Praa do Comrcio - Suba o Arco do Sculo XVIII





Um dos locais emblemáticos de Lisboa - a Praça do Comércio - é uma bela praça que une as vistas panorâmicas da beira-mar e do grandioso Arco da Rua Augusta. Uma caminhada da praça até a orla marítima ofereceria uma com muitas atrações interessantes.



AS RUAS DE ALFAMA





Eu tenho que dizer que Alfama é o bairro mais bonito e charmoso de Lisboa. poderia facilmente passar o dia inteiro andando pelas pequenas ruas de paralelepípedos e tomando um drinque ou algo para comer nos cafés locais. É também onde vai encontrar o Panteão Nacional e o Castelo de São Jorge e muitos miradouros



Assista ao pr do sol no Cais das Colunas





Lisboa não tem escassez de pontos turísticos para assistir ao pôr do sol. Um dos melhores lugares, no entanto, é a partir dos degraus ribeirinhos do Cais das Colunas. O porto de entrada, que leva à Praça do Comércio, foi construído em 1700 e está marcado com duas colunas. O cais, que acolheu os famosos visitantes de Lisboa, como a rainha Elizabeth II, é um local popular para se sentar, relaxar e observar as vistas espectaculares do pôr-do-sol sobre o rio Tejo.



Museu do Banco de Portugal





A museografia, da autoria do ateliê Providência Design, desenvolvida com a equipa do Banco de Portugal, assenta em núcleos temáticos que focam os artigos-padrão, o dinheiro no mundo e a sua história ao longo dos séculos, o fabrico da nota e da moeda, e ainda testemunhos pessoais sobre o papel do dinheiro na vida do cidadão.O Museu do Dinheiro oferece uma experiência marcadamente interativa que recorre à tecnologia multimédia para mostrar o seu acervo. A museografia não convencional aposta na criação de ambientes surpreendentes, capazes de convocar a participação do visitante e de promover a construção de conhecimento.Este é um museu consciente da sua função social e da presença simbólica que tem na cidade e no país; um museu que assume como prioridade o contacto com vários públicos, que investe na programação educativa e cultural, mantendo uma forte ligação à comunidade e à cidade.O Museu do Dinheiro assegura a acessibilidade e a satisfação de quem o visita a vários níveis: social, físico, cognitivo. Identifica-se como um lugar de sociabilização que disponibilizará serviços e interfaces de comunicação com o público de formato variado — cafetaria, loja, auditório, biblioteca, áreas de acolhimento, salas de experimentação.



Suba ao Cristo Rei em Almada na margem sul de Lisboa





Para um grande, mas fora do caminho turístico, ponto de vista sobre Lisboa, do Cais de Sodré apanhar o ferry para Cacilhas , na outra margem do rio Tejo: o Transtejo Cacilheiros leva apenas dez minutos (partindo a cada poucos minutos durante a semana e cada 30 minutos no fim de semana, bilhete de ida € 1.25).

Cacilhas é um bairro pitoresco onde respira uma autêntica sensação de Lisboa.

Prove um dos muitos bons restaurantes de frutos do mar ou suba ao Cristo Rei , a estátua do Rio do Pragal, a avenida Cristo Rei, para ter uma excelente vista da ponte sósia do Golden Gate de São Francisco (uma Lisboa deve fazer) … Alguém disse que é um mundo pequeno? 

Horário de funcionamento do Cristo Rei : aberto diariamente das 9h30 às 18h30. Entrada do Cristo Rei : 6 euros



Museu militar de Lisboa





O Museu Militar de Lisboa é possuidor de um vasto e valioso património museológico.

Começou a ser organizado em 1842, no   “Arsenal Real do Exército” pelo Barão de Monte Pedral, com a finalidade de guardar e conservar material bélico.

No Reinado de D. Maria II, por Decreto Real de 10 de Dezembro de 1851, o edifício passou a denominar-se por Museu de Artilharia, nome que conservaria até 1926, data em que passou a ter a atual designação.

Nos finais do Séc. XIX e inicio do Séc. XX, o seu primeiro Diretor, General José Eduardo Castelbranco, para apoiar a exposição das peças, fez decorar novas salas com trabalhos dos nossos melhores artistas da época de pintura, escultura e azulejaria.



S de Lisboa A Imperdvel Mais Antiga Catedral da Cidade





A Sé de Lisboa , a catedral com um exterior imponente, é a mais antiga e importante catedral da cidade, construída em 1150, logo após os cristãos terem recuperado a cidade dos mouros. Tendo sobrevivido a vários terramotos e sido reconstruída várias vezes, a catedral é hoje uma mistura de diferentes estilos arquitectónicos e inclui um impressionante claustro gótico. É um complexo antigo icônico que todo visitante não deve perder.



Miradouro de So Pedro de Alcntara Melhor ponto de vista no Bairro Alto, Chiado e Cais do Sodr





Apanha o Ascensor da Glória da Praça dos Restauradores, ou vá subindo a Calçada da Glória até este mirante maravilhoso. Fontes e bustos gregos adicionam um ar majestoso aos arredores, e o quiosque ao ar livre distribui vinho, cerveja e lanches, que você pode apreciar enquanto admira a vista do castelo e a música ao vivo.

 

Vai at baixa beber um copo de Ginjinha





A ginjinha é um licor tipicamente português feito de uma fruta parecida com uma cereja. Um tiro geralmente custa 1 euro e também pode usá-lo com uma bolacha de cereja ou chocolate, o que torna a experiência ainda mais doce.

O bar mais popular para experimentá-lo é o A Ginjinha  [no Rossio, Largo de São Domingos 8] , mas também é muito popular nos muitos cafés da Praça da Figueira.



Castelo de So Jorge - o castelo antigo dentro da Cidade de Lisboa





O Castelo de São Jorge fica no topo da colina mais alta do bairro de Alfama e dificilmente pode ser esquecido quando você passeia pela cidade. Este antigo castelo mouro do século XI não só proporciona uma história e histórias abundantes, mas também oferece vistas deslumbrantes sobre o centro histórico de Lisboa e o Rio Tejo, tornando-o imperdível para todos os visitantes que visitam pela primeira vez.



Museu Nacional de Arte Antiga Museu de primeira escolha em Lapa e Alcntara





Situado em um palácio do século XVII com fachada de limão, o Museu Nacional de Arte Antiga é a maior atração da Lapa. Ele apresenta uma coleção repleta de estrelas de pinturas européias e asiáticas e artes decorativas.

Fique de olho nos destaques de painéis naturais de São Vicente de Nuno Gonçalves , São Jerônimo de Dürer e Salomé assombra de Lucas Cranach , além de móveis de época como a poltrona cerimonial 1470 de King Afonso V e uma elaborada madeira laqueada, prata-dourada e bronze caixão do final do século XVI.

Outras preciosidades incluem a maravilha dourada da ostentação de Belém , uma lembrança da segunda viagem de Vasco da Gama, e telas japonesas do século XVI retratando a chegada dos namban (bárbaros do sul) - ou seja, grandes exploradores portugueses.



Jardim da Fundao Calouste Gulbenkian Lisboa Praa Espanha





O Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian é um jardim português situado em Lisboa.

Possui uma área de 9 ha. Situa-se na Avenida de Berna, perto da Praça Espanha, nas imediações da Fundação Calouste Gulbenkian.

O jardim foi desenhado por António Viana Barreto em 1957, tendo tido a colaboração de Gonçalo Ribeiro Teles nos anos sessenta. É um espaço verde com diversos tipos de animais e com uma flora diversificada, tendo um lago, riachos, terraços ajardinados, trilhos por entre arvoredos e até um anfiteatro ao ar livre onde nas noites mais quentes se podem ver concertos e espectáculos.

Em 2010 o edifí­cio-sede e o parque da Fundação Calouste Gulbenkian foram classificados como Monumento Nacional.



Faa um passeio cultural no elctrico 28 pelos bairros histricos de Lisboa





Se está em busca das aventuras culturais e culinárias de Belém, pode simplesmente pegar o elegante bonde nº 15 do centro da cidade para se locomover. Mas é o número 28 que todo visitante deve entrar em seu itinerário. Esses antigos bondes Remodelado, de madeira e pintados de amarelo, são um retrocesso para outra época. Na alta temporada,  pode estar esperando por uma hora para embarcar em uma dessas belezas. Mas aquele ar retrô, empoleirado em um banco enquanto o bonde atravessa as ruas estreitas da cidade e toca a buzina, não tem preço.



Museu da gua em Lisboa





O Museu da água localiza-se na freguesia de São Vicente, na cidade, concelho e distrito de Lisboa, em Portugal.

É um museu histórico-cultural mantido pela empresa EPAL, cujo acervo versa sobre a história do abastecimento de água a Lisboa, e está instalado nas dependências da Estação Elevatória a Vapor dos Barbadinhos, primeira estação de bombagem a vapor da cidade.

A instituição homenageia Manuel da Maia, engenheiro do século XVIII que projetou o Aqueduto das águas Livres. A excelente disposição do museu fê-lo ganhar o prémio do Conselho da Europa em 1990.

O lugar de honra vai para os bem preservados motores a vapor, um dos quais funciona a electricidade e pode ser ligado para os visitantes. O desenvolvimento da tecnologia é documentado por fotografias.

São particularmente interessantes aquelas dedicadas ao Aqueduto das águas Livres e ao Chafariz de El-Rei do século XVII, em Alfama, onde a população fazia fila em frente de uma de seis bicas, conforme o estatuto social.

A primeira tentativa de musealização do espólio da Companhia das Águas de Lisboa deu-se em 1919, através de uma deliberação da Assembleia-Geral. Foi então criada uma divisão responsável pelos trabalhos de desenho, arquivo, biblioteca e museu, onde esteve implícita a obrigação de organizar e conservar uma variedade de peças com características próprias capazes de construir um espaço expositivo.No final dos anos 30, do século XX, iniciou-se o primeiro processo de inventário com o objectivo de organizar todo um espólio recolhido ao longo de duas décadas.Mais tarde, em 1950, na sequência da demolição das caldeiras da antiga Estação Elevatória a Vapor dos Barbadinhos, deu-se um processo de remodelação do edifício onde foi construído um primeiro andar nos corpos sul e central, projectado para acolher o arquivo corrente da empresa e instalações do laboratório da empresa. Em simultâneo, foram dados os primeiros passos para a elaboração de um espaço museológico.



Museu do Palcio Nacional da Ajuda local de visita obrigatria em Lisboa





O Museu do Palácio Nacional da Ajuda ocupa as Alas Nascente e Sul do Palácio Nacional da Ajuda.

A construção do presente edifí­cio do Palácio da Ajuda, iniciou-se em 1802 com a introdução da estética neo-clássica, e as novas concepções dos arquitectos, Francisco Xavier Fabri e José da Costa e Silva. O Palácio Nacional da Ajuda foi habitado de forma descontinuada, até que D. Luí­s I lá se instalou definitivamente. Deve-se à sua mulher, D. Maria Pia de Saboia, a requalificação estética de todo o Paço. Foi contratado Joaquim Possidónio Narciso da Silva, que projectou novos espaços exóticos e outros mais funcionais. Após a implantação da República, o Palácio foi encerrado. E parcialmente transformado em Museu em 1968.

As colecções de artes decorativas, datadas do Século XV ao Século XX, provêm do antigo acervo dos Paços Reais da Ajuda. Os objectos decorativos e utilitários existentes, recriam ambientes oitocentistas, pelas cerca de 32 salas do Museu.

Enquanto que podemos contemplar no andar térreo os espaços onde se desenrolava o quotidiano da famí­lia real através de uma visita í s diversas salas como a da musica, a sala Azul, o jardim de inverno, o quarto do rei D. Luis, a sala Rosa, bem como o quarto de cama da Rainha, o toilette, a Sala de jantar da Rainha e a capela privada da rainha D. Maria Pia, aberta ao público em Abril de 2014 após grande campanha de restauro.

Por outro lado, no Andar Nobre, é possí­vel contemplar os espaços que eram utilizados para as cerimonias oficiais nos últimos tempos da Casa de Bragança e, entrando pela salinha chinesa, é possí­vel percorrer os espaços que a nobreza do séc XIX fazia para chegar junto dos Reis na sala do Trono. Passa-se assim pela Antiga Sala de Bilhar, desta para a sala do retrato de rainha, onde figura a Rainha D. Maria Pia com 33 anos e pintada por Carolus Duran. De seguida temos uma salinha verde, a sala das senhoras do corpo diplomático e a sala do corpo diplomático. Passando pela Antecâmara, chegamos à majestosa sala do trono que é perpendicular à sala D. João VI (antiga sala de baile), à sala D. João IV e à sala dos archeiros. Destaca-se ainda a sala dos jantares grandes que apresenta no tecto uma pintura, datável de 1825-1826 da autoria de José da Cunha Taborda, alegórica ao nascimento de D. João VI. Desta sala destaca-se ainda o mobiliário de 180 cadeiras, encomendadas em 1903 por ocasioão da vinda de Eduardo VII a Portugal. Ainda no andar nobre é possí­vel apreciar o ultimo quarto do rei d. Luí­s, a biblioteca bem como o seu atelier de pintura em puro estilo neogótico.

As múltiplas salas tentam seguir a reconstituição histórica conforme os últimos anos de vida do rei D. Luis e da rainha D. Maria pia e para isso é recorrida a iconografia. nomeadamente as aguarelas de Enrique Casanova, realizadas entre 1889-1892 e adquiridos em 1989 pela directora de então.

O Museu do Palácio Nacional da Ajuda, teve entre 1940 e até 1968 um perí­odo de visitas restritas tendo aberto as suas portas a 20 de Agosto de 1968.

O Palácio Nacional da Ajuda, antigo palácio real e monumento nacional, é hoje um magnífico museu e o único palácio visitável em Lisboa que ainda conserva, de um modo fidedigno, a disposição e decoração das salas ao gosto do séc. XIX, nomeadamente os aposentos dos monarcas e a sala de trono. Situado no alto da colina da Ajuda, com vista deslumbrante sobre o rio Tejo, o Palácio integra importantes coleções de artes decorativas dos séculos XVIII e XIX: ourivesaria, tapeçaria, mobiliário, vidro e cerâmica, bem como coleções de pintura, gravura, escultura e fotografia.

Edifício neoclássico da primeira metade do século XIX, foi residência oficial da família real portuguesa e de uma forma continuada a partir do reinado de D. Luís I (1861-1889) ao final da Monarquia, em 1910.Após 1862, com a rainha D. Maria Pia de Sabóia (1847-1911), o palácio ganha uma vida renovada. A disposição e decoração das salas, que ainda hoje se mantém, a cargo do arquiteto Joaquim Possidónio da Silva (1806-1896), acompanhou as normas novas de conforto e higiene características da segunda metade de oitocentos. Nasceram neste palácio os príncipes D. Carlos



Museu Arqueolgico do Carmo em Lisboa visita obrigaria





O Museu Arqueológico do Carmo localiza-se nas ruí­nas do Convento do Carmo na cidade e Distrito de Lisboa, em Portugal A construção da igreja do Carmo remonta ao ano de 1389, impulsionada pelo desejo e devoção religiosa do seu fundador, o Condestável do Reino, D. Nuno Álvares Pereira.

Construída sobre a colina fronteira ao castelo de S. Jorge, pela sua grandeza e monumentalidade, rivalizava com a Sé de Lisboa e com o Convento de S. Francisco da mesma cidade.

Desde cedo este espaço religioso foi considerado emblemático da urbe lisboeta e da própria identidade nacional, pelo facto de lhe estar associado o nome de um dos mais famosos heróis portugueses da Idade Média. Ao ter escolhido a igreja do Carmo para sua sepultura, Nuno Álvares Pereira marcou, de forma decisiva, toda a história do monumento gótico.A igreja e o convento receberam vários acrescentos e alterações ao longo dos tempos, adaptando-se a novos gostos e estilos arquitectónicos e decorativos, transformando-se numa das construções mais ricas e poderosas de Lisboa.

Em 1755, o terramoto, que abalou com violência a cidade, provocou graves danos no edifício, agravados pelo subsequente incêndio que destruiu quase totalmente o seu recheio. No ano de 1756 iniciou-se a sua reconstrução, já em estilo neogótico, interrompida definitivamente em 1834, devido à extinção das Ordens Religiosas em Portugal.

Desse período de reconstrução datam os pilares e os arcos das naves, que são um verdadeiro testemunho de arquitectura neogótica experimental, de cariz cenográfico.

Em meados do século XIX, imperando o gosto romântico pelas ruínas e pelos antigos monumentos medievais, optou-se por não continuar a reconstrução do edifício, deixando o corpo das naves da igreja a céu aberto. É assim criado um mágico cenário de ruína, que tanto agradava aos estetas oitocentistas e que ainda hoje encanta os nossos contemporâneos. As ruínas do Carmo transformaram-se, assim, num memorial do terramoto de 1755. 



Palcio Nacional da Ajuda Lisboa





O Palácio Nacional da Ajuda ou Paço de Nossa Senhora da Ajuda é um monumento nacional português, situado na freguesia da Ajuda, em Lisboa.

A sua construção teve inicio no fim do século XVIII (1795) para substituir a Real Barraca, Paço Real assim chamado por ser de madeira. O projeto inicial, da autoria de Manuel Caetano de Sousa, sofreu uma alteração profunda com novo projeto em 1802. De inspiração neoclássica, da autoria dos arquitetos Francisco Xavier Fabri e José da Costa e Silva, o Palácio foi habitado com várias interrupções, tendo ficado inacabado. Funcionou como Paço Real com o rei D. Luis I (1833-1889), que aí­ se instalou definitivamente a partir de 1861. No vestí­bulo, merecem destaque as 47 estátuas assinadas por artistas portugueses.

Encerrado com a implantação da República em 1910, o interior do Palácio foi tornado museu, a partir de 1968, apresentando um relevante acervo de mobiliário, ourivesaria, pratas e joalharia.

Entre 2018 e 2020 decorrerão as obras



S a imponente catedral de Lisboa





No distrito de Castelo, perto do antigo bairro de Alfama, a catedral românica fortificada de Lisboa - a Sé - sofreu várias remodelações de design desde que a estrutura original foi consagrada em 1150 . Uma série de terremotos que culminaram no tremor devastador de 1755 destruiu completamente o que existia no século XII. O que você vê hoje é uma mistura de estilos arquitetônicos, sendo as características de destaque as torres de sino geminadas que embelezam o horizonte do centro da cidade - particularmente no fim da tarde, quando um sol poente assenta a alvenaria com um laminado dourado.



Museu Nacional de Arqueologia Lisboa Belm





O Museu Nacional de Arqueologia (MNA) é o principal museu nacional de âmbito arqueológico em Portugal. Localizado em Lisboa, o museu foi fundado em 1893 por iniciativa de José Leite de Vasconcelos. O museu situa-se na ala ocidental do Mosteiro dos Jerónimos, onde ficava o antigo dormitório do Mosteiro, nas instalações oitocentistas em estilo neomanuelino, cedida por decisão governamental de 20 de novembro de 1900, iniciando-se a sua transferência em 1903 e abrindo portas em 1906.

O MNA resulta do esforço de José Leite de Vasconcelos (1858-1941) para criar um u201cMuseu do Homem Portuguêsu201d. Com o patrocí­nio de Bernardino Machado, foi criado, por decreto régio de 20 de dezembro de 1893, como u201cMuseu Ethnographico Portuguêsu201d. Como instituição centenária, esteve subordinada ao longo dos anos a diversas entidades e viu a sua designação alterar-se por quatro vezes, denominando-se, desde 1989, Museu Nacional de Arqueologia do Dr. Leite de Vasconcelos.

Em mais de um século de existência, este Museu constituiu-se a instituição de referência da Arqueologia Portuguesa com correspondência regular com museus, universidades e centros de investigação em todo o Mundo.

O Museu Nacional de Arqueologia foi distinguido com o Prémio Internacional u201cGenio Protector da Colonia Augusta Emeritau201d, atribuí­do pela Fundação de Estudos Romanos e pelo Grupo de Amigos do Museo Nacional de Arte Romano de Mérida, em Espanha.

Instituição centenária, o atual Museu Nacional de Arqueologia (MNA) foi fundado, em Dezembro de 1893, por proposta de Leite de Vasconcelos  (e daí a designação oficial mais completa do Museu, conforme publicação em 1989, no “Diário da República”: Museu Nacional de Arqueologia, do Doutor Leite de Vasconcelos).

O Despacho-Régio, promulgado pelo Rei D. Carlos, foi subscrito por dois ministros do governo de Hintze Ribeiro, concretamente João Chagas, Ministro do Reino e Bernardino Ribeiro, Ministro das Obras Públicas, Comércio e Indústria, e patrono político da ideia. Aliás a relação de amizade e de colaboração entre Bernardino Machado e José Leite de Vasconcelos é anterior à data da criação do Museu e vai manter-se até à morte deste último.

Em mais de um século de existência este Museu constituiu-se na instituição de referência da Arqueologia Portuguesa, com correspondência regular com museus, universidades e centros de investigação em todo o Mundo. O acervo do Museu reúne as coleções iniciais do Fundador e de Estácio da Veiga. A estas somaram-se numerosas outras, umas por integração a partir de outros departamentos do Estado (por exemplo: coleções de arqueologia da antiga Casa Real Portuguesa, 



Palcio dos Marqueses de Fronteira: a casa de um aristocrata portugus do sculo XVII





Palácio dos Marqueses de Fronteira escondida na periferia noroeste da cidade está esta encantadora mansão de campo, a casa de família do Marquês de Fronteira . Construído como alojamento de caça para João de Mascarenhas , o primeiro Marquês de Fronteira, em 1640, foi posteriormente remodelado como palácio e continua a ser uma das residências privadas mais bonitas e serenas de Lisboa. Felizmente, alguns dos quartos deste retiro nobre estão abertos ao público, assim como os terrenos maravilhosamente paisagísticos, e investir num passeio matinal guiado nas instalações oferece um vislumbre recompensador do Portugal do século XVII .

Fora do Museu Nacional do Azulejo , este é o melhor local da cidade para ver azulejos do século XVII . O palácio é adornado com exemplos notáveis de azulejos, principalmente na Sala das Batalhas . Aqui, painéis de parede retratam cenas da Guerra da Restauração, a longa e sangrenta campanha para livrar Portugal do domínio espanhol. O detalhe é surpreendente e verdadeiramente traz à vida as várias batalhas travadas que eventualmente restauraram a independência do país de seu vizinho de ocupação.



Museu da Carris Lisboa





O Museu da Companhia Carris de Ferro de Lisboa é um museu e um centro cultural, que apresenta ao público o passado, presente e futuro dos transportes públicos da cidade de Lisboa e onde convivem exposições temáticas com os mais diversos eventos culturais e empresariais.

Está situado na zona ribeirinha da cidade, na freguesia de Alcântara, num eixo cultural importante de Lisboa que integra o Museu do Oriente, o Palácio Nacional da Ajuda, o Museu dos Coches, o Museu da Presidência da República, o Mosteiro dos Jerónimos e o Centro Cultural de Belém.

O Museu localiza-se na Estação de Santo Amaro, onde se encontram todos os elétricos de Lisboa.

Inaugurado a 12 de Janeiro de 1999, o Museu da Carris é parte integrante da Companhia de Carris de Ferro de Lisboa e expõe viaturas, maquetas e documentos e objetos do quotidiano que contam a história do transporte público da capital lisboeta. Integra a Rede Portuguesa de Museus desde 2010.

O Museu da Carris em Lisboa, divulga ao público as suas memórias, que ao longo de mais de um século prestou ao crescimento de Lisboa, cidade que se desenvolveu também graças à evolução dos sistema de transportes públicos.

O Serviço Educativo tem como missão ressignificar o Museu da CARRIS como lugar de vivência coletiva, diálogo e partilha de múltiplas vozes, como território de reflexão e experimentação de relações entre o património cultural e o papel histórico-simbólico dos transportes públicos na cidade de Lisboa, em articulação com as exposições temporárias e eventos pontuais que o Museu promove. Pretende-se consciencializar o público para a existência do espólio e do património da CARRIS, bem como a sua importância na evolução da morfologia da cidade, do desenvolvimento tecnológico e sua história.  A ação educativa é vocacionada e adaptada a públicos variados – crianças, jovens, escolas, famílias, adultos e públicos com necessidades específicas. Define como estratégia a realização de atividades pedagógicas, lúdicas e interativas, que estimulem o pensamento, sensações e ideias, incentivando a participação e a releitura dos lugares e objetos, através de visitas orientadas, oficinas, cursos, férias escolares e festas de aniversário.   Partindo do tema central dos transportes e fazendo uma leitura atual de questões como a mobilidade, a segurança rodoviária e a sensibilização ecológica, exploram-se percursos, mapas, rodas, engenhos e viagens, através de uma abordagem experimental, que privilegia a descoberta pelos sentidos.

Turismo em Portugal

Explora restaurantes museus hoteis e muito mais em Portugal