A experiência de conduzir nesta estrada é realmente única e vale a pena incluí-la no roteiro de qualquer viagem pelo norte de Portugal. As margens do rio Douro estão repletas de cultura, de história e de beleza natural.

AS ORIGENS DO VINHO DO PORTO




Ao longo do percurso pela nacional 222 as margens do Rio Douro albergam vestígios visíveis de lagares e adegas que datam do século I d.C. O trajeto pela nacional 222 respira história, sangue e amor pela terra e pelo seu néctar sagrado a cada quilómetr

Após disputas políticas entre França e Inglaterra, em 1756 foi fundada a Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro para garantir a qualidade dos vinhos resguardando a reputação do Vinho do Porto que se tornou um património único no país.






ROTAS DE VISITA

A nacional 222 é ladeada pela zona vinhateira, ou seja, pelas quintas produtoras dos vinhos do Porto. A região do Douro tem duas rotas que pode visitar: a Rota do Vinho do Porto e a Rota dos Vinhos de Cister.

Na Rota do Vinho do Porto, a maioria das quintas do Douro mostram como se faz a vindima e a confeção do vinho. Nestas quintas, se assim quiser, é possível participar no processo de produção de vinho.

Na Rota dos Vinhos de Cister descobrirá que a vitivinicultura desta região remonta aos tempos dos monges de Cister, que além de impulsionarem o cultivo das vinhas, também construíram um belo e vasto património religioso.

O VINHO E O ENOTURISMO

O enoturismo é uma das atividades económicas mais importantes desta região e tem uma oferta bastante variada para os adeptos desta modalidade de turismo.

A cada ano que passa o número de turistas que se dirigem às quintas para participarem nas vindimas e poderem estar presentes nas tradicionais lagaradas aumenta.

Durante o período da vindima, é possível pernoitar nas próprias quintas, ou em locais próximos, e provar o melhor da gastronomia local, acompanhadas, claro, pelo vinho da região.

Este é também um destino romântico, toda a região é de  uma beleza estonteante e o Rio Douro, serpenteando por entre os vales, torna o cenário apaixonante para desfrutar com a sua cara metade.

UM POEMA EM FORMA DE VINHA

A paisagem que ladeia a nacional 222 é marcada pelos socalcos que moldam a face dos montes. As águas espelham as vinhas imensas que mudam de cor a cada estação. As tonalidades das folhas vão do verde aos castanhos dourados até aos tons vermelhos.

As suas encostas em socalco resultam do trabalho árduo ao longo de séculos, partindo-se o xisto com o qual se construíram terraços e muros. O resultado é, como diria Miguel Torga, um poema geológico.

PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE

Um pouco por todo o percurso da nacional 222 encontrará pequenos recantos onde pode estacionar e simplesmente desfrutar do cenário idilíco que o Rio Douro e as suas margens proporcionam.

A atribuição do título de Património da Humanidade, em 2001, teve em consideração alguns fatores como o Douro ser uma região vinícola de longa tradição na produção do vinho e a alteração paisagística pela mão humana de uma terra geograficamente estéril, através de metodologias tradicionais para a tornar naquilo que hoje vemos, uma paisagem de beleza inigualável.