Vereador da Mobilidade de Lisboa explica que o grande objetivo da medida é garantir a solidez dos serviços da Carris, tendo em conta que existem centenas de perturbações. Porém, garante, existe a "plena noção" sobre as prioridades dos condutores e guarda-freios.

"O grande objetivo é conseguirmos garantir a solidez dos serviços da Carris. Ainda no mês de outubro tivemos mais de 137 bloqueios de serviços de transporte público da Carris que custaram ao serviço público mais de 80 horas de operação", explicou Miguel Gaspar, acrescentando que "uma das grandes vantagens de a Carris ser municipal é podermos delegar na Carris esta capacidade".

Os motoristas e guarda-freios poderão vir a ter o poder de passar multas aos prevaricadores das ruas da cidade que, por exemplo, estejam estacionados em segunda fila ou em faixas BUS perturbando a circulação dos transportes públicos.