A segunda cidade de Portugal é barata, ensolarada e tem um mercado de arrendamento flutuante

 

Fique em frente à imponente catedral do século XII do Porto e terá uma aula de história e uma vista. A vista abrange a parte mais antiga da cidade para o sul, sobre o rio Douro, para a colcha de retalhos de armazéns históricos portuários e instalações de produção na margem oposta. Nomes como os de Taylor e Graham, visíveis à distância, sublinham o comércio centenário de vinho fortificado entre a Inglaterra e Portugal. Tudo começou quando os importadores do século XVII, cansados das cargas de vinho indo mal na viagem para a Inglaterra, adicionaram conhaque para interromper o processo de fermentação. O novo vinho fortificado que tomou o nome da cidade onde os comerciantes tinham sua base logo se tornou um favorito.

Recentemente, a conexão entre os dois países foi fortalecida a partir de um trimestre improvável. Os turistas britânicos representavam apenas 6% do número de visitantes em rápido crescimento da cidade nos seis meses até junho, de acordo com o escritório de turismo de Portugal. Os britânicos estão, no entanto, comprando imóveis no Porto a uma taxa igualada apenas por brasileiros e habitantes locais, de acordo com Gonçalo Abilheira, que trabalha em um dos maiores agentes imobiliários da cidade, a Predibisa.

 

Muitos estão de olho nos fins de semana na cidade, que é ensolarada, facilmente navegável, barata e cheia de edifícios históricos. Enquanto isso, poucos estarão buscando a permanência da cidade para aproveitar o esquema de “residente não habitual” de Portugal, que isenta os estrangeiros que passam mais da metade do ano em Portugal do pagamento de impostos sobre receitas de origem estrangeira (inclusive de pensões, dividendos e emprego). Quase todos são atraídos - pelo menos em parte - pelas oportunidades financeiras do forte mercado de aluguéis do Porto, segundo Abilheira.

Um estudo realizado pela Confidencial Imobiliário, uma empresa de pesquisa imobiliária, mostra que os rendimentos de aluguer no centro do Porto para propriedades com ofertas de curto prazo são de 13,2 por cento, antes de impostos ou custos. Em Lisboa, capital de Portugal, o rendimento equivalente é de 9,9%.

A razão para os rendimentos superiores é que, apesar das tarifas diárias comparáveis, o mercado imobiliário do Porto é consideravelmente mais barato do que o de Lisboa. A Fine & Country, uma agência com escritórios nas duas cidades, estima que as casas no centro do Porto sejam vendidas por cerca de 3.000 euros por metro quadrado; propriedades comparáveis de Lisboa custam cerca de 5 mil euros por metro quadrado.

O bom valor do Porto sofreu um rápido crescimento recente dos preços. O ponto mais popular para os compradores britânicos é o centro da cidade, incluindo o centro histórico da cidade, que, abrangendo a Ponte Dom Luis I e o Mosteiro da Serra do Pilar, é protegido como patrimônio mundial da Unesco. Esta área é muito pequena para dados de preços precisos, mas os agentes estimam que os preços das casas reformadas em ruas populares como a Avenida dos Aliados e a Rua das Flores duplicaram nos últimos dois anos. Em um empreendimento recém-restaurado na Avenida dos Aliados, a Predibisa está vendendo uma gama de apartamentos de um a quatro quartos, a partir de € 215.000.

 

A Foz do Douro, um bairro que começa na foz do rio, e a Boavista, a oeste do centro da cidade, são outros locais populares.

Fortes rendimentos de aluguer são uma função da próspera indústria turística do Porto. No primeiro semestre deste ano, o número de visitantes aumentou 14% em relação ao mesmo período do ano passado, em comparação com um ganho de 10% em todo o país, de acordo com o escritório de turismo do país. Portugal tem beneficiado das preocupações de segurança - e consequente queda no número de visitantes - na Tunísia, Turquia e Egito.

Cada vez mais, os visitantes de fim de semana estão favorecendo o Porto em detrimento de outras cidades europeias pelas mesmas razões, diz Richard Bowden do Yeatman Hotel, um dos melhores da cidade, que está expandindo de 83 para 109 quartos para acomodar a nova demanda.

 

As maiores fortunas de Portugal também indicam boas notícias para os compradores locais. Em fevereiro, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) previu um crescimento do PIB de cerca de 1,3% nos próximos dois anos. Em agosto, os dados do escritório de estatísticas do país mostraram que ele cresceu quase tanto - 1% - só no primeiro trimestre. Nos três meses até junho, enquanto isso, o PIB subiu 2,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

Ainda melhores notícias para aqueles que consideram um investimento de compra-para-deixar no Porto podem estar por vir. No final de novembro, a Comissão Européia escolherá para onde mover a Agência Européia de Medicamentos (EMA), que está baseada em Londres atualmente, a tempo para a saída do Reino Unido da União Européia. O Porto está entre as cinco cidades que estão na lista de finalistas. Rui Moreira, o prefeito do Porto, acredita que sua cidade tem uma boa chance, apontando para o cluster de negócios relacionados à saúde que já abriga. “Estas empresas empregam cerca de 150.000 pessoas no Porto e arredores”, diz ele.

Além dos 890 funcionários da EMA, que estarão à procura de uma casa, outro estímulo para o mercado imobiliário local serão os empregos que acompanharão a realocação da EMA - 4.400 deles, de acordo com estimativas da Deloitte, a firma de contabilidade.

Aqui, como em outros lugares, a perda de Londres parece destinada a se tornar o ganho da Europa continental. Se o Porto for bem-sucedido, pelo menos os compradores de imóveis podem desempenhar um papel no benefício econômico.