12 Melhores Coisas para Fazer em Évora


Uma cidade intemporal no Alentejo, Évora é um Patrimônio da Humanidade da UNESCO imerso na herança romana e medieval.

A idade de ouro da cidade surgiu em 1400, quando os reis de Portugal a escolheram para sua casa, e as ruas de Évora ainda lembram esse influxo de nobreza há 500 anos.

Os romanos foram os primeiros a povoar a cidade, construindo seu recinto defensivo e deixando para trás as ruínas de um templo.

Évora também tem a segunda universidade mais antiga do país, uma catedral venerável, uma lista de igrejas e uma capela embelezada inteiramente com ossos humanos.

Finalmente, os monumentos neolíticos dos Almendres e do Zambujeiro mostram que houve alguma forma de civilização nestas paragens desde muito antes dos romanos.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Évora :

1. Évora Roman Temple

 

No ponto mais alto da cidade onde antigamente se situava o antigo fórum de Évora, poderia estar o maior monumento romano de Portugal.

Este templo coríntia foi construído no século 1 e provavelmente teria sido dedicado a Diana.

De perto você notará a diferença de materiais; as colunas caneladas são feitas de granito, enquanto as bases e capitais são de mármore que foram trazidas de Estremoz, cerca de 40 quilómetros a nordeste.

Este monumento sobreviveu tão bem porque suas paredes foram preenchidas durante os tempos medievais, quando foi transformado em uma pequena fortaleza, antes de ser restaurado na década de 1870.

2. Catedral de Évora

 

ambém no topo da cidade está a imponente catedral de granito cor-de-rosa de Évora, inconfundível pelas suas robustas torres com pináculos cónicos.

Este edifício foi concluído em fases a partir do início do século XIII, por isso tem uma confusão de arquitetura, com uma nave gótica cavernosa, coro manuelino com abóbadas delicadas e capelas barrocas.

O monumento foi completamente aberto aos visitantes, pelo que pode sair ao terraço do último piso para olhar para baixo em Évora ou entrar nos claustros góticos, que têm laranjeiras no seu jardim.

Há também um pequeno museu para o tesouro com um conjunto brilhante de ouro e prata litúrgica.

 

3. Museu de Évora

 

O museu da cidade está instalado no antigo palácio episcopal, que data de 1500 e reuniu cerca de 20.000 itens relacionados com a história de Évora.

Na mostra há pintura, escultura, jóias, móveis, têxteis, ourivesaria e cerâmica.

Se houver uma exposição obrigatória, ela deve ser o políptico de 19 painéis que costumavam estar no altar da catedral.

Este foi pintado em Bruges na virada do século 16 e retrata cenas da vida de Maria e da Paixão.

Há muito mais pintura para saborear, particularmente as obras renascentistas de Francisco Henriques, um artista flamengo que fez seu nome em Portugal, e Gregório Lopes que foi o pintor da corte do rei Manuel I.

4. Universidade de Évora

 

A segunda universidade mais antiga de Portugal é em Évora e foi fundada em 1500 pelo papa Paulo IV e pelo futuro rei Henrique I, que era cardeal na época.

Nos seus primeiros 200 anos, foi um colégio jesuíta, antes de esta ordem ser expulsa de Portugal na década de 1750.

Há muito o que passar por aqui, mas você tem que examinar as elegantes galerias e galerias no pátio principal.

E não perca a oportunidade de ver algumas das salas de aula, pois estas estão decoradas com azulejos que variam de acordo com os campos ensinados.

Você pode notar Aristóteles ensinando Alexandre, o Grande, ou Platão, instruindo seus seguidores.

5. Centro Histórico

 

Évora Património da Humanidade contém toda a cidade velha dentro das muralhas da cidade, inclinando-se até a Catedral e o Templo Romano.

Se a sua ideia da tarde perfeita é uma exploração sem objectivos e encontrar oportunidades de fotografia perfeitas ao acaso, a Évora antiga vai subir a sua rua.

As casas em ruas labirínticas e praças alongadas são caiadas de branco, com varandas de ferro forjado e belos azulejos.

A maior parte é de 1400-1700 e leva-o de volta a quando Évora foi favorecida pela realeza.

Por volta dessa época, Portugal estava estendendo sua influência para o Novo Mundo, e essa cidade teve uma forte influência na arquitetura brasileira.

 

6. Casas Nobres

 

Junto com os reis portugueses, a corte mudou-se para Évora nos anos 1400 e 1500, dando à cidade muitas casas distintas para ver como você trabalhava ao redor.

Veja o Paço dos Duques de Cadaval, que possui torres que fazem parte das muralhas e interiores da cidade que você pode entrar, decorados com móveis de época e pinturas.

O Paço dos Condes de Basto está ligado às muralhas romanas e destaca-se pela sua loggia e arcos de janela em forma de ferradura de estilo mourisco.

A Casa Garcia de Resende é identificada pela sua alvenaria manuelina (início do século XVI) acima da sua janela principal, enquanto a Casa Soure tem uma galeria de arcadas com o topo de uma torre cónica branca.

7. Praça do Giraldo

 

A praça principal de Évora foi construída no século XVI e, nessa altura, foi palco do tribunal da Inquisição espanhola, que distribuiu aqui milhares de sentenças brutais.

Em uma nota mais leve, também ostenta o mármore Fonte Henrique, no mesmo local de uma fonte do século XVI construída para comemorar o aqueduto Agua Prata.

Há oito bicas na fonte, cada uma para uma das ruas que se ramificam da praça.

O lado norte é ocupado pela impressionante fachada da Igreja de Santo Antão, enquanto no lado leste há uma arcada contínua, escondendo cafés e lojas especializadas.

 

8. Igreja de São Francisco

 

A igreja que hospeda a Capela dos Ossos também precisa ser vista, não menos importante, pois era um local de culto para a realeza.

Isto fica claro no portal, que foi esculpido no estilo manuelino nas primeiras décadas do século XVI.

Entre a decoração está uma esfera armilar, que era o emblema do rei Manuel I, e um pelicano, significando o rei João II. A nave tem dimensões monumentais (é a maior igreja deste tipo em Portugal), e você deve levantar os olhos para as abóbadas no teto.

Uma coisa peculiar sobre o coro é que as bancas opostas foram feitas em tempos diferentes; os da direita são da Renascença do século XVI, enquanto os da esquerda são do barroco do século XVII.

9. Aqueduto Agua de Prata




Uma das vistas mais marcantes em torno de Évora é este aqueduto do século XVI, canalizando a água para a cidade por quase 20 quilômetros.

A teoria diz que essa estrutura renascentista segue o mesmo curso do aqueduto romano original e incorpora algumas de suas pedras.

Nas áreas residenciais de Évora, as casas foram construídas nos arcos.

Quando terminou, em 1537, houve uma grande cerimônia realizada na Praça do Giraldo, na qual participaram o rei D. João III e sua corte.

Para um dia você não vai esquecer tão cedo que você pode pegar um táxi até a fonte e caminhar de volta ao longo do caminho, através de sobreiros com vistas sensacionais da cidade.

 

10. Muralhas de Évora

 

Assim que chegar a Évora, faça uma visita ao posto de turismo, que lhe dará um prático mapa dos melhores pontos a ter nas fortificações da cidade.

Como aparecem agora, estas muralhas, torres e portões são do reinado de D. Afonso IV em 1300, mas as suas origens e trajetórias remontam ao século III, e também é possível identificar vestígios mouriscos desde a idade média.

A área contida é de mais de 10 hectares e as paredes têm cerca de dois quilômetros de comprimento, então há muito para ver.

Um bom ponto de partida é o Jardim Público, a poucos metros da Capela dos Ossos, onde uma extensão das muralhas cria uma barreira pitoresca no parque.

11. Convento dos Lóios

 

Este convento é de 1400 e foi construído sobre as ruínas de um castelo medieval.

Alguns dos edifícios monásticos, incluindo o refeitório e as celas dos monges, foram transformados em pousada. Você pode entrar para explorar a igreja, que é muito mais rica do que parece fazer sua fachada.

Isso porque o exterior teve que ser remodelado após o devastador terremoto de 1755.

O teto da nave tem magistrais abóbadas góticas e paredes decoradas com azulejos azuis e brancos.

A igreja também tem os túmulos dos Condes de Olivença, mais notavelmente Rodrigo Afonso de Melo, que foi chefe de guarda do rei Afonso V.

12. Almendres Cromlech

 

Um curto caminho a oeste de Évora é este local neolítico de cair o queixo, que remonta a 8.000 anos e está em uso há três milénios.

É o maior arranjo de menires da Península Ibérica e um dos maiores do continente.

Existem 95 pedras em pé ao todo, formando dois enormes círculos, e é inacreditável pensar que esse local ficou escondido por milhares de anos até ser escavado na década de 1960.

Parte da mística deste monumento surpreendente vem das esculturas em muitas das pedras, com círculos, espirais, crescentes, covinhas e vira-latas de pastor invertido.

  • 12 Melhores Coisas para Fazer em Évora


Outros Artigos Populares no Blogue