Covão DAmetade Subime paisagem , talvez a única no pais de tão peculiar que é . um prado, um rio ,uma serra única e um vale glaciar único na europa  Lugar lindo, natureza incrível! Onde nasce o rio Zêzere. Há possibilidade de fazer piquenique. Vale a pena conhecer quando estiver de passagem pela Serra da Estrela.

Paz de espírito é a sensação neste local. A melhor altura para o visitar é no outono, pois as betulas estão com as folhas totalmente douradas. Se for um dia de grande afluência à serra é difícil estacionar.

Vale Glaciar do Zêzere

Vale Glaciar do Zêzere, 13kms de extensão, um dos maiores da Europa, maravilhosa dádiva da Natureza e, ao mesmo tempo, uma lição a céu aberto sobre os vestígios da última época de glaciação, há milhares de anos.


Na sua forma de «U», ostenta inigualáveis belezas geológicas, como as austeras rochas graníticas dos Cântaros, Magro, Gordo e Raso (a 1.928 metros de altitude) e reservas biogenéticas de elevado valor natural e paisagístico.



No sopé do Magro (a 1420 metros de altitude), uma jóia do Vale, o Covão D’Ametade, antiga lagoa glaciar de beleza incomparável.
Entre o sinuoso percurso do Vale Glaciar, onde a terra já mais não rende que algum pastoreio e pequenas bolsas de uma débil agricultura de subsistência, o Zêzere corre veloz, escapando-se, audaz e destemido, apressado em chegar a paragens mais tranquilas.
O Vale Glaciar do Zêzere, profunda garganta de direcção NNE-SSW, instalado numa importante falha, é um dos melhores exemplos de como os glaciares modelaram a paisagem: a forma em «U» deve-se à maciça presença de gelo no cimo da montanha, criando como que uma cúpula de onde vertiam “línguas” para os vales periféricos.


  • O vale glaciar do Zêzere é um vale de origem glaciária que se estende por um comprimento de cerca de 13 quilómetros desde da nascente do Zêzere até à vila de Manteigas, sendo que os últimos 8 quilómetros são bastante bem definidos num perfil em U causado pelo efeito da erosão do glaciar nas encostas do vale.

    O vale em si deve a sua existência à falha da Vilariça, mas foi moldado pela erosão glaciar durante a última grande glaciação. Durante o período de Wurm que terminou acerca de 19 000 anos atrás. No curso superior podemos observar vários covões e ferrolhos que ajudaram à formação do Glaciar.

    Podemos observar várias acumulações morénicas no curso superior criadas já depois do período de glaciar máximo. É um dos vales em U mais longos da Europa e  são as evidências glaciares mais a sul em todo o continente Europeu.

Quando ir?

De Janeiro a Março é quando tem neve e muuuito frio. No restante do ano, as temperaturas são amenas – mesmo quando faz calor, é bom levar um casaquinho para a noite, mesmo no verão e primavera. As paisagens são sempre lindas, não importa a época do ano. A melhor época para quem quer fazer caminhadas é de maio a outubro. Se você quer aproveitar as praias fluvais ou rota das 25 lagoas, então marque a sua visita de julho a setembro!

Quais cidades?

Como já disse no tópico anterior, as maiores cidades da Serra da Estrela são Covilhã e Guarda. As duas têm mais estrutura para tudo, e também têm centros históricos fofinhos – e são as únicas onde dá para chegar de trem ou ônibus. Manteigas é bem menor, mas fica bem no meio da Serra, o que amplifica a sensação de estar entre as montanhas. E dali é fácil chegar a várias atrações, como Torre e a estação de esqui, as trilhas e cachoeiras, e claro, o Vale do Glaciar do Zêzere.

Seia é uma cidade que você vai passar para subir a Serra. Lá ficam o Museu do Pão e o Centro de Interpretação da Serra da Estrela. Sabugueiro é uma pequena vila, a mais alta de Portugal, que fica a 1051 metros de altitude, bem pertinho de Seia.

Vilas e Aldeias da Serra da estrela

Loriga

Loriga é conhecida como a “Suíça Portuguesa” devido à sua extraordinária paisagem e localização geográfica. Rodeada por montanhas, das quais se destacam a Penha dos Abutres (1828m de altitude) e a Penha do Gato (1771m), é abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de Loriga ou “Courelas ou “Nave”, e a Ribeira de S. Bento. A Ribeira de Loriga, é um dos maiores afluentes do Rio Alva.

Covão da Ametade

O Covão da Ametade é um dos locais mais simbólicos  e mais belos da Serra da Estrela. Está localizado no início do Vale Glaciário do Zêzere. Trata-se de uma depressão mal drenada situada num covão glaciar a jusante do covão cimeiro.

Apesar do local estar a uma quota perto dos 1500 metros de altitude, só não está acessível nos dias de inverno mais rigoroso em que as estradas não permitem passagem devido à queda de neve.

Guarda

Fundada no século XII pelo segundo rei de Portugal, D. Sancho I, Guarda insere-se na paisagem montanhosa da Serra da Estrela e é considerada a cidade mais elevada do país, impondo-se a uma impressionante altura de 1056 metros. A Torre é o pico mais elevado da Serra (1993 metros), bem como o mais alto de Portugal continental, e acolhe a famosa estância de esqui do Parque Natural da Serra da Estrela.

Cabeça

Em plena serra da Estrela encontramos a aldeia de Cabeça, uma pitoresca aldeia onde predomina o casario em xisto, um local repleto de encantos e histórias que vale a pena desvendar. A tradição e a identidade desta aldeia está muito associada ao cultivo dos campos em socalco e à pastorícia.

Sabugueiro

Reza a história que esta freguesia surgiu a partir de um aglomerado de cabanas de pastores que aproveitavam os pastos para as suas ovelhas e cabras.

Em antigos documentos aparece chamada de “Vila de Sabugária”. É por isso, povoação muito antiga, de que dão notícias as Inquirições de D. Afonso II, em 1296, onde se chama “Sambugueiro”, Sabugário e Sabugueiro (Bigotte, 1992).

O Capitão Dr. António Dias, na sua “Monografia do Sabugueiro” insere uma inquirição em que D. Pascoal respondeu que nesta povoação eram possuidores de terras Mendo Carneiro, Pedro Viegas e Domingos Gonçalves, que não pagavam foro ao “Senhor Rei”

Belmonte

Localizada no centro da Cova da Beira, Belmonte é a vila natal de Pedro Álvares Cabral(navegador Português que descobriu o Brasil). Ela tem uma ampla visão sobre a Serra da Estrela, situada apenas a 9 km.Durante a sua visita, não deixe de visitar o castelo de Belmonte, a Torre Centum Cellas, as igrejas de São Tiago e Santa Maria, bem como o bairro judeu (rua Direita e Fonte da Rosa), onde pode descobrir a Sinagoga e as pequenas belas casas de granito.

PERCURSOS PEDESTRES DA SERRA DA ESTRELA onde e em que altura do ano fazer 

Linhares da Beira

Localizada no Parque Natural da Serra da EstrelaLinhares da Beira é uma aldeia medieval do século XII com lindas casas de granito.

Ao visitar esta aldeia, poderá descobrir o castelo gótico, duas igrejas, o pelourinho e as casas de estilo manuelino.

Parque Natural da Serra da Estrela – um sítio com paisagens de cortar a respiração!

Nesta região, comece por visitar a aldeia histórica de Linhares da Beira Percorra e explore as ruas desta bonita aldeia medieval do século XII e conheça o imponente castelo que se ergue a mais de 800 metros de altitude e que protegia esta localidade. 

Não perca a oportunidade de ir a um dos centros comerciais da Torre para comprar alguns dos maravilhosos produtos típicos desta região como o famoso Queijo da Serra, os enchidos, o pão regional peças de artesanato.

O que fazer na serra da estrela 

Rota dos Castelos e Aldeias Históricas na Serra da Estrela

O Roteiro dos Castelos e Aldeias Históricas da Serra da Estrela contempla locais como Alfaiates e Sortelha (Sabugal), Belmonte, Castelo Bom e Castelo Mendo (Almeida), Castelo Novo (Fundão), Castelo Rodrigo (Figueira Castelo Rodrigo), Casteição, Longroiva, Marialva e Ranhados (Mêda), Fortaleza de Almeida, Linhares da Beira (Celorico da Beira), Pinhel e Trancoso.

BELMONTE VILA MEDIEVAL

Pelas ruas de Belmonte e nas fachadas das suas casas descubra a história dos últimos judeus secretos sefarditas e encante-se pelo local que acolhe a última comunidade Cripto-Judaica da Península Ibérica.
O Castelo de Belmonte, do qual resta a Torre de Menagem e um largo que permite descer por calçada romana em direção à antiga judiaria, é o ponto de partida perfeito para descobrir esta Aldeia Histórica, tão rica de influências externas. Espreite pela janela manuelina do Monte da Esperança, onde está situado o Castelo, e admire a localização privilegiada, com vista para a Cova da Beira e Serra da Estrela.

As 12 Aldeias Históricas de Portugal são: Almeida, Belmonte, Castelo Mendo, Castelo Novo, Castelo RodrigoIdanha-a-Velha, Linhares da Beira, MarialvaMonsanto, Piódão, Sortelha e Trancoso. Das 12, conseguimos conhecer sete, para isso fizemos dois pernoites em Guarda e mais dois pernoites em Monsanto.

ROTA DA CASTANHA NAS ALDEIAS HISTÓRICAS E SERRA DA ESTRELA

O outono vai instalar-se e trazer consigo um dos frutos mais apetecidos do ano, a Castanha.
Venha conhecer e passear numa das mais importantes e tradicionais regiões de cultivo e apanha da Castanha, por entre as encostas magníficas da Serra da Estrela, deixe-se levar pelos encantos dos Soitos bem no coração da Serra da Estrela.
Aqui poderá contatar diretamente com os produtores e ficar a conhecer as suas lendas e histórias de gerações que marcaram as tradições e a cultura destas Terras.

QUINTA TEMÁTICA...ROTA DO QUEIJO DA SERRA

Entrada e visita guiada ao Museu do Queijo, com degustação de vários queijos, pão e vinho da região.
Visita a uma Quinta, onde podemos ter contato com o rebanho de ovelhas e com o pastor. 
Apresentação da quinta pelo pastor e das raças de ovelhas autóctones da Serra da Estrela, conheça ainda as histórias que fazem parte desta Quinta que já pertencia aos bisavôs do pastor, é uma história com mais de 100 anos.

Turismo em Portugal

Explora restaurantes museus hoteis e muito mais em Portugal