15 Melhores Coisas para fazer em Moura Alqueva


Não é da fronteira espanhola, Moura é uma cidade medieval com rica herança mourisca.

Pegue o bairro de Mouraria, que parece muito com 700 anos atrás, quando era um enclave para uma população minoritária muçulmana.

Moura ainda é defendida por um castelo, e nas muralhas há um parque com infinitas vistas de uma paisagem idílica de olivais e colinas queimadas pelo sol.

Um gigantesco reservatório fica a poucos momentos de Moura, para velejar e se divertir na água no verão.

E quando o sol se põe, a cidade é iluminada, não pelas luzes da rua, mas pelo que poderia ser o céu noturno mais brilhante que você já viu. Esta região ganhou prêmios por suas estrelas.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Moura :

1. Castelo de Moura

 

A crista da colina mais alta de Moura tem visto a atividade humana por milênios, e muito antes dos romanos chegarem, os tebanos da Grécia Antiga teriam um assentamento aqui.

Algo que tornou esse poleiro eternamente popular foi a presença de fontes de água permanentes em uma paisagem árida.

O castelo tomou forma na época mourisca, a ser reforçada no século XIII pelo rei Denis I. A torre de menagem é o destaque, e sobreviveu muito bem devido ao seu mármore resistente.

Ele contém uma sublime sala octogonal abobadada, sustentada por colunas delgadas.

Pegue a escada em espiral até as ameias para ter uma visão de acalentar.

2. Mouraria de Moura

 

Moura tem o bairro mourisco mais antigo de Portugal, que foi utilizado como refúgio dos cristãos muito antes de a cidade ser capturada.

Para esse papel defensivo, tem ruas muito apertadas e sinuosas.

Depois da Reconquista, os mouros foram forçados a se reinstalar neste bairro, que fica fora das muralhas do castelo.

Eles mantiveram sua identidade até 1496 quando tiveram que se converter ao cristianismo ou sair.

O bairro é um beco e três ruas que se cruzam de casas térreas que têm curiosos chaminés abobadados.

3. Convento das Dominicanas

 

No mesmo local do castelo, o convento foi iniciado em 1562 e está parcialmente em ruínas.

A igreja ainda está de pé e tem design renascentista.

Não falta a sua fachada ousada e caiada de branco com três arcos imponentes.

Nas ruínas do presbitério ao lado, você pode ver um portal com um brasão gravado no tímpano.

O que há de mais fascinante no interior é o túmulo manuelino (início do século XVI) de dois irmãos Álvaro e Pedro Rodrigues, que ajudaram a planear o sucesso do ataque à cidade em 1166.

4. Jardim Doutor Santiago

 

No mesmo nível em que o castelo é um jardim sustentado por muros construídos para afastar os ataques de artilharia no século XVI.

O parque é de 1800 e foi dado o seu nome atual em 1934 após o prefeito na época.

Você vai entrar através de um grande portal ladeado por arcadas, e um carrinho de fogo antigo puxado a cavalo está em exibição nos jardins.

Mais uma vez, o cenário desta posição elevada é sensacional, e você percebe claramente a Barragem de Alqueva.

Pare por um tempo e aprecie esses pontos de vista, retrocedendo sob as palmeiras e as árvores perenes plantadas há mais de 100 anos.

5. Museu Municipal

 

O museu municipal de Moura tem uma coleção de itens recuperados de escavações ou transmitidos de geração em geração.

O núcleo desta coleção foi exposto pela primeira vez em 1884, mas não foi até 1993 que o museu tinha um lar permanente.

As primeiras peças aqui são da pré-história e a data mais recente até 1700.

Entre as armas antigas, cerâmicas, jóias e artigos de vidro, há um item que você não pode deixar de ver.

Esta é a figura de um "deus ferido", que data da Idade do Ferro, há cerca de 2.500 anos.

 

6. Alqueva Reservoir

 

O que costumava ser vales de sobreiros e olivais, é hoje um dos maiores reservatórios de água da Europa, cobrindo 25.000 hectares.

Este foi formado apenas na década de 2000 pela Barragem de Alqueva, uma megastutura concluída em etapas entre 1995 e 2013. Não demorou muito tempo para as pessoas reconhecerem o potencial para os desportos aquáticos aqui.

Você pode alugar iates, lanchas, caiaques ou canoas, ou praticar esqui aquático e wakeboard.

Se você preferir terrenos sólidos, as margens agora estão repletas de trilhas para ciclistas e caminhantes, com vistas para a represa e para o campo árido.

7. Stargazing

 

Com uma imensa massa de água e sem grandes cidades, a parte oriental do Alentejo é quase completamente livre de poluição luminosa.

Isso é ajudado ainda mais por um acordo entre cidades como Moura e Barrancos para baixar as luzes das ruas o mais baixo possível.

A área total comprometida com este esquema agora é de até 3.000 quilômetros quadrados.

A Starlight Initiative classificou a região como um "Destino de Turismo das Estrelas". O resultado é uma brilhante tapeçaria de estrelas no céu noturno.

Você pode trazer seu próprio telescópio, é claro, mas existem todos os tipos de experiências se você quiser ajuda de um especialista (pense em passeios noturnos de canoa no reservatório de Alqueva).

8. Atalaia Magra

 

Outro bom destino para uma caminhada é esta solitária torre de vigia no cume de uma colina salpicada de sobreiros e oliveiras.

Você pode dirigir parte do caminho até lá no N258 ou fazer tudo a pé.

Seu objetivo é uma torre gótica circular do século XIV, com quatro andares de altura.

Quando Portugal estava em guerra com o Reino de Castela, este foi um sistema de alerta precoce de invasão.

Os vigias mandavam sinais de volta para Moura e se comunicavam com outras três torres na área.

Dada a sua idade e configuração remota, a torre está em boa forma, e você ainda pode alcançar a parte superior com a escada em espiral.

9. Núcleo Árabe

 

No Largo da Mouraria, no antigo Bairro Mouro, há um museu sobre o período islâmico de Moura.

A peça central é um poço mourisco com paredes de barro, datando do século XIV.

Este é um dos muitos artefatos fascinantes como um amuleto de ossos, pedras gravadas, um caixão islâmico e uma série de cerâmicas recuperadas de escavações.

O museu também mergulha no cotidiano dos mouros, documentando sua culinária e costumes e como eles navegaram no rio Guadiana.

10. Igreja de São João Batista

 

A igreja paroquial de Moura é do início dos anos 1500, quando o rei Manuel I estava no trono, e foi construída na encosta, quando a congregação superou a igreja do convento no castelo.

Uma coisa interessante sobre o layout da igreja é que a nave central era reservada apenas para o clero e a nobreza, enquanto o povo da cidade tinha que ficar nos corredores.

Na nave, deleite-se com o fino púlpito de mármore, enquanto o Chancel tem azulejos azuis com padrões geométricos pintados em uma oficina sevilhana.

 

11. Convento do Carmo

 

Este convento foi estabelecido pouco depois da reconquista de Moura, durante o reinado de Afonso III, em meados do século XIII.

E devido a expansões e reconstruções posteriores, o convento tem uma atraente mistura de design gótico, manuelino e renascentista.

O convento foi a primeira irmandade da ordem carmelitana na Península Ibérica e, outrora, foi também a sede da ordem em Portugal.

Se você é um estudioso da história medieval, pode detectar os símbolos da Ordem de Malta na fachada, no portal principal e no claustro.

Na nave levante a cabeça para ver o teto de caixotões, esculpido no início do século XVI.

12. Igreja Paroquial de Santo Aleixo da Restauração

 

Esta igreja do século XVII tem uma história convincente para contar, principalmente porque sempre esteve no caminho de exércitos invasores.

Uma versão anterior foi destruída pelas tropas castelhanas em 1626. E novamente, no início do século XVIII, foi parcialmente demolida na Guerra da Sucessão Espanhola.

A reconstrução em 1733 deixou-o com uma fusão dos desenhos maneiristas e posteriores barrocos anteriores.

A fachada é definitivamente barroca, com pergaminhos na empena, e dentro das melhores características estão os azulejos azuis e brancos figurativos e os delicados relevos de estuque na nave, evocando as Estações da Cruz.

13. Lagar de Varas de Fojo

 

O campo de Moura produziu azeitonas para óleo desde os romanos.

E você sentirá uma conexão com as centenas de anos de produção de petróleo neste moinho, em um bosque com árvores com mais de um milênio de idade.

O primeiro registro da fábrica é de 1810 e produziu óleo até 1941. Naquela época máquinas automáticas assumiram o controle, mas o Lagar de Varas de Fojo mostra como as coisas costumavam ser feitas à mão, com apenas a ajuda de uma mola para pressionar o óleo.

Nem uma única peça da usina está faltando, o que torna isso uma peça única da história agrícola em Portugal e na Espanha.

14. Azeite de Moura

 

O azeite de Moura é tão altamente classificado que tem a sua própria denominação de origem protegida.

E mesmo que as máquinas tenham assumido, o processo não é adulterado: basta apenas lavar, fresar, esmagar, girar e filtrar.

Os amantes de comida devem tomar nota para ir até a cooperativa agrícola Moura (Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos). Este é o lado sul da cidade e vende seu azeite virgem e extra virgem em garrafas de 0,5, 0,75, 3 e 5 litros.

Bem, cinco litros de óleo podem ser excessivos, mas uma pequena garrafa de óleo extra virgem seria um grande presente.

15. Comida e Bebida

 

Além desse azeite aclamado, há muitos outros produtos locais para provar aqui.

Onde há azeite, há grandes azeitonas, e elas servirão como lanche em bares ou restaurantes.

O mel é excelente em Moura, assim como as salsichas curadas e o queijo, enquanto a toranja cultivada localmente é sazonal no final do inverno e início da primavera.

No menu, Miga é o pão que sobrou, encharcado e frito com alho, e acompanha muitos pratos principais.

Enquanto isso, açorda é uma espécie de caldo com pão em sua base e é uma refeição em si.

O ensopado de borrego é um prato alentejano de marca e combina maravilhosamente com os fortes vinhos tintos da região.

  • 15 Melhores Coisas para fazer em Moura Alqueva


Outros Artigos Populares no Blogue