15 Melhores Coisas para fazer e visitar em Portalegre


No norte do Alentejo, a uma curta distância da fronteira espanhola, Portalegre é uma cidade de terra firme à beira das montanhas da Serra de São Mamede. Este local tem uma tradição têxtil de longa data, e nos anos 1940 começou a tecer tapeçarias ao mais alto nível. Padrões europeus.

Anteriormente, na década de 1920, o eminente escritor português José Régio mudou-se para Portalegre e ficaria aqui pelos próximos 34 anos. Além disso, como a sede da diocese, conventos e igrejas são dez centavos, e você deve tentar visitar o maior número possível. O parque natural de São Mamede é o seu destino para caminhadas em terrenos de montanha, e possui a cidade fortificada de Marvão, de cair o queixo.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Portalegre :

1. Museu da Tapeçaria de Portalegre

 

A tecelagem é um artesanato local em Portalegre desde a Idade Média, mas na década de 1940 o empresário Guy Fino e o tecelão Manuel do Celestino Peixeiro inventaram uma nova técnica de tapeçaria.

Chama-se Ponto de Portalegre e, embora parcialmente inspirado nas tapeçarias de Roubaix, possui um estilo próprio.

Uma reputação de arte e artesanato logo transformou Portalegre em uma cidade de tapeçaria para rivalizar com os de Flandres e França.

Todo este pano de fundo é coberto no rés-do-chão deste museu, revelando os primórdios da Manufactura de Portalegre e das suas técnicas.

No andar de cima há exemplos dessa forma de arte, introduzindo alguns dos tecelões hábeis que realizaram seu comércio na cidade nos últimos 70 anos.

2. Catedral de Portalegre

 

A catedral da cidade é um Monumento Nacional, e foi ordenada pelo rei D. João III no século XVI, onde uma antiga igreja medieval costumava ficar de pé.

Ela reina sobre Portalegre a partir do ponto mais alto da cidade e, junto com seu palácio episcopal, forma um imponente conjunto maneirista.

A aparência atual do interior é a partir do final do século 18, quando foi dado um reequipamento neoclássico, mas ainda há coisas para ver a partir dos séculos 16 e 17.

Mais notavelmente estes são os púlpitos de mármore branco e 96 painéis pintados que datam de 1500 e 1600.

 

3. Museu Municipal de Portalegre

 

O museu municipal da cidade tem uma bela casa, em um prédio do século XVI que costumava ser o seminário diocesano.

No século XVIII foi tomado por um nobre local e reformado como residência de luxo, e esse é o esquema que persiste hoje.

Grande parte da coleção do museu é arte litúrgica montada a partir de dois conventos dissolvidos na cidade: Santa Clara e São Bernardo, e alguns desses objetos são excepcionais.

Há uma escultura de marfim indo-portuguesa do Mary, um stand de missal japonês de 1500 e um retábulo do mesmo período com passagens da Bíblia em terracota policromada.

Quanto ao resto da coleção, você pode se debruçar sobre caixas de rapé de prata, faiança e móveis finos.

4. Casa Museu José Régio

 

O célebre escritor do século 20 José Régio passou a maior parte de sua vida adulta, de 1929 a 1961, nesta grande casa da cidade, tornando-se “Portoalegrense” por adoção.

Sua casa fica no anexo do convento de São Brás, e ainda há alguns vestígios, como a antiga capela.

A princípio, Régio alugou apenas um cômodo aqui, mas era um ávido colecionador de qualquer coisa, desde a pintura à escultura, têxteis, cerâmica e móveis, e com o passar do tempo seu acúmulo ocupou toda a propriedade.

Ele doou a coleção para a cidade, que comprou sua casa e a transformou em um museu.

A casa é como era quando ele morava aqui, e há um centro de estudos para as pessoas que pesquisam seu trabalho.

5. Convento de São Francisco-Fábrica de Cortiça Robinson

 

Em um pacote você encontrará um convento do século XIII e uma fábrica de cortiça mais recente.

A igreja do convento tem decoração de todos os movimentos desde a Idade Média, e tem um altar e sarcófago renascentista, murais maneiristas revestem as capelas da nave, azulejos barrocos e madeira dourada adornam a capela-mor.

Em 1848, o industrial inglês George Robinson instalou sua fábrica de cortiça em uma das alas do convento, e as duas chaminés ainda dominam o local.

Você pode fazer uma visita guiada e examinar os itens de cortiça produzidos nesta fábrica que deram a Portalegre um impulso econômico no século XIX.

 

6. Convento de São Bernardo

 

Talvez a imagem mais fotogênica de Portalegre sejam as paredes ocre e branca desse convento e a praça e a fonte de paralelepípedos na frente.

O convento é de 1500 e foi fundado para abrigar “donzelas sem dote”. Há uma mistura de arquitetura de diferentes épocas, mas os destaques são principalmente dos anos 1500 e concluídos pelo escultor francês Nicolas de Chantereine.

Ele fez o púlpito de mármore ostentando grotescos, bem como o túmulo sublime do bispo que fundou o convento, Jorge de Melo.

Há também um claustro silencioso e galerias com painéis azuis e brancos.

O edifício é administrado pela Guarda Nacional da República desde a década de 1980, mas as visitas são permitidas.

7. Convento de Santa Clara

 

Outra linha de Monumentos Nacionais de Portalegre é este convento do século XIV, agora usado pela biblioteca da cidade.

Isso não faz com que valha menos a pena, porque você tem que entrar para se maravilhar com o claustro gótico.

Isto foi completado durante o reinado de 16 anos do rei Fernando I (1367-1383) e acredita-se ser o único claustro sobrevivente em Portugal desde aquela época.

É cercado por dois níveis de galerias, enquanto o jardim tranquilo no meio tem uma fonte de mármore do século XVI.

A biblioteca hospeda exposições ocasionais de arte e história, o que pode garantir alguns minutos também.

8. Plátano do Rossio

 

Quando o sol do meio do verão está batendo, há apenas um lugar para estar nas ruas de Portalegre.

Esse é o Rossio, por causa da imensa sombra da árvore plantain na maior parte da praça.

Este foi plantado em 1838 pelo botânico Dr.

José Maria Grande, e através de boa sorte e cuidado sobreviveu até os dias atuais.

O dossel é apenas vasto, crescendo até 30 metros de diâmetro, e os galhos já não suportam o próprio peso, por isso são sustentados por pilares.

9. Miradouros

 

Com terreno elevado em três direcções de Portalegre, existem alguns pontos para sair do carro e admirar a cidade à distância.

O melhor deles é o Miradouro de Santa Luzia (que não deve ser confundido com o de Lisboa), que está a caminho da aldeia de Salão Frio.

A uma altitude de 679 metros existe um panorama completo de Portalegre e dos seus monumentos.

Outro ponto de vista fabuloso é na encosta da Serra da Penha, a oeste, onde você pode ficar nos degraus da Capela de Nossa Senhora da Penha do século XVII e ver Portalegre de perfil do outro lado do vale.

10. vistas em torno da cidade

 

O castelo de Portalegre fica na parte mais antiga de Portalegre e sobe por uma teia de ruas estreitas.

Ficou sob cerco algumas vezes nas crises dinásticas e nas guerras civis dos séculos XIII e XIV.

Não resta muito, a não ser por um pedaço da torre onde foi construída uma estrutura moderna de madeira e vidro para ajudá-lo a se locomover.

As ruas ao redor são discretas, mas merecem um passeio pelas suas paredes caiadas de branco, elegantemente surradas, com enfeites coloridos.

Há também cinco dos sete portões da cidade sobrevivendo, sendo que o mais digno de foto é a Porta de Alegrete, do século XIII.

E na Praça da República, veja o Palácio Achaioli, um palácio do século XVIII, convertido em edifício universitário e onde José Régio dava palestras.

 

11. Ruínas Romanas de Ammaia

 

No Parque Natural de São Mamede, que faz fronteira com Portalegre, encontram-se as ruínas de uma cidade romana que tinha 2.000 habitantes no seu auge.

No exterior, há muito para ver, como o portal para a cidade, os vestígios do fórum e do templo, uma grande villa (conhecida como Quinta do Deão) e banhos termais.

Muitos desses vestígios só vieram recentemente à tona quando o local foi escavado pela primeira vez na década de 1990.

Muitos artefatos foram descobertos, especialmente em torno dos banhos, e muitos acabaram no Museu Nacional de Arqueologia de Lisboa.

Mas há também um pequeno museu no local, com uma apresentação em vídeo e exibições de joias, utensílios, cerâmicas e vidros soprados.

12. Parque Natural da Serra de São Mamede

 

As almas intrépidas desejarão conquistar a cadeia de montanhas de quartzito ao norte e oeste da cidade.

Esta faixa é um dos lugares mais selvagens da Europa Ocidental e um habitat para espécies raras como genetos, linces ibéricos e o lobo ibérico, bem como morcegos, javalis e milhares de veados.

Há bosques de sobreiros, eucaliptos, pinheiros e castanheiros para caminhar ou andar de bicicleta, e sinais de culturas pré-históricas nos megalitos e pinturas rupestres.

Você pode estar de olho na Serra de São Mamede (o nome do pico mais alto), com crista de pouco mais de 1.000 metros.

Do topo você pode ver a Espanha e a Serra da Estrela, a 150 quilômetros ao norte.

13. Marvão

 

Nas nuvens fica a cidade fronteiriça de Marvão, um lugar incrível por qualquer padrão.

É amontoado em um penhasco estreito, de 800 metros de altura, no topo de imensos penhascos de quartzito e cercado por muros.

Estas defesas atestam séculos de conflito entre Portugal e Espanha, e foram reforçadas nos anos de 1800.

É uma aventura apenas entrar na cidade: depois de subir a encosta, você passa por um portão cerimonioso guardado por torretas e machicolations com ameias.

As paredes contêm um emaranhado apertado de becos de paralelepípedos, abaixando-se sob passagens abobadadas e guiando-o para bordas onde as paisagens montanhosas deixam você perdido por palavras.

14. Piscina Fluvial da Portagem

 

Os verões são frequentemente brutais no leste de Portugal, e com poucos corpos dágua para descanso, a cidade vizinha de Marvão foi criativa.

Aqui, uma extensão do rio Sever foi represada para prender uma piscina ao ar livre, atraindo banhistas de ambos os lados da fronteira em dias quentes.

Na margem há um bosque de árvores altas que oferecem bastante sombra para mesas de piquenique, e alguns passos adiante é uma ponte romana que teria sido usada pelos cidadãos de Ammaia há 2.000 anos.

15. Comida e Bebida

 

Em Portugal, confeitaria foi feita em conventos que fizeram uso dos ovos que foram doados por casais a estas comunidades para dar sorte.

Portalegre tem sido frequentemente chamada de “Cidade dos Sete Conventos” e tem um livro inteiro com suas próprias receitas doces e simples.

O toucinho do céu é um pão-de-ló feito de amêndoas, o manjar branco é um manjar branco de ovos e amêndoas, e os rebuçados de ovos são doces de gema em bolas com calda pegajosa.

Por fim, embora haja muito mais receitas, lampreia de Portalegre é um bolo macio feito com ovos, açúcar e amêndoas, e assado na forma de uma lampreia, com frutas cristalizadas para os olhos!

  • 15 Melhores Coisas para fazer e visitar em Portalegre


Outros Artigos Populares no Blogue