Comecemos por discriminar todas as freguesias de Lisboa: Ajuda, Alcântara, Alvalade, Areeiro, Arroios, Avenidas Novas, Beato, Belém, Benfica, Camilde, Campo de Ourique, Campolide, Estrela, Lumiar, Marvila, Misericórdia, Olivais, Parque das Nações, Penha de França, São Domingos de Benfica, São Vicente, Santa Clara, Santa Maria Maior e Santo António.

Parque das Nações é a mais cara, Baixa-Chiado a mais desocupada, Avenidas Novas a área com maiores rendimentos. Conheça o retrato da população da capital portuguesa, traçado pelo estudo da Cushman & Wakefield.

Instituto Nacional de Estatística fez uma análise dos preço de venda de habitação, tendo como suporte dados do 2º trimestre de 2017. 

A segunda área com preços mais elevados engloba os bairros da Lapa, Estrela e Santos. Aqui, o metro quadrado custa 3.562 euros.

A maior concentração de população (27,5%), os maiores agregados e o perfil etário mais jovem registam-se na zona que integra bairros como Benfica, Campolide, Telheiras ou Lumiar.  

Em contraponto, Baixa-Chiado e a zona da Estrela, Lapa e Santos são aquelas com menos população residente, distribuída por agregados familiares mais reduzidos. A população mais envelhecida reside nas zonas de Belém, Alcântara, Avenidas Novas e nos bairros tradicionais como Alfama, Sé, Castelo ou Graça.

Os residentes com rendimentos mais elevados tendem a concentrar-se nas Avenidas Novas (São Sebastião da Pedreira, Campo Grande, Alvalade), Lapa, Estrela e nos bairros de Benfica, Campolide e Telheiras. Já os rendimentos mais baixos registam-se na área suburbana e nos bairros tradicionais.

A Baixa-Chiado é a zona a registar a taxa de desocupação mais elevada, nos 11%. Já a área que compreende bairros como Alto do Pina, Beato, Marvila ou Olivais possui a menor taxa de desocupação, abaixo dos 4%

Os bairros mais caros de Lisboa são, sem margem para dúvida, as freguesias de Santo António (3 294 euros por metro quadrado) e Misericórdia (3 244 euros por metro quadrado). Estas freguesias registaram os preços mais elevados da habitação e as maiores taxas de variação homóloga no 2º trimestre de 2017. É de notar que a freguesia Santo António inclui a Avenida da Liberdade e áreas adjacentes e a freguesia da Misericórdia inclui a área do Bairro Alto e do Cais do Sodré.

O preço das casas aumentou mais de 6% no último ano e o metro quadrado já está nos 896 euros. Mas, entre as várias regiões do país, há grandes diferenças de preços. Do município mais caro (Lisboa) para o mais barato (Figueira de Castelo Rodrigo, na Guarda) do país, vai uma diferença de 2.125 euros por metro quadrado.

para os municípios de Lisboa e do Porto, apresenta os preços para cada freguesia. Na capital, os preços chegam a ultrapassar os 3.000 euros por metro quadrado em algumas freguesias. Já a norte, os preços são significativamente mais baixos, mas a Área Metropolitana do Porto é, ainda assim, a quarta região mais cara do país. No município do Porto, o preço mediano do metro quadrado ultrapassa os 1.100 euros e há uma freguesia onde os preços são superiores a 1.700 euros.

No período em análise, acima do valor médio do metro quadrado (2 231 euros), ficaram as freguesias Estrela, Belém, Alvalade, Campo de Ourique e São Vicente.

Por outro lado, Olivais, Santa Clara, Marvila, Benfica, Campolide, Lumiar e Areeiro registaram, no 2º trimestre de 2017, preços medianos e taxas de variação face ao período homólogo inferiores aos registados para a cidade de Lisboa.

Tendo em conta que os bairros mais caros de Lisboa serão aqueles que se classificaram com preço superiores à média do preço do metro quadrado (2 231 euros), então pode dizer-se que os bairros mais baratos de Lisboa são aqueles cujo preço por metro quadrado está abaixo da média. Sendo eles: Ajuda, Alcântara, Areeiro, Arroios, Beato, Benfica, Campolide, Lumiar, Marvila, Olivais, Penha de França e Santa Clara.

Turismo em Portugal

Explora restaurantes museus hoteis e muito mais em Portugal