Óbidos: Esta cidade é a aldeia do século XIII mais perfeitamente preservada do centro de Portugal. Sua autenticidade histórica é a principal preocupação da população de mais de 5.000 pessoas. Durante 600 anos, Óbidos era propriedade pessoal das rainhas portuguesas, uma oferta simbólica de amor dos seus maridos adoradores. Óbidos sempre respirou romance.
 
Nazaré: Esta vila de pescadores folclóricos no centro de Portugal produz maravilhosos artesanatos. A cidade tem um forte senso de cultura tradicional que é distintamente diferente das comunidades vizinhas.
 
Fátima: Em 1913, uma aparição da Virgem Maria apareceu a três pastorinhos de Fátima, que foram chamados para espalhar uma mensagem de paz. Sua história foi inicialmente desconsiderada e depois adotada por uma hierarquia da igreja sob ataque pelos estragos da Primeira Guerra Mundial. Mais tarde, 70.000 pessoas que estavam reunidas no local alegaram ter testemunhado milagres. Hoje, Fátima é o local de peregrinação mais visitado da Península Ibérica, lar de dezenas de igrejas e monumentos imponentes.
 
Évora: Esta é uma das jóias arquitectónicas mais perfeitamente preservadas do país. Um antigo templo romano bem preservado se ergue do outro lado da rua dos conventos e mosteiros que floresceram quando os reis de Portugal usaram esta cidade como sua capital no século XII. Estes edifícios combinam com os remanescentes da ocupação mourisca, formando uma das mais atraentes, senão maiores, medievas arquitetônicas da Europa.
 
Tomar: A partir do século XII, os Cavaleiros Templários e depois os Cavaleiros de Cristo (duas seitas bélicas e semimonásticas) designaram Tomar como seu quartel general. Eles esbanjaram a cidade com adornos ao longo dos séculos até que ela parecia, como hoje, como um monumento vivo à arquitetura do Portugal medieval.
 
Coimbra: O centro acadêmico do país, esta cidade possui uma universidade com raízes na Idade Média, um rico núcleo histórico e uma tradição de canto em estilo de trovador, que é um dos mais importantes da Península Ibérica.
 
Porto: A segunda cidade de Portugal, o Porto tem ricas associações com o comércio do vinho do porto. Empreendedores que voltaram para casa depois de fazer fortuna no Brasil construíram algumas das mais imponentes vilas da cidade no final do século XIX. Mas, como centro económico de Portugal, o Porto mudou-se para o século XXI, com novos edifícios de escritórios, complexos de apartamentos modernos, lojas de moda e restaurantes no seu coração comercial e desenvolvimentos impressionantes como a Fundação Serralves, um Museu Nacional de Arte Moderna. em um parque de 44 acres na parte ocidental da cidade.
 
Guimarães: O berço do primeiro rei do país, Afonso Henríques, e o núcleo a partir do qual o país se expandiu, Guimarães é o berço de Portugal. Sua seção medieval é uma das mais autênticas em qualquer lugar. A cidade também foi o local de nascimento de Gil Vicente (1465-1537), um dramaturgo conhecido como o Shakespeare de Portugal.
 
Viana do Castelo: Esta cidade do norte com fortes tradições folclóricas é conhecida pela cerâmica, vestidos regionais femininos, chuvas abundantes e uma colecção de edifícios públicos distintos e dignos. Seu auge foi em 1500, quando frotas partiram daqui para pescar bacalhau em lugares tão distantes quanto a Terra Nova. Os lucros de suas atividades ajudaram a pagar a bela coleção de edifícios manuelinos da cidade.
 
 
Serra da Arrábida: Este cume em forma de baleia nunca excede os 1.525m (5.000 pés) de altura. As massas de flores silvestres que flanqueiam seus lados estão entre as mais coloridas e variadas da Península Ibérica. A Serra fica entre Sesimbra e Setúbal, do outro lado do estuário do Tejo, a partir de Lisboa. A caminho de Lisboa, encontrará praias apinhadas e recônditas, um mosteiro capuchinho medieval (o Convento Novo) e um punhado de bons restaurantes. A cidade de Sesimbra, com a sua histórica e sonolenta praça principal e fortalezas arruinadas, oferece bares, restaurantes e uma visão da Península Ibérica de uma época passada.