Ao norte de Lisboa , Loures está perto o suficiente da capital que você pode visitar na cidade para visitar um museu, ir jantar ou passear nos becos de um antigo bairro encantador.

Mas também é longe o suficiente que há um campo aberto ao redor, com vinhas fazendo vinho Becelas DOC.

E há muito património para manter a atenção no concelho de Loures, seja no complexo barroco de Santo Antão do Tojal, na fábrica de cerâmica convertida em Sacavém ou no convento do século XVI que agora alberga o museu da cidade de Loures.

No limite norte da cidade, você também está perto dos projetos modernos para a Expo 98 de Lisboa, como o Parque das Nações e a Ponte Vasco da Gama, que se tornaram marcos valiosos.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Loures :

1. Quinta do Conventinho




Para quem quer se aprofundar na história local de Loures, o museu municipal está neste antigo convento franciscano que foi fundado na década de 1570.

Foi fechado em 1834, quando as ordens religiosas foram abolidas em Portugal e depois de ter sido nacionalizado e vendido, tinha um número de proprietários ricos antes de cair em desuso até 1998, quando o museu foi inaugurado.

Apresenta as descobertas dos sítios arqueológicos de Loures, bem como as realidades da vida agrícola dos habitantes rurais da área nos séculos XIX e XX.

Há um lindo vestígio do convento também, no claustro com colunas dóricas, e na Capela do Espírito Santo, que tem azulejos azuis e brancos nas paredes.

2. Parque da Cidade

 

está precisando de algum exercício ou de um momento de repouso, o parque da cidade tem gramados exuberantes, incluindo um parque de merendas, bem como uma variedade de instalações esportivas.

Há dois playgrounds para jovens, e um pequeno complexo com uma série de restaurantes e cafés, então em um dia ensolarado você pode gastar mais do que o esperado.

Esta é anexada ao Pavilhão de Macau, abrigando também a galeria municipal, a qual iremos mais tarde.

Outro dos edifícios municipais do parque é o Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, uma propriedade elegante com uma extensão moderna que alberga a assembleia local de Loures.

 

3. Igreja de Santa Maria

 

A “Igreja Matriz” em Loures é de meados do século XV, embora a arqueologia tenha mostrado que substituiu uma capela medieval dos Templários.

A torre do sino data dos últimos anos da dinastia filipina na década de 1630.

A maior parte da arte nas três naves é da segunda metade do século 18, quando a igreja sofreu sérios danos no terremoto de 1755 e foi abandonada por vários anos antes de uma grande restauração.

As coisas para se observar são os requintados afrescos do século XVI no teto das naves, o teto abobadado acima do altar e as pinturas nos painéis dos altares laterais.

4. Museu do Vinho e da Vinha

 

Na aldeia de Bucelas, parte do concelho de Loures, é um museu actualizado para o DOC Bucelas. O Museu do Vinho e da Vinha fez a curadoria da antiga infraestrutura vitivinícola da região e a colocou em exposição para demonstrar a ligação do local ao vinho e técnicas de produção ao longo dos séculos.

Você vai aprender sobre a composição do solo, as várias uvas adequadas para esses solos e ver todos os tipos de ferramentas antigas usadas para cultivar vinhas e prensar o vinho.

Se isso agradou seu paladar, há também uma loja no museu, ou você pode ir para uma das propriedades próximas.

5. Quinta Das Carrafouchas

 

Cerca de cinco minutos no campo de Loures é esta propriedade vinícola comandada por uma mansão venerável.

Este é o vinhedo privado mais próximo do centro de Lisboa.

A propriedade é do século 17 e vale a pena ver, mesmo que o vinho não é o seu forte; tem uma mistura de design maneirista e barroco, e o mais belo é um pátio com calçada portuguesa e painéis de azulejos nas paredes.

Pois muito do vinho do século 20 foi produzido a granel aqui, antes que a atenção se voltasse para a qualidade, e tirar o melhor proveito das uvas tempranillo e touriga nacional para produzir tintos encorpados, e servir para brancos nítidos e crocantes.

 

6. Galeria Municipal Vieira da Silva

 

No Parque da Cidade é o antigo Pavilhão de Macau, um pavilhão construído para a Expo 98 e que se mudou para cá depois do evento.

A fachada é uma réplica das ruínas da Igreja de São Paulo, a igreja emblemática de Macau que foi destruída pelo fogo em 1835. Este espaço moderno e elegante tem duas salas, uma para exposições de arte contemporânea de curto prazo e outra para encontros.

Exposições são realizadas para artistas locais, nacionais e internacionais, para que a galeria valha a pena se você estiver na área.

7. Museu de Cerâmica de Sacavém

 

Até ao final do século XX, a ribeira do Tejo em Sacavém era uma floresta de fornos para a indústria da cerâmica.

A maior fábrica finalmente fechou em 1994, e em seu lugar o município de Loures decidiu estabelecer um museu dedicado ao artesanato de cerâmica.

Este foi inaugurado em 2000, conquistando muitos prêmios em seus primeiros anos.

Uma das coisas legais é a maneira que incorpora um forno original no prédio (você ficará impressionado com a escala deste forno), enquanto as várias louças e telhas fabricadas aqui estão em exposição.

Além disso, como vestígios remanescentes da indústria de Sacavém, o museu abriga os arquivos de todas as fábricas que costumavam ser baseadas nessa cidade.

8. Castelo de Pirescoxe

 

Em 1442, o nobre Nuno Vasques de Castelo Branco construiu esta residência impressionante para a sua família numa colina com vista para o Tejo.

A estrutura é conhecida como castelo, mas é realmente mais um palácio, com alguns elementos defensivos, assim como a moda em Portugal no final do período gótico.

Quando a linha acabou, o castelo foi abandonado e lentamente caiu em ruínas.

Mas em 2001 o município interveio, restaurando as ruínas sem reconstruir o palácio, e acrescentando uma pequena galeria para artistas locais promissores para pendurar seu trabalho em um local muito solene.

 

9. Santo Antão do Tojal

 

A área mais ampla de Loures tem muita história e muitos monumentos menores com interessantes histórias de fundo.

O Palácio da Mitra é uma antiga residência de verão para os arcebispos e patriarcas de Lisboa, construída em 1554. No século XVIII sua monumental fonte barroca estava ligada a um aqueduto, que ainda está praticamente intacto e canalizou a água por dois quilômetros.

O palácio, a fonte, o aqueduto e a igreja barroca da cidade formam um maravilhoso conjunto na Praça Monumental.

O local parece que poderia ser o cenário para um drama de época.

10. Parque Ribeirinho

 

A leste de Loures encontra-se o estuário do Tejo, um paraíso pantanoso para aves aquáticas, com algumas ilhas no rio e vestígios de pesca e antiga indústria ribeirinha.

Na Póvoa de Santa Iria tem um parque maravilhoso que foi inaugurado em 2013. Bem, é mais uma passarela do que um parque; esse calçadão de 5,6 quilômetros foi colocado sobre os pântanos, ajudando pedestres, corredores e ciclistas a chegarem a algumas partes anteriormente inacessíveis da margem do rio.

O projeto também restaurou um antigo cais de pesca e as casas de madeira ligadas a ele, além de recursos e centro de interpretação sobre as zonas úmidas, um playground e um café.

 

11. Mosteiro de São Dinis

 

Dez minutos mais ou menos em direção a Lisboa é este mosteiro real que abriga o túmulo do rei Denis I, que reinou nos séculos XIII e XIV.

A história conta que ele estava caçando em Beja quando foi desabotoado por um urso.

Durante a luta que se seguiu, ele jurou construir um mosteiro, se sobrevivesse.

Quando foi fundado, este mosteiro cisterciense estava longe de ser frequentado pela realeza, incluindo o rei João V, do século XVIII, que teve um caso com a abadessa.

Uma mistura de atualizações do século XVI e o terremoto de 1755 significam que apenas a abside e as três capelas ainda são góticas.

Mas o claustro é lindo, com abóbadas de nervuras e arcos mauelinos, e você pode ver a maravilhosa tumba de Denis I, assim como a de sua filha Maria Afonso.

12. Parque das Nações

 

O site da Expo 98 transformou um bairro à beira do rio em um ambiente urbano dinâmico.

Da melhor maneira, você se sentirá em Hong Kong ou Cingapura por um momento.

Há muito para mantê-lo aqui por mais de um dia também, com o Oceanário de Lisboa, o segundo maior aquário da Europa, bem como um amplo centro comercial, torre de observação, museu de ciência, teleférico e profusão de bares e restaurantes.

Venha depois de escurecer quando as torres do bairro e as salas de exposição estiverem iluminadas.

13. Ponte Vasco da Gama

 

Será impossível ignorar a imensa ponte que sai da margem direita do rio, perto de Sacavém.

A Ponte Vasco da Gama é a definição de uma megasseestrutura; é a maior ponte da Europa se você levar seus viadutos a uma conta, curvando-se sobre o Estuário do Tejo por 12,3 quilômetros e ligando a parte leste de Lisboa com o distrito de Setúbal.

Este gigante também foi concluído a tempo da Expo 98, custando pouco mais de um bilhão de dólares.

Uma das muitas conseqüências úteis da ponte é que ela facilitou o tráfego na capital congestionada, afunilando o tráfego através do país para longe do centro.

Se não se importa em pagar a portagem, a visão da capital no caminho de regresso a Lisboa é uma que não vai esquecer.

14. Lisboa

 

Por todas as coisas que você pode fazer em Loures e no seu interior, a capital de Portugal permanece tentadoramente próxima.

A linha amarela do Metro acabará por servir o centro de Loures, mas por agora pode ir a Odivela a alguns minutos a sul e subir a bordo.

Depois disso, você é livre para ir buscar a partir de qualquer número de pontos turísticos famosos, bairros da atmosfera e rebitagem museus.

Numa questão de momentos, pode estar nas atracções da periferia norte, como o Zoo, o Museu de Arte Calouste Gulbenkian de classe mundial e os terrenos do SL Benfica e do Sporting.

E não há como visitar Lisboa sem explorar os bairros de Alfama ou Bairro Alto, ou a estupenda paisagem barroca ao redor da Praça do Comércio.

15. Monteiro-Mor

 

Os subúrbios a norte e a oeste de Lisboa estão repletos de propriedades que costumavam pertencer à realeza ou nobreza.

Monteiro-Mor em Lumiar é uma delas, encomendada em 1700 pelo Royal High Huntsman e um Monumento Nacional Português.

Este local tem muita coisa acontecendo, com dois museus na propriedade, além de um jardim botânico em seus terrenos de 11 hectares.

O National Costume Museum e o National Theatre Museum merecem uma espiada, ainda mais se você tiver interesse especial na moda feminina do século XVIII ou cenografia.

E o jardim é mágico, remontando a 1793 e misturando bosques repletos de espécies exóticas com terraços mais formais, sebes, jardins de esculturas e canteiros de flores.