Os 10 melhores pontos turisticos e passeios em Guimarães


Paço dos Duques de Bragança (Guimarães)





O Paço dos Duques de Bragança (tipicamente designado de apenas Paço dos Duques) foi construí­do no século XV, em Guimarães, por D. Afonso, 1.º duque de Bragança para a sua amante. Quando estivesse o rei com esta, já tinha uma residência luxuosa para os dois. O estilo borgonhês deste palácio reflecte os seus gostos, adquiridos nas viagens pela Europa, ainda que o aspecto actual tenha sido recriado, de forma polémica, durante o Estado Novo.

Majestosa casa senhorial do século XV, mandada edificar por D. Afonso - futuro Duque de Bragança, filho bastardo do Rei D. João I - a qual lhe serviu de residência e à sua segunda mulher, D.Constança de Noronha. Palácio de vastas dimensões, com características arquitectónicas de casa fortificada, coberturas de fortes vertentes e inúmeras chaminés cilíndricas que denotam a influência da arquitectura senhorial da Europa Setentrional, trata-se de um exemplar único na Península Ibérica.



GASTRONOMIA EM GUIMARÃES





Para almoçar ou jantar, o turista pode optar pelos inúmeros restaurantes típicos localizados no centro histórico ou pelos novos projetos de cozinha de autor que nasceram na cidade. Ambos trabalham a cozinha tradicional, convencendo os paladares mais exigentes. Para beber, peça um bom vinho verde da região. Diferente de outros vinhos, o vinho verde tem um teor alcoólico menor, sendo único no mundo, pois só é produzido na região Minho, onde se encontra Guimarães. Ah! E não deixe de procurar um bom pastel de nata (é assim que os famosos pastéis de Belém são conhecidos no Norte de Portugal…).



Castelo e muralhas de Guimarães





Terminamos o nosso tour pelo distrito de Braga pelo essencial de Guimarães.Como já dissemos noutro local deste blogue, Guimarães ocupa um lugar de destaque na origem de Portugal porque foi aqui - em 1111 - que foi o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques. Nas suas proximidades tinha em 1128 a Batalha de S. Mamede onde D. Afonso derrotou as tropas leoneses lideradas pela sua mãe, Dña Teresa, e o conde galego Fernão Peres de Trava, que procurou controlar o condado de Portulalense. 

Esta vitória permitiu abrir o processo conducente à criação do Reino de Portugal, geralmente datada de 1143, quando o Tratado de Zamora entre D. Afonso Henriques e seu primo, Afonso VII de Leão e Castela foi assinado. Foi em 1179 quando D. Afonso foi coroado como o primeiro rei da nacionalidade nascente. É por isso que a cidade é conhecida como "Berço da Nacionalidade", como mostra com orgulho a grande placa colocada na Torre de Alfândega "Aquí nasceu Portugal".

 

Mas as origens de Guimarães são anteriores. É necessário voltar ao século X, quando a população recebeu o nome de Vimaranes, pertencente ao reino de León. É neste século -around 950- quando a Condessa Mumadona Dias ordenou a construção de um mosteiro e depois, na segunda metade do século, um castelo, a fim de defender a população e centro religioso. Ambos se tornam os pólos de povoamento da população de Vimaranes .

Embora a expansão urbana tenha significado a destruição das muralhas medievais no final do século XIX, o tratamento respeitoso e ordenado das transformações realizadas permitiu a perfeita preservação do Centro Histórico, que juntamente com seu papel fundamental na história do país e sua ampla e variada Representação arquitetônica levou a UNESCO a declarar este centro histórico Patrimônio da Humanidade em 2001.



CENTRO HISTÓRICO DE GUIMARÃES





Classificado pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade, o centro histórico é a alma de Guimarães. Moradores, estudantes da Universidade do Minho e turistas enchem bares e restaurantes e fazem noites bem animadas, em especial nos finais de semana.

Os bares são bem pequenos, por ocuparem imóveis muito antigos, mas a galera se diverte ao ar livre nas ruas estreitas, dando às noites de Guimarães um encanto muito especial. Tomar um café nas esplanadas do centro histórico ou experimentar a gastronomia minhota entre rochas graníticas que já viram desfilar soldados castelhanos, lusos e espanhóis, tem um sentimento especial.

É impossível esquecer o peso da História quando se visita um cenário destes.



Igreja de Nossa Senhora da Oliveira (Guimarães)





A Igreja de Nossa Senhora da Oliveira, também referida como Insigne e Real Colegiada de NossaSenhora da Oliveira, localiza-se na freguesia de Oliveira do Castelo, no Centro Histórico de Guimarães, no distrito de Braga, em Portugal. É um dos mais significativos exemplares de arquitectura gótica no norte do paí­s.

As origens da Insigne e Real Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira remontam ao mosteiro dedicado ao Salvador do Mundo, à Virgem de Santa Maria e aos Santos Apóstolos, fundado pela condessa Mumadona Dias, cerca de 950. A invocação de Nossa Senhora da Oliveira prevalece após 1342, com o reverdecimento de uma oliveira na praça fronteira.



Museu da Cultura Castreja





O Museu da Cultura Castreja está instalado no Solar da Ponte, propriedade da Sociedade Martins Sarmento, construção do séc. XVIII/XIX com um belo Parque, foi residência da família de Francisco Martins Sarmento. Este colocou a sua inteligência ao serviço da sua curiosidade ilimitada e tornou-se um respeitado investigador de nível europeu. 

O Museu da Cultura Castreja é o primeiro espaço dedicado à cultura castreja, cultura autóctone que apenas existe no noroeste peninsular e é a matriz cultural desta faixa atlântica da Península Ibérica. O Museu evidencia a importância daquela cultura, constituindo, também, o justo preito de homenagem ao Sábio que a libertou do manto de encantamento com que as mouras a esconderam durante séculos.



Castelo de Guimarães





O Castelo de Guimarães localiza-se na freguesia de Oliveira do Castelo, cidade e concelho de Guimarães, no distrito de Braga, em Portugal.

Classificado como Monumento Nacional, em 2007 foi eleito informalmente como uma das Sete maravilhas de Portugal.

No século X a Condessa Mumadona Dias, após ter ficado viúva, manda construir na sua herdade de Vimaranes - hoje Guimarães - um Mosteiro. Os constantes ataques por parte dos mouros e normandos leva à necessidade de construir uma fortaleza para guarda e defesa dos monges e da comunidade cristã que viviam em seu redor. Surge assim o primitivo Castelo de Guimarães.

No século XII, com a formação do Condado Portucalense, vêm viver para Guimarães o Conde D.Henrique e D.Teresa que mandam realizar grandes obras no Castelo de forma a ampliá-lo e torná-lo mais forte. Diz a tradição que teria sido no interior do Castelo que os condes fixaram residência e provavelmente aí teria nascido D. Afonso Henriques. Entre os séculos XIII e XV vários reis irão contribuir com obras de melhoramento e restauro do Castelo. 



Igreja Matriz de São Martinho de Candoso





Igreja Matriz de São Martinho de Candoso localiza-se em São Martinho de Candoso, concelho de Guimarães, Portugal. Constitui-se em um dos 203 edifí­cios românicos que existem por todo o paí­s.

Nos arredores de Guimarães, desfrutando de uma ampla panorâmica sobre a cidade e sobre a Penha, a pequena capela de São Martinho de Candoso evoca, ainda, a antiguidade da população que serve, por entre as múltiplas transformações por que passou.Na origem, este era o templo da freguesia medieval e rural de Candoso, uma das muitas que povoavam o Entre-Douro-e-Minho nos primeiros tempos da nacionalidade.

A sua organização e volumetria gerais resultam dessa primitiva construção, com uma nave única relativamente pequena e uma capela-mor quadrangular, paredes espessas com poucas e discretas janelas-frestas a filtrar luz para o interior, e um aspecto compacto e rude da construção, onde se destaca a utilização de modilhões vincadamente românicos a suportar a cornija que antecede o telhado. Paralelamente, a existência de frestas de duplo arco de volta perfeita e do arco-triunfal, escassamente decorado com motivos geométricos, atestam a cronologia românica do edifício, erguido já numa fase tardia, muito possivelmente no decorrer do século XIII.



PRAÇA DE SANTIAGO GUIMARÃES





Guimarães é uma cidade linda, aconchegante e de grande valor histórico. Tem tudo muito conservado e limpo. Tudo muito humano e prazeroso.

Uma cidade com um centro histórico intimista, com casinhas coladas umas nas outras, circundando uma praça central, como acontece na Praça de Santiago, com janelas e varandas cheias de flores coloridas, mas também com bares, restaurantes e esplanadas – para comer e beber em tranquilidade com amigos, familiares ou companheiros de viagem.



TELEFÉRICO DA PENHA GUIMARÃES





O teleférico, ou bondinho, como dizemos no Brasil, faz a ligação de 1.700 metros entre a cidade de Guimarães e o alto da montanha da Penha, com seus belíssimos espaços verdes, seu espaço de acampamento e sua poderosa igreja em granito, em honra de Nossa Senhora do Carmo da Penha. A viagem é rápida e proporciona a visão de lindas paisagens ao redor da cidade de Guimarães.



  • Os 10 melhores pontos turisticos e passeios em Guimarães