

O advento do vinho do Porto foi um benefício para a economia de Lamego, com graciosas propriedades surgindo em meio a um mar de vinhas.

O porto é apenas um dos vários tipos de vinho produzidos perto de Lamego; na verdade, a cidade fez um nome para suas variedades espumantes.

Estes podem ser vermelhos ou brancos, e você pode comprá-los em cavernas (tente Caves da Raposeira), indo para o subsolo, onde a fermentação secundária que dá ao vinho seu fizz.

O vinho espumante de Lamego é geralmente frutado e é perfeito como aperitivo.

Também pode visitar as adegas do porto para conhecer os séculos de herança vitícola do Vale do Douro: a Quinta da Pacheca e a Quinta de Santa Eufémia, com vista para o Douro, são duas para anotar.

8. Arquitetura Barroca

 

Lamego é frequentemente descrito como a capital do barroco em Portugal, e é abençoado muitos edifícios esplêndidos dos anos 1700, quando o estilo atingiu o seu auge.

Além do Santuário de Nossa Senhora dos Remédios e do palácio episcopal que abriga o museu, há o Cine-Teatro do Ribeiro da Conceição, que fica no antigo hospital da cidade, datado de 1727, e convertido em 2008. A Biblioteca Municipal é requintada o exterior, caracterizando um frontão e pináculos curvos, e é a biblioteca velha para o palácio episcopal.

Veja também as mansões “solares” refinadas da Casa das Brolhas, da Casa dos Serpas e da Casa dos Mores do exterior.

E não esqueça a fonte Chafariz dos Remédios, concebida pelo mestre barroco italiano Nicolau Nasoni.

9. Jardim da República lamego

De frente para a prefeitura e cercado por elegantes edifícios de granito e cal, este jardim é um lugar para descansar por alguns minutos.

Tem gramados em um padrão formal e sombra abundante sob palmeiras e árvores de folha caduca frescas.

Na margem leste, ao lado da prefeitura, há o tronco nobre de outro castanheiro antigo, a poucos passos de um busto do poeta nascido em Lamego, Fausto Guedes Teixeira.

No centro do parque há um belo coreto Art Nouveau, enquanto as fronteiras oeste, norte e sul do parque são todas emolduradas por uma grande balaustrada de granito.

10. Miradouro de São Domingos

As margens do Douro estão a menos de 10 quilómetros de Lamego, e existem alguns pontos de observação que permitem apreciar toda a majestade do rio.

Uma das escolhas é o Miradouro de São Domingos, no Peso da Régua.

Em uma varanda natural sobre a margem direita, você pode se maravilhar com o rio verde-esmeralda e o cenário de bancos íngremes em socalcos, interrompidos apenas por ciprestes ou pinheiros solitários.

É uma visão para ver de fotografia em qualquer tempo, e a única coisa que poderia fazer melhorar é se um veleiro Rabelo dos velhos tempos passar.

11. Museu do Douro

 

Também junto ao rio em Peso da Régua, o Museu do Douro celebra a história e a cultura desta região vinícola listada na UNESCO.

O Vale do Douro é a região vinícola mais antiga do mundo, com raízes no século XVIII.

E o edifício do museu tem um significado especial como a Casa da Companhia Velha, que regulamentou a produção de vinho no Alto Douro a partir de 1756.

Você será enviado de volta para os primeiros dias da vinicultura no vale, descobrir mais sobre os solos, as técnicas de paisagismo que deram espaço extra para as vinhas, as origens dos barcos rabelo tradicionais e os costumes que vêm com a colheita da uva.

Termine com uma taça de vinho no bar do museu que se abre para o Douro.

12. Convento de São João de Tarouca

 

O primeiro mosteiro cisterciense de Portugal foi fundado um pouco ao sul de Lamego em 1100.

E nas décadas seguintes à conquista do rei D. Afonso Henriques, o mosteiro recebeu generosas doações.

Isso permitiu que ela se tornasse a instituição-mãe de vários conventos no norte de Portugal.

A igreja é onde você passará a maior parte de sua visita e tem arquitetura e acessórios românicos, góticos, renascentistas e barrocos.

Historiadores e amantes da arte ficarão absortos, estudando os azulejos, pinturas, a madeira dourada radiante dos três altares e a tumba do século XIV de Pedro Afonso Conde de Barcelos.

Isto tem uma escultura reclinada e relevos esculpidos nas laterais do sarcófago.

13. Festa de Nossa Senhora dos Remédios

Durante duas semanas, no final de setembro, há um festival em homenagem ao santuário de Nossa Senhora dos Remédios, no santuário no topo da colina.

Nos primeiros três dias após o início das celebrações, há peregrinações diárias até os nove lances de escada para a igreja.

Mas esta é uma pequena parte de um grande programa de espectáculos de fado, recitais de dança e um festival anual de folclore que se realiza como um evento paralelo.

No final das duas semanas, há a Batalha das Flores, com desfiles com bandas de música, carros alegóricos com temas folclóricos, dançarinos de samba e fantoches cerimoniais gigantes tradicionais.

E depois, no dia 8 de setembro, a Procissão do Triunfo, o ponto alto da quinzena, quando boias com imagens sagradas são desenhadas pelas ruas de bois.

14. Parque Biológico da Serra da Meada

 

Uma maneira de invadir a paisagem serena fora de Lamego, este parque tem trilhas arborizadas que o conduzem além dos habitats de um santuário da natureza.

Alguns animais são mantidos aqui por um tempo antes de serem soltos na natureza, enquanto outros são residentes permanentes porque não sobreviveriam na natureza.

Normalmente, o parque possui animais domésticos como cavalos e cabras, bem como veados, javalis, raposas e uma diversidade de pássaros nativos das colinas e bosques no Vale do Douro.

Há 50 hectares ao todo e três quilômetros de caminhos na antiga floresta de pinheiros.

15. Gastronomia

No vale do Alto Douro a comida é rústica e carnosa, com muitos assados como cabrito com batatas e coelho cozido em fornos a lenha.

O presunto (fiambre) também é grande em Lamego, e pode ser tomado como um lanche com um copo de vinho, em sanduíches ou com melão.

A bola de Lamego é um sanduíche típico, recheado com presunto, vinha dalhos, sardinha ou queijo.

Ao percorrer o vale do Douro, poderá notar que as culturas de milho são quase tão abundantes como as vinhas.

O milho é utilizado em muitas preparações, incluindo várias saladas, vinha dalhos e broa de milho, pão de milho português.

  • 15 Melhores Coisas para fazer em Lamego


Outros Artigos Populares no Blogue