A cidade de Santa Maria da Feira fica a uma curta distância da costa, meia hora a sul do Porto . Um marco que faz um impacto imediato é o castelo, em estado imaculado e preservando 500 anos da história medieval portuguesa. Todo verão esta é a cena de um dos maiores festivais medievais da Europa, com encenações épicas, mercados e entretenimento para as crianças.

Há mais para mantê-lo por perto, como um museu em um convento do século 16 com artefatos recuperados de uma cidadela celta, o único zoológico de aves de aviário de Portugal, fontes termais e um conjunto de divertidos museus locais. Outro festival varre Santa Maria em maio, quando trupes de muitos países vêm para deslumbrar as multidões no principal festival de teatro de rua de Portugal.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Santa Maria da Feira :

1. Castelo de Santa Maria da Feira

 

A maior glória da cidade é um dos monumentos medievais mais completos do país.

O castelo foi uma fortaleza regional entre os séculos 11 e 15, e surpreendentemente, grandes peças de arquitetura sobrevivem de cada período.

Há uma cidadela de formato oval comandada por uma fortaleza intimidadora que tem torres piramidais em cada esquina.

Você entra no complexo sob a barbacã, que até hoje ostenta um brasão.

A torre de menagem é de três andares, com uma cisterna no piso térreo, abaixo do grande salão que era aquecido por três lareiras maciças.

Mais acima foram os apartamentos íntimos, e você também pode entrar no telhado para apreciar a paisagem dos parapeitos.

2. Viagem Medieval em Terra de Santa Maria

Todo verão, Santa Maria da Feira encena um evento que envergonha as tradicionais feiras renascentistas.

A Viagem Medieval em Terra de Santa Maria tem mercados, palhaços, torneios simulados, danças tradicionais, demonstrações de falcoaria e muito mais.

As crianças podem ver shows de marionetes, montar burros e participar de cursos de aventura.

O evento se transforma em espetáculos noturnos com legiões de voluntários, dublês a cavalo e até máquinas de cerco.

Embora o entretenimento seja o objetivo, há também um contexto histórico para as celebrações, abordando diferentes capítulos da história medieval da região, como a Reconquista ou os reinados de famosos Reis como Denis I ou Afonso IV nos séculos XIII e XIV.

3. Museu Convento dos Lóios

 
 
Também um museu, este convento do século XVI é um espetáculo por si só: tem um claustro com uma fonte no meio e a deslumbrante escadaria monumental que ziguezagueia até à fachada ocidental da Igreja do Espírito Santo.

No terraço superior há uma cruz de 1746, enquanto na base dos degraus há uma bela fonte do século XVI encimada por uma esfera armilar.

Em 2000, o convento tornou-se um museu quando o patrimônio arqueológico e etnológico da cidade foi realocado em seus quartos.

Na exposição estão os vasos de barro que remontam à Idade do Bronze, e depois moedas, ferramentas de metal e estelas da época romana.

Na etnologia, as salas são ferramentas para o artesanato local, como fabricação de papel, cooperação e tecelagem.

4. Jardim Zoológico de Lourosa

 
 
Este zoológico tem a distinção de ser o único parque ornitológico em Portugal.

E é dedicado a nenhum outro animal, com cerca de 500 aves de 150 espécies, e alojado em 80 aviários diferentes ou recintos abertos.

Como introdução, há pelicanos, tucanos, muitas espécies de papagaios, flamingos e aves de rapina como abutres e corujas nevadas.

Fique de olho no calendário, porque se você vir em certas épocas do ano, como o Dia dos Namorados, Carnaval, Páscoa ou Halloween, há um programa de atividades especiais para crianças.

5. Museu do Papel

 

Há mais de 300 anos que as pessoas fabricam papel à escala industrial em Santa Maria da Feira e, em 2001, a cidade abriu o primeiro museu de papel de Portugal.

Isto está alojado em um complexo de duas fábricas de papel do início dos anos 1800 que também inclui as misteriosas ruínas de uma terceira fábrica do final dos anos 1700.

No primeiro dos antigos moinhos você pode se familiarizar com o mais antigo processo de fabricação de papel feito à mão, enquanto o segundo moinho tem as máquinas que assumiram a produção nos séculos XIX e XX.

Há um conjunto de marcas dágua para inspecionar e você também pode notar a diferença no papel produzido em outras partes de Portugal.

 

6. Castro de Romariz

 

Esta vila fortificada no topo da colina foi habitada desde o século 5 aC até o século I dC, mas ficou esquecida até o século XIX.

As escavações não foram feitas até a década de 1980, quando os arqueólogos revelaram um dos mais completos castros da região do Entre Douro e Vouga.

Desenterraram cerâmicas, vidro, moedas e utensílios de metal, alguns dos quais viajaram de longe até a Grécia e Cartago.

Estas estão todas em exibição no Museu Convento dos Lóios.

A aldeia tem a rede característica de paredes circulares e retangulares que eram as seções inferiores imperecíveis de casas e salas de reunião.

Você pode reservar uma visita guiada ao local com o museu durante a semana.

7. Museu de Santa Maria de Lamas

 

Um par de minutos até a estrada é a paróquia de Santa Maria de Lamas, onde a antiga casa senhorial de um habitante filantrópico do século 20 foi transformada em um museu.

Henrique Alves de Amorim doou sua propriedade à cidade quando morreu e, como amante da arte, acumulou 16 salas de azulejos, tapeçarias, pinturas, esculturas e muitos itens litúrgicos.

Há quartos inteiros alinhados com estátuas barrocas de madeira dourada e policromáticas.

Mas o mais desconcertante de todos é a colecção de cortiça da Amorim, repleta de ferramentas de processamento de cortiça e com modelos como a Torre de Belém de Lisboa e as caravelas do século XV deste material.

8. Visionarium

 

Este multisensorial, museu de ciência hands-on incentiva as crianças a aprender sobre tecnologia, astronomia, química e do corpo humano através de experimentos e interação.

Você pode descobrir como os exploradores portugueses navegaram pelo mundo na Era dos Descobrimentos e explorar o funcionamento interno de órgãos humanos e microchips com modelos em movimento e exibições de multimídia.

São seis salas ao todo, com seis personagens de desenhos animados acompanhando as exibições, além do Laboratorium, um laboratório de alta tecnologia onde as crianças podem assistir a experiências e demonstrações em microbiologia, ciência forense, genética e até gastronomia molecular.

9. Termas de São Jorge

 

A fonte termal das Caldas de São Jorge atrai visitantes pelas suas propriedades curativas há gerações.

A água é sulfurosa e afirma ser boa para problemas musculoesqueléticos, respiratórios e cutâneos.

Muitas pessoas vêm para longos cursos de tratamento, mas o spa Termas de São Jorge é tão confortável para visitas de um dia.

O pacote “Termalbreak” inclui uma massagem de duche ao estilo de Vichy, banho na piscina termal e tempo no ginásio.

“Termalfit & Form” é um programa um pouco mais longo para desintoxicar e ajustar sua nutrição e condicionamento físico.

10. Igreja da Misericórdia

 

Esta igreja também está em um terraço servido por uma linda escadaria antiga de 1700, com lanternas a gás e uma fonte.

Uma vez que você está na entrada, você pode olhar para trás para um panorama satisfatório da cidade, com o castelo no fundo.

Havia uma igreja muito mais antiga em São Nicolau, antes que uma nova igreja fosse construída pelos Irmãos da Misericórdia na virada do século XVIII.

Uma das coisas peculiares do edifício é que, apesar de ter sido a altura do barroco, a fachada tem um estilo maneirista que tinha estado no estilo mais de 100 anos antes.

Arranje tempo para o arco triunfal com pilastras toscanas, o teto de madeira e o altar barroco dourado.

 

11. Mercado Municipal

 

 

 

O mercado de Santa Maria é inscrito como um “monumento de interesse público” e data dos anos 50.

Se você precisar de algumas provisões, há vendedores que vendem flores, peixe, carne, queijo e coisas do gênero, mas as compras vão ocupar um lugar secundário na arquitetura moderna e inovadora.

O mercado foi projetado pelo influente Fernando Távora e especialmente elaborado para aproveitar ao máximo um pequeno lote de terra.

Tem pavilhões para as suas tendas, que são placas de concreto permanentes, e é colocado em dois níveis em torno de um pátio central com uma fonte no meio adornada com azulejos geométricos.

12. Imaginarius

 

Durante três dias no final de maio, a cidade organiza o maior festival anual de teatro de rua em Portugal.

Este é um festival internacional, agora em sua 17ª edição e hospedando cerca de 400 artistas de 13 países.

São três dias intensos, agendando centenas de shows e nove instalações permanentes nas ruas.

Estes tendem a ser muito criativos e confundem as linhas entre teatro de rua e arte conceitual.

Um dos convidados mais eminentes nos últimos anos foi Spencer Tunick, conhecido mundialmente por suas sessões de fotos com grandes multidões de nus.

Mas também há muita diversão e capricho e oportunidades para as crianças se envolverem.

13. Festa das Fogaceiras

 

No dia 20 de janeiro, Santa Maria celebra um festival que tem 700 anos de tradição.

Suas raízes estão na peste negra; os moradores da cidade preparavam bolos especiais, fogaças, como votivas a São Sebastião para afugentar a peste.

A cidade rapidamente se recuperou, apenas para a praga retornar quando eles pararam de assar os bolos.

Então eles estão assando desde então! A parte mais característica do dia é a procissão das meninas da cidade na Rua Direita.

Vestem vestidos brancos com faixas vermelhas ou azuis e carregam as famosas fogaças sobre suas cabeças.

14. dias de folga

 

não precisa dirigir mais do que alguns quilômetros para ver o melhor da área.

A cidade de Ovar fica a apenas dez minutos e é um centro de excelência para a arte portuguesa de azulejaria, com igrejas, casas e até uma praça central revestida de azulejos coloridos.

O tradicional pão-de-ló da cidade, vendido em padarias amarradas em papel de linho, é todo o incentivo que você precisa.

A Ria de Aveiro é uma enorme lagoa pouco profunda, com mais de 75 quilómetros quadrados e um paraíso para a vida selvagem e antigas tradições baseadas na água, como o cultivo de sal e a pesca.

E depois há a costa, a apenas 15 minutos, onde você chegará às areias brancas sem fim e à imensidão das águas do Atlântico na Praia do Furadouro.

15. Comida e bebida locais

 

Como o doce mais típico da cidade, as fogaças são vendidas nas padarias de Santa Maria em qualquer época do ano.

Eles são feitos com gema de ovo, manteiga, açúcar e farinha, aromatizados com casca de canela e limão, e moldados no topo para se assemelharem às ameias do castelo.

Outra confeitaria dos velhos tempos é o caladinho, um biscoito macio e redondo, geralmente tomado como lanche da tarde com uma bebida quente.

O queijo também é um forte local, e a marca de supermercados Lacticínios Maf está sediada na cidade desde os anos 1930; eles são conhecidos por queijos macios e amanteigados, com textura suave e sabor suave.

O último é a bebida local, chamoa, feita com amoras e vem como um licor ou vinho.