No centro de Portugal, Viseu é uma antiga cidade de monumentos de granito em ruas que se estendem até a magnífica praça da catedral.

Conhecido como o Adro da Sé, esta praça tem um grupo de monumentos do período gótico ao período rococó, e cada um deles merece uma visita por uma ou duas horas.

Descendo o morro, há todos os tipos de coisas para capturar sua imaginação, como casas históricas cheias de móveis elegantes, museus de arqueologia, um painel de azulejos projetado por um famoso pintor e vestígios das antigas fortificações de Viseu.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Viseu :

1. Catedral de Viseu

 

Este maravilhoso edifício foi iniciado no século XII, durante o reinado do primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques.

Visto da praça em frente, há uma fachada barroca do século XVII ladeada por duas torres; o sul é medieval, enquanto o norte, como a fachada, precisou ser reconstruído em 1600 depois de uma tempestade.

Essa fusão de estilos e períodos é clara no interior, onde há uma estátua do século 14 de Maria em um retábulo barroco de madeira dourada datado do século XVIII.

Acima dela, a abóbada de berço do coro é forrada com lindos azulejos pintados em filigrana.

2. Centro Histórico

 

Dentro do círculo de muralhas do século XV, encontra-se o bairro histórico de Viseu, emoldurado na praça da catedral.

Estas vielas sinuosas são colocadas com lajes de granito arredondadas e têm casas brancas, algumas em melhores condições do que outras. Algumas ruas para incluir em um passeio desconcertante por este labirinto são Rua Escura, Rua Direita e Rua Augusto Hilário.

Este último, apesar de ter apenas alguns metros de largura, tem algumas casas impressionantes em vários estados de reparação e com varandas de ferro salientes.

Isto levará à Praça Dom Duarte, com uma estátua do rei Eduardo, que nasceu em Viseu em 1391.

 

3. Adro da Sé

 

Uma praça monumental na parte mais alta da cidade (construída literalmente sobre pedras de granito), o Adro da Sé está lá em cima com os conjuntos mais impressionantes do país.

Onde quer que você esteja, há uma vista digna de uma foto, seja a catedral, o seminário (contendo o Museu Grão Vasco) ou a Igreja da Misericórdia.

Uma das estruturas que você vai querer ver mais é o Passeio dos Cónegos, que é um maravilhoso claustro elevado com uma colunata que liga a catedral.

Este foi projetado pelo arquiteto do século XVI Francesco de Cremona.

4. Museu Nacional Grão Vasco

 

Nomeado por um dos pintores mais importantes do Renascimento Português (Grão Vasco), este museu absorvente tem pintura, escultura e artes aplicadas dos anos 1200 a 1900.

O local também é emocionante, naquele seminário da catedral.

As obras obrigatórias são a pintura do século XVI, composta no século XVI pelo Viseu Grão Vasco e pelo seu grande rival Gaspar Vaz.

Ambos foram influenciados por artistas flamengos como Francisco Henriques, que viajou a Portugal para estabelecer oficinas.

Há muito mais a descobrir, incluindo pintura portuguesa dos séculos XIX e XX, escultura dos anos 1200 ao século XVI e tapeçarias e pinturas que uma vez decoraram a catedral.

5. Praça da República

 

Na área do Rossio, a bonita praça central vale a pena para o painel de azulejos no sopé da encosta no extremo norte.

Você precisará atravessar a estrada para ver melhor os detalhes.

Estes azulejos foram pintados pelo célebre artista português Joaquim Lopes no início da década de 1930.

Num painel com balaustrada e postes de ferro, há imagens de cenas pastorais em Viseu e nas Beiras, como a antiga feira de gado.

 

6. Igreja da Misericórdia

 

O outro marco impressionante no Adro da Sé é esta igreja em frente à catedral e construída no século XVIII.

Ele combina design barroco, rococó e neoclássico, e se não fosse pela cruz, você poderia quase confundir este edifício com um palácio; a fachada agarra-o com as suas pilastras, frontões, motivos de conchas e balaustradas ostentosas.

No interior, você não poderá ignorar os três retábulos neoclássicos pintados de branco e dourado e centralizados em uma estátua de Nossa Senhora da Misericórdia.

7. Porta do Soar

 

Um dos vestígios remanescentes das muralhas defensivas de Viseu é este portão a oeste da catedral.

Ele o guia até a cidade velha e foi construído em 1472, quando o Rei Afonso V renovou as fortificações, como a inscrição no portão lhe dirá.

Algo que este fragmento de parede partilha com todas as defesas medievais tardias em Portugal é o nicho com uma imagem de São Francisco.

A casa ao lado do portão, a Casa do Soar, é de 1600 e tem uma inscrição curiosa em uma janela de canto.

Isso mostra o homem como uma bolha de sabão (Homo Bulla) para enfatizar a fragilidade da vida.

8. Parque do Fontelo

 

O maior espaço verde da cidade é uma floresta de carvalhos e castanheiras, onde as pessoas de Viseu vão recarregar as baterias e se tornarem ativas.

O parque tem uma história interessante, pois fazia parte de uma enorme propriedade pertencente aos bispos da cidade.

Eles construíram um palácio aqui no século 14, que é usado pela comissão regional de vinhos.

Veja também o Portal do Fontelo, um arco de pedra construído por um dos bispos em 1565 e as ruínas da capela de São Jerónimo.

Além de trilhas para jogging na mata, o parque também contém o estádio municipal, piscina, quadras de tênis e pista de skate.

9. Museu Almeida Moreira

 

Pode entrar neste museu para conhecer um dos personagens mais intrigantes de Viseu do século XX.

Almeida Moreira foi o fundador e primeiro diretor do Museu Grão Vasco, e começou a colecionar arte e artefatos na adolescência.

Não é de surpreender que a sua casa esteja abarrotada de faiança, porcelana, esculturas, mobiliário e pintura portuguesa dos séculos XIX e XX.

Se estiver interessado na cultura portuguesa, também pode ser inspirado em saber que Almeida Moreira recebeu luzes como Raul Lino, Luciano Freire e Columbano Bordalo Pinheiro nestas salas.

10. Palácio do Gelo

 

Se você está preso em algum lugar para ir em um dia chuvoso, este centro comercial e de lazer fica ao sul do centro da cidade.

Ela remonta a 1996, mas teve uma revisão cara dez anos atrás.

Existem mais de 160 lojas em um prédio limpo e arejado.

Mas se você está aqui com a família, o apelo principal será as instalações de lazer; há uma pista de boliche e uma galeria de diversões, mas as atrações mais famosas são a pista de patinação de 600 metros quadrados (afinal, o centro é chamado Palácio do Gelo!). Os pais podem desfrutar de uma viagem de spa, desabafar nos banhos turcos, na suite com jacuzzi ou escolher a partir de um menu de tratamentos.

 

11. Casa do Miradouro




Este palácio no Largo António José Pereira é a única peça da arquitectura civil da Renascença que sobrevive em Viseu.

E foi construído pelo Francesco de Cremona, o mesmo homem responsável pela impressionante colunata do Passeio dos Cónegos, ao lado da catedral.

Atravesse o grande portal decorado com um brasão de armas e pilastras e você será recompensado com uma das coleções arqueológicas mais interessantes da cidade.

Esta foi curada pelo historiador do século XX, Dr. José Coelho, que montou pedras votivas da Idade do Ferro e monumentos funerários romanos dos antigos assentamentos "Castro" da região.

12. Museu do Quartzo

 

Norte da cidade, perto de uma pedreira de quartzo no Monte Santa Luzia, é o único museu de quartzo do mundo.

Foi concebido pelo proeminente geólogo português Galopim de Carvalho e inaugurado em 2012, no local de uma antiga fábrica de elétricos.

A beleza da localização precisa ser mencionada, e há uma vista abrangente de Viseu à sua frente.

E os caçadores de minerais ou qualquer um com um interesse passageiro em ciência natural podem se maravilhar com os geodes e formações de cristais peculiares, enquanto descobrem as muitas aplicações comerciais para o quartzo.

13. Cava de Viriato

 

A poderosa terraplanagem ao norte da cidade tem intrigado historiadores há séculos.

Esta massa octogonal, com 38 hectares de tamanho, destinava-se a uma fortaleza colossal, mas há muita discordância sobre quem a construiu.

Alguns afirmam que foram os romanos e outros dizem que foram os mouros ou os cristãos durante a Reconquista no século XII.

O local é um monumento nacional português desde 1910 e em 2001 as encostas foram reforçadas com paredes para evitar a erosão.

No lado sul há uma passagem para ajudá-lo a imaginar a ambição deste projeto antigo.

14. Casa da Ribeira

 

Há uma sugestão de como era a vida em Viseu, a ser encontrada nos subúrbios do norte.

A Casa da Ribeira é um grande complexo no rio Pavia, que forneceu espaço para uma forja de ferro, armazéns, uma taverna e até mesmo alojamento estudantil.

A casa foi mantida como um museu etnológico e uma lembrança de artesanato antigo, como tecelagem, rendas, cestaria e cerâmica.

Os vários instrumentos para cada comércio são apresentados e, em dias especiais, as demonstrações são dadas pelas poucas pessoas que mantêm essas habilidades tradicionais.

15. Comida e Bebida

 

O antigo palácio ao lado do Parque do Fontelo pode ser o seu trampolim para viagens à região do vinho do Dão DOC, uma das mais antigas de Portugal.

Você pode chegar a este belo edifício antigo para provar os vinhos da região e ver quais são as suas atrações.

Os vermelhos destas partes são normalmente muito robustos e são tradicionalmente ricos em taninos, por isso combinam bem com a cozinha rica e satisfatória nesta área montanhosa.

Vitela assada com arroz, cordeiro assado e uma espécie de ensopado com preparação de carne de porco (Rojões) e pudim de sangue são todos clássicos da velha escola aqui.

Doces típicos são castanhas de ovos, feitas com açúcar, gema de ovo e farinha, e feitas pela primeira vez nos conventos da cidade.