A oeste de Braga, Barcelos é uma cidade medieval com uma forte identidade cultural. Isto vem de tradições artesanais como cerâmica, bem como o Galo de Barcelo, o galo ornamental que se tornou um emblema para Portugal. O mercado semanal às quintas-feiras é um dos maiores de Portugal e, juntamente com os produtos frescos habituais, é o sonho de um caçador de recordações, com “figurados” artesanais tradicionais, galos pintados, cestos de junco e muito mais.

Para passear, há uma torre medieval, um conjunto de igrejas que vão do medieval ao barroco e as ruínas solenes de um palácio onde os duques de Bragança viveram.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Barcelos :

1. Torre do Cimo da Vila

 

Nos tempos medievais, por causa do sistema viário e da mentira da terra, qualquer um que viajasse por esta região de norte a sul teria que passar por esse portão.

Barcelos nunca teve o seu próprio castelo, mas em 1400 o conde de Barcelos reforçou as muralhas da cidade com três torres quadradas feitas com poderosas pedras de granito.

Este último ainda está aqui, e depois que a torre sobreviveu ao seu uso como defesa, ele foi usado como uma prisão até a década de 1930, e agora tem um centro de artesanato local.

O acesso é gratuito e há até mesmo um elevador até o topo para ver o centro de Barcelos e as montanhas ao fundo.

2. Museu de Olaria

Barcelos sempre foi conhecida pela sua cerâmica, particularmente o figurado, que são figuras cômicas com características acentuadas, representando agricultores tradicionais, músicos folclóricos e também os personagens de presépios.

Há um tesouro de figurado neste museu, muitas das criações da amada ceramista Rosa Ramalho, que viveu em Barcelos toda a sua vida até 1977. Mas há também uma série de outros estilos de cerâmica para percorrer, não apenas de outras regiões de Portugal, mas também antigas colônias portuguesas como Cabo Verde, Angola e Timor.

Você também pode ver um vídeo de como os ceramistas locais transformam argila em arte.

3. Paço dos Condes de Barcelos

  D. Afonso I, o duque de Bragança, encomendou este palácio fortificado gótico no século XV e foi o edifício mais rico da cidade.

De pé sobre o Cávado, esta era uma residência luxuosa para a linha de Bragança.

Isso foi até o século 18, quando foi danificado pelo terremoto em 1755 e deixou a decadência até a sua torre e telhado desmoronou em 1801. Hoje é uma concha, com algumas paredes, arcos pontiagudos, janelas gradeadas e uma chaminé tubular alta (como aqueles no famoso Palácio de Bragança em Guimarães), mas uma boa diversão para explorar.

O crucifixo do site tem uma história famosa, sobre a qual falaremos mais tarde.

Essas ruínas são um monumento nacional e um vislumbre do poder exercido pelos duques de Bragança.

4. Igreja Matriz de Barcelos

 

A poucos metros das ruínas do palácio encontra-se a principal igreja de Barcelos, iniciada no ano de 1200, na transição do românico para o gótico.

Remontando ao século XIII está o portal, que tem um arco ogival emoldurado por arquivoltas com flores de lis e rosetas.

Acima, há uma rosácea com belos vitrais representando Jesus e os doze apóstolos.

Há inconfundível decoração do século XVIII nas naves, enfeitadas com azulejos azuis e brancos, exibindo cenas históricas e episódios da Bíblia.

5. Mercado Semanal de Barcelos

A cidade de Barcelos pode não ser muito grande, mas o seu mercado semanal ao ar livre certamente é, e é um evento que atrai os consumidores de quilômetros ao redor.

Muitas dezenas de barracas enchem o Campo da República todas as quintas-feiras para um dos maiores e mais típicos mercados de Portugal, com uma história que remonta aos tempos medievais.

Se você está vindo no verão, certifique-se de chegar cedo e vencer as multidões.

Há muitos produtos frescos aqui, mas é melhor pensar no mercado como uma loja de recordações gigante: Todos os tradicionais artesanatos da região do Minho estão aqui, como cerâmica, cestos e sacos tecidos à mão, para não esquecer o Galo de Barcelos, que nós virá a seguir.

 

6. Galo de Barcelos

Esta história do Galo de Barcelos, conhecida em todo o mundo como símbolo de Portugal, vai um pouco mais ou menos assim: trata-se de um galego que é falsamente acusado de roubo e condenado a enforcar.

Ele protesta sua inocência, solicitando uma audiência com o juiz que o encontra enquanto ele está comendo um galo assado.

O galego diz ao juiz que é certo que ele é inocente “como é certo que este galo cantará quando me enforcar”. O galo canta quando é enforcado, e o galego sobrevive e é libertado, retornando muito depois ao Paço dos Condes para esculpir o crucifixo que você ainda pode ver agora.

Então, se alguma vez houve um lugar para comprar este galo como recordação, é Barcelos!

7. Ponte de Barcelos

Na antiga entrada sul de Barcelos, a ponte medieval ronda uma cena pitoresca sob as ruínas do Paço dos Condes e liga-se a Barcelinhos, na margem esquerda.

A ponte foi iniciada na década de 1320 pelo terceiro conde de Barcelos, Pedro Afonso, e tornou-se um marco importante para os peregrinos a caminho de Santiago de Compostela, na Galiza, no Caminho de Santiago.

Quando a torre do palácio desmoronou em 1801, tirou uma seção da ponte com ela, exigindo uma grande reconstrução na margem direita.

8. Igreja de Vilar de Frades

 

Outra linha de monumentos nacionais de Barcelos é esta sublime igreja na freguesia de Areais de Vilar.

Juntou-se a um mosteiro beneditino, fundado no século VI, destruído pelos mouros e reconstruído em estilo românico nos anos 1000.

Ainda existem alguns elementos do século XI, mas é o acabamento gótico e manuelino que faz as manchetes.

Você passará a maior parte de sua visita com a cabeça inclinada para trás, contemplando com admiração a magistral abóbada com nervuras na nave, capela principal e capelas laterais.

E o portal principal precisa de um momento apenas para apreciar os detalhes impossíveis da alvenaria em seus pilares e arquivoltas, esculpidos com motivos vegetais e grotescos por volta da década de 1520.

9. Pelourinho de Barcelos

Também pelo rio e perto das ruínas do palácio é o pelourinho de Barcelo.

Estes monumentos são um dos pilares de todas as cidades históricas portuguesas, como um símbolo vestigial de ordem, e o Barcelos é um dos melhores.

Ele fica em um jardim geométrico à beira do rio e foi feito no final do período gótico em torno do final dos anos 1400.

O pilar é hexagonal e é encimado por uma lanterna muito ornamentada, com fitas na capital abaixo e um pináculo no topo.

10. Monte da Franqueira

Esta colina perto de Barcelos é coroada com uma ermida do século XVI que prepara uma peregrinação em agosto: centenas de moradores da cidade sobem a escadaria e prestam reverencia no santuário de Nossa Senhora da Franqueira.

A localização deve ser vista em qualquer época do ano, principalmente pelas vistas emocionantes da costa de Esponsende à Póvoa de Varzim, as curvas finais do rio Cávado, Barcelos e a leste em direção a Braga e seu icônico santuário Bom Jesus do Monte.

Você pode entrar no eremitério para conferir o santuário e passear pelas encostas repletas de ruínas históricas.

11. Castelo de Faria

Encobertas por densas florestas de pinheiros num promontório do Monte Franqueira estão as assombradas ruínas de um castelo medieval.

O local fica a apenas uma curta caminhada do topo da colina e seu eremitério, e tem laços com o primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques.

O castelo também foi uma importante fortaleza nos muitos conflitos com a Galiza e a Espanha antes de cair em desuso nos anos 1500.

Mas depois de todo esse tempo você ainda pode identificar a torre românica e três linhas de paredes.

Cerca de 300 anos antes dos romanos chegaram a este local como um castro celta, como mostram as reveladoras fundações circulares.

12. Igreja do Bom Jesus da Cruz

Mais recente do que as outras igrejas que vimos até agora, este edifício do século XVIII é um exemplo de destaque da arquitetura barroca.

Um dos principais arquitetos portugueses da época, João Antunes foi contratado para o trabalho e a igreja foi concluída em apenas cinco anos, de 1705 a 1710. Todos os sinais reveladores do barroco português estão aqui, como a mistura de branco e granito na fachada e no campanário acima do portal.

A nave tem os azulejos clássicos azuis e brancos com motivos vegetalistas e cenas de transporte da Paixão.

Há madeiras douradas delicadas ao redor de uma antiga estátua de Cristo em tamanho real, esculpida em Flandres nos anos 1500.

13. Cavalgadas

O Centro Hípico Ir Pedro Coelho foi inaugurado em Vilar de Frades em 2009 e é uma instalação enorme que atende a todas as disciplinas de hipismo.

Todos os meses de maio e setembro, ele organiza um torneio internacional de saltos de show em sua arena, com mais de 150 competidores.

Há também uma competição nacional menor para pegar em abril.

Mas o resto do tempo você pode reservar uma experiência de equitação.

A escola aqui organiza viagens curtas para a idílica zona rural a leste de Barcelos, e isto é algo aberto a quase todas as idades e pode ser feito sem qualquer experiência anterior.

14. dias de folga

O campo em redor de Barcelos tem muito para amar: assim como o Monte da Franqueira existem outros três cumes no concelho com terraços panorâmicos (Monte de Facho, Monte de São Gonçalo e Monte de Airó), todos prontos a serem conquistados a pé. ou de bicicleta.

Passando por estas colinas, o rio Cávado é limpo, amplo e repleto de aves e lontras.

Há praias fluviais em seu curso e em torno de Areias de Vilar você pode alugar um caiaque.

Se você está de pé por um dia na praia, Esposende tem uma lagoa e um litoral selvagem do Atlântico cercado de jantares.

Na direção oposta está Braga, adorada por seus palácios barrocos e santuários nas nuvens.

15. Comida e Bebida

quiser experimentar um pouco de comida tradicional local, ficará satisfeito em saber que é despretensioso e acessível.

Você não está longe do litoral, então peixes e frutos do mar são básicos: há bacalhau frito, sardinha assada, bacalhau assado, arroz de lampreia e polvo assado.

Cozido à portuguesa é um ensopado de cozimento lento com quase todo tipo de vegetais, seja nabo, repolho, feijão, cenoura, além de vários cortes de carne de porco, frango e linguiça defumada, como chouriço e linguiça.

Há também caldo verde, sopa de legumes, cabrito assado, bife de entrecosto assado, coelho assado, frango com arroz, entre muitos outros.

Os frutos do mar e os pratos mais leves combinam perfeitamente com o vinho verde fresco da região do Minho.