Os 18 melhores pontos turisticos para conhecer e visitar em Lisboa


Alfama o bairro mais típico da Cidade de Lisboa





Pelas ruas íngremes e estreitas de Alfama e vislumbre o lado mais tradicional de Lisboa antes que ele também seja gentrificado. Linger em um café backstreet ao longo do caminho e experimentar alguns bonhomie local sem o brilho turístico.

Já no século 5, Alfama era habitada pelos visigodos, e remanescentes de uma muralha visigótica permanecem. Mas foram os mouros que deram ao bairro sua forma e atmosfera. Na época dos mouros, esta era uma área residencial de classe alta. Depois que os terremotos derrubaram muitas de suas mansões (e igrejas pós-mouriscas), ele voltou a ser um bairro de trabalhadores e pescadores. Foi um dos poucos distritos a enfrentar o terremoto de 1755.

Com ruas estreitas de casas residenciais e mercearias, tem uma atmosfera distinta de aldeia; Você pode rapidamente se sentir como um intruso se você tomar um caminho errado no quintal de alguém. De manhã cedo é a melhor hora para assistir a uma cena mais tradicional, quando as mulheres vendem peixe fresco em suas portas. Para um verdadeiro clima de desordem, visite durante as Festas dos Santos Populares em junho.





Pasteis de Belém





Pode encontrar deliciosas versões de pastel de nata , confecção exclusiva de Portugal, em toda a cidade de Lisboa. Mas nenhuma destas tortas de ovos com pó de canela é tão arraigada na história portuguesa como as servidas nesta instituição dos Pasteis de Belém. A loja, originalmente parte de uma refinaria de açúcar, produz esta receita proprietária - uma antiga adotada por monges do Mosteiro dos Jerônimos adjacente - desde 1837. Compre um pacote de seis e reserve tempo para apreciá-los dentro do azul retrô - sala de azulejos brancos Bebericar um café enquanto assiste aos visitantes excitados dando sua primeira mordida é em si uma atração de Lisboa.



Teatro Nacional D. Maria II Lisboa





Teatro Nacional D. Maria II (TNDM II) é um teatro de Portugal localizado na Praça de D. Pedro IV em Lisboa.

O Teatro Nacional abriu as suas portas a 13 de Abril de 1846, durante as comemorações do 27.º aniversário de D. Maria II (1819-1853), passando por isso a exibir o seu nome na designação oficial. Na inauguração, foi apresentado o drama histórico em cinco actos O Magriço e os Doze de Inglaterra, original de Jacinto Heliodoro de Aguiar Loureiro.

Mas a história do Teatro Nacional D. Maria II, começou dez anos antes da sua inauguração. Na sequência da revolução de 9 de Setembro de 1836, Passos Manuel assume a direcção do Governo e uma das medidas que tomou nesse mesmo ano foi encarregar, por portaria régia, o escritor e polí­tico Almeida Garrett de pensar o teatro português em termos globais e incumbi-lo de apresentar

O Teatro Nacional abriu as suas portas a 13 de abril de 1846, durante as comemorações do 27.º aniversário da rainha Maria II (1819-1853), passando por isso a exibir o seu nome na designação oficial. Na inauguração, foi apresentado o drama histórico em cinco atos O Magriço e os Doze de Inglaterra, original de Jacinto Aguiar de Loureiro. Mas a história do Teatro Nacional D. Maria II começa dez anos antes da sua inauguração.   Na sequência da revolução de 9 de setembro de 1836, Passos Manuel assume a direção do Governo e uma das medidas que tomou nesse mesmo ano foi encarregar, por portaria régia, o escritor e político Almeida Garrett de pensar o Teatro português em termos globais e incumbi-lo de apresentar "sem perda de tempo, um plano para a fundação e organização de um teatro nacional, o qual, sendo uma escola de bom gosto, contribua para a civilização e aperfeiçoamento moral da nação portuguesa”.   Por esse mesmo decreto, Almeida Garrett ficou encarregue de criar a Inspeção-Geral dos Teatros e Espetáculos Nacionais e o Conservatório Geral de Arte Dramática, instituir prémios de dramaturgia, regular direitos autorais e edificar um Teatro Nacional "em que decentemente se pudessem representar os dramas nacionais".  

Basí­lica da Estrela em Lisboa





A Basí­lica da Estrela é um templo católico e antigo convento de freiras carmelitas localizado na cidade de Lisboa, em Portugal. Esta vasta igreja, encimada por uma cúpula, ergue-se no alto de uma colina na zona oeste da cidade, sendo um dos marcos da zona da Lapa (Paróquia de Nossa Senhora da Lapa à Estrela, ou simplesmente Paróquia da Lapa), e dá nome à freguesia homónima.

Classificada como Monumento Nacional é, também conhecida por Basílica do Sagrado Coração de Jesus. Mandada erguer por D. Maria I, como cumprimento de um voto que fizera pelo nascimento de D. José, a obra foi iniciada em 1779 e concluída em 1789. Com projecto da autoria dos arq. Mateus Vicente e Reinaldo dos Santos foi concebida numa linguagem tardo-barroca, numa época em que vigorava o estilo neoclássico, sendo a estatuária atribuída à oficina de Machado de Castro. 



Elevador de Santa Justa - fica no centro da Cidade





Elevando-se um tanto estranhamente entre o movimentado bairro da Baixa, o Elevador de Santa Justa é um elevador neo-gótico que tem mais de um século de existência e que costumava ser movido a vapor. 

O objetivo é mais do que apenas absorver um panorama, mas sim servir de transporte público para os que chegam ao Bairro Alto sem subir o morro. Quando vier a Lisboa, não perca esta experiência exclusiva de elevador e desfrute da maravilhosa vista sobre o horizonte da cidade!



Museu da Presidência da República Lisboa Belém





O Museu da Presidência da República é um museu presidencial localizado no Palácio de Belém, em Lisboa, Portugal.

O Palácio Nacional de Belém alberga, desde outubro de 2004, o Museu da Presidência da República, instalado nas antigas cocheiras do palácio. Este museu pretende ser um testemunho da vida e da obra dos vários presidentes da República Portuguesa e resulta de uma pesquisa e recolha exaustiva, ordenada pelo Dr. Jorge Sampaio. Pretende assim ilustrar o percurso de mais de 90 anos de regime republicano em Portugal, num esforço de aproximação e de esclarecimento do público.

O espaço museológico está organizado segundo uma lógica temática e cronológica, com recurso frequente às novas tecnologias da informação para criar um local em que a interatividade seja meio especial de diálogo entre o espólio e o utilizador. A exposição permanente, por exemplo, articula-se à volta de sete núcleos principais: República e Símbolos Nacionais (relacionado com a implantação deste regime em Portugal), República e seus Presidentes, Presentes de Estado, Os Presidentes da República (que inclui para além dos quadros a óleo de cada um dos 17 Chefes de Estado, objetos pessoais e vário acervo documental, político e biográfico de cada um deles), Palácio de Belém (visita virtual ao interior e jardins do palácio), Ordens Honoríficas e Poderes do Presidente, uma sala com pontos informáticos, onde o visitante pode aceder a informação relacionada com a presidência da república, em vários registos de linguagem e níveis de informação (do básico ao especializado).

O museu prima também pela oferta de uma extensa e importante programação cultural, em que se apresenta um misto de iniciativas culturais e atividades lúdicas, dirigidas a públicos com características diferentes, que vão dos ciclos de conferências aos cursos e até a uma aula virtual, a que é possível aceder através do website do museu. O museu da presidência da República possui um espaço para exposições temporárias, loja, auditório, cafetaria e esplanada.



Mosteiro dos Jerónimos - Memorial da Era dos Descobrimentos





O Mosteiro dos Jerónimos foi construído em homenagem à viagem histórica de Vasco de Gama à Índia, e é agora aclamado como Património Mundial da UNESCO. Neste requintado monumento à Era Dourada dos Descobrimentos, desfrutará de uma admirável arquitectura manuelina portuguesa e da Capela de São Jerónimo, onde poderá encontrar os túmulos de Vasco da Gama e outras figuras históricas portuguesas.



Passeio de Eléctrico 28





Cada guia sobre o que fazer em Lisboa incluirá o passeio de electrico 28, uma famosa rota do electrico 28 que leva os visitantes através da área de Alfama como uma das principais atrações turísticas de Lisboa. Isto é ideal porque Lisboa é cheia de colinas para que possa ver tudo sem ter que se esforçar! Tenha em mente que o electrico 28 é, na verdade, o transporte local para os moradores locais, por isso não o agrade é como uma atração turística



Museu de São Roque ou Museu de Arte Sacra de São Roque em Lisboa





O Museu de São Roque, também chamado de Museu de Arte Sacra de São Roque, está anexado à igreja de São Roque, em Lisboa, e possui uma colecção de arte sacra, do espólio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

O museu foi inaugurado com uma apresentação pública do acervo artí­stico da Santa Casa, e que teve lugar no ano de 1898, ano em que se comemorava, em Lisboa, a chegada de Vasco da Gama à u00cdndia e o 400.º aniversário da instituição. Nesta ocasião foram apenas apresentadas as alfaias e paramentos do tesouro da Capela de São João Batista, encomendada por D. João V a Roma para a Igreja de São Roque.

Mais tarde, a Santa Casa procede à preparação de uma exposição permanente não só do tesouro da capela, mas também das obras mais relevantes, do património artí­stico da instituição. Para tal, foram escolhidas algumas salas da antiga casa professa da Companhia de Jesus, dependências que, anexas ao templo, eram desde 1783 o local onde se procedia a extracção da Lotaria Nacional. Era este o aspecto do Museu de São Roque na época da sua primeira abertura, em 1905.

Objecto de sucessivas reformas até à década de 1960, em que inicia um processo de remodelação e valorização das suas colecções, do qual resulta a reabertura ao público em 1968.

Desde que foi fundada em 1498, a Misericórdia de Lisboa reuniu um vasto património histórico, artístico e documental, do qual se destacam os acervos do Museu e da Igreja de São Roque, classificada como Monumento Nacional em 1910.O Museu de São Roque é um dos mais importantes símbolos do seu património cultural, possuindo uma invejável coleção de arte sacra portuguesa.



Museu Nacional dos Coches Lisboa Belém





O Museu Nacional dos Coches possui a mais importante coleção, a ní­vel mundial, decoches e carruagens reais do século XVI ao século XIX.

O museu foi criado, em 1905, no antigo Picadeiro do Palácio Real de Belém, em Lisboa e é hoje constituí­do por dois edifí­cios: o antigo Picadeiro do Palácio de Belém (Praça Afonso de Albuquerque) e o novo edifí­cio, em frente (Av. da u00cdndia), inaugurado em 2015.

Reúne uma coleção única no mundo, de cerca de 9 000 objetos, que inclui predominantemente viaturas de gala ou de aparato, algumas de viagem e de passeio, dos séculos XVI a XIX, e acessórios de cavalaria.

Tem sido o museu nacional mais visitado de Portugal, com 332.106 visitantes em 2017.

O novo edifí­cio, que guarda a maior parte das coleções, é um projeto de Paulo Mendes da Rocha (prémio Pritzker 2006) em consórcio com o atelier Ricardo Bak Gordon e Engenheiro Rui Furtado.

Situado próximo do rio Tejo, na zona ocidental de Lisboa, o Museu Nacional dos Coches ocupa uma área onde estavam localizadas as antigas Oficinas Gerais do Exército. O Picadeiro Real, edifício que fazia parte do Palácio Real de Belém, hoje a residência oficial do Presidente da República, mantém-se visitável como núcleo expositivo do Museu.

 

Dentro dos museus, tem à sua disposição 7 écrans interativos, 11 écrans passivos e 2 grandes projeções que completam a informação sobre a coleção. Para enriquecer a sua visita, adquira o Guia do Museu Nacional dos Coches, com informações sobre toda a coleção, e complemente-o com a App que permite ver o interior das viaturas e revela também algumas curiosidades. 

museu dos coches



Casa Museu Rafael Bordalo Pinheiro





O Museu Bordalo Pinheiro tem como missão preservar, estudar, documentar e divulgar a obra de Rafael Bordalo Pinheiro. Nascido em 1916, fruto da visão e do empenho do colecionador Ernesto Cruz Magalhães, o Museu assegura o acesso à obra do artista, oferecendo uma programação regular de exposições e atividades diversificadas.



Museu do Palácio Nacional da Ajuda local de visita obrigatória em Lisboa





O Museu do Palácio Nacional da Ajuda ocupa as Alas Nascente e Sul do Palácio Nacional da Ajuda.

A construção do presente edifí­cio do Palácio da Ajuda, iniciou-se em 1802 com a introdução da estética neo-clássica, e as novas concepções dos arquitectos, Francisco Xavier Fabri e José da Costa e Silva. O Palácio Nacional da Ajuda foi habitado de forma descontinuada, até que D. Luí­s I lá se instalou definitivamente. Deve-se à sua mulher, D. Maria Pia de Saboia, a requalificação estética de todo o Paço. Foi contratado Joaquim Possidónio Narciso da Silva, que projectou novos espaços exóticos e outros mais funcionais. Após a implantação da República, o Palácio foi encerrado. E parcialmente transformado em Museu em 1968.

As colecções de artes decorativas, datadas do Século XV ao Século XX, provêm do antigo acervo dos Paços Reais da Ajuda. Os objectos decorativos e utilitários existentes, recriam ambientes oitocentistas, pelas cerca de 32 salas do Museu.

Enquanto que podemos contemplar no andar térreo os espaços onde se desenrolava o quotidiano da famí­lia real através de uma visita í s diversas salas como a da musica, a sala Azul, o jardim de inverno, o quarto do rei D. Luis, a sala Rosa, bem como o quarto de cama da Rainha, o toilette, a Sala de jantar da Rainha e a capela privada da rainha D. Maria Pia, aberta ao público em Abril de 2014 após grande campanha de restauro.

Por outro lado, no Andar Nobre, é possí­vel contemplar os espaços que eram utilizados para as cerimonias oficiais nos últimos tempos da Casa de Bragança e, entrando pela salinha chinesa, é possí­vel percorrer os espaços que a nobreza do séc XIX fazia para chegar junto dos Reis na sala do Trono. Passa-se assim pela Antiga Sala de Bilhar, desta para a sala do retrato de rainha, onde figura a Rainha D. Maria Pia com 33 anos e pintada por Carolus Duran. De seguida temos uma salinha verde, a sala das senhoras do corpo diplomático e a sala do corpo diplomático. Passando pela Antecâmara, chegamos à majestosa sala do trono que é perpendicular à sala D. João VI (antiga sala de baile), à sala D. João IV e à sala dos archeiros. Destaca-se ainda a sala dos jantares grandes que apresenta no tecto uma pintura, datável de 1825-1826 da autoria de José da Cunha Taborda, alegórica ao nascimento de D. João VI. Desta sala destaca-se ainda o mobiliário de 180 cadeiras, encomendadas em 1903 por ocasioão da vinda de Eduardo VII a Portugal. Ainda no andar nobre é possí­vel apreciar o ultimo quarto do rei d. Luí­s, a biblioteca bem como o seu atelier de pintura em puro estilo neogótico.

As múltiplas salas tentam seguir a reconstituição histórica conforme os últimos anos de vida do rei D. Luis e da rainha D. Maria pia e para isso é recorrida a iconografia. nomeadamente as aguarelas de Enrique Casanova, realizadas entre 1889-1892 e adquiridos em 1989 pela directora de então.

O Museu do Palácio Nacional da Ajuda, teve entre 1940 e até 1968 um perí­odo de visitas restritas tendo aberto as suas portas a 20 de Agosto de 1968.

O Palácio Nacional da Ajuda, antigo palácio real e monumento nacional, é hoje um magnífico museu e o único palácio visitável em Lisboa que ainda conserva, de um modo fidedigno, a disposição e decoração das salas ao gosto do séc. XIX, nomeadamente os aposentos dos monarcas e a sala de trono. Situado no alto da colina da Ajuda, com vista deslumbrante sobre o rio Tejo, o Palácio integra importantes coleções de artes decorativas dos séculos XVIII e XIX: ourivesaria, tapeçaria, mobiliário, vidro e cerâmica, bem como coleções de pintura, gravura, escultura e fotografia.

Edifício neoclássico da primeira metade do século XIX, foi residência oficial da família real portuguesa e de uma forma continuada a partir do reinado de D. Luís I (1861-1889) ao final da Monarquia, em 1910.Após 1862, com a rainha D. Maria Pia de Sabóia (1847-1911), o palácio ganha uma vida renovada. A disposição e decoração das salas, que ainda hoje se mantém, a cargo do arquiteto Joaquim Possidónio da Silva (1806-1896), acompanhou as normas novas de conforto e higiene características da segunda metade de oitocentos. Nasceram neste palácio os príncipes D. Carlos



Vai até á baixa beber um copo de Ginjinha





A ginjinha é um licor tipicamente português feito de uma fruta parecida com uma cereja. Um tiro geralmente custa 1 euro e também pode usá-lo com uma bolacha de cereja ou chocolate, o que torna a experiência ainda mais doce.

O bar mais popular para experimentá-lo é o A Ginjinha  [no Rossio, Largo de São Domingos 8] , mas também é muito popular nos muitos cafés da Praça da Figueira.



Museu de Lisboa - Santo António





O Museu de Lisboa - Santo António (antigo Museu Antoniano) é dedicado a Santo António de Lisboa. Foi inaugurado nos anos 80 do século XX e pretende retratar as várias formas artí­sticas que assumiu a devoção dos Lisboetas a Santo António, o santo mais popular de Lisboa, que se crê ter nascido na casa onde agora se encontra o museu.

Em exposição estão peças religiosas, iconografia (escultura, gravura, pintura e cerâmica), alfaias litúrgicas, livros, vestuário e diversos objectos relacionados com a vida de Santo António. Localizado na zona histórica da cidade, junto à Igreja de Santo António, próximo da Sé, este núcleo do Museu de Lisboa dá a conhecer a figura do Santo, enfatizando a sua relação com Lisboa, cidade onde nasceu e viveu até aos 20 anos.Inaugurado em 18 de Julho de 2014, o Museu de Lisboa – Santo António é resultante da transformação do anterior Museu Antoniano, aberto ao público em Junho de 1962, num novo espaço expositivo, ampliado e totalmente reformulado, onde são conjugadas duas tipologias de edifícios – o espaço original, que era parte integrante da Igreja de Santo António, e o novo espaço,  inserido num típico edifício de rendimento pombalino.



Encontre as melhores lembranças de Lisboa





Se parentes e amigos pediram uma lembrança e está se perguntando o que comprar em Lisboa, como as latas de sardinhas com as datas com historia desta vez leve algo diferente para eles. Na Conserveira de Lisboa,  na Baixa, a Rua dos Bacalhoeiros 34,tudo o que vendem é comida enlatada de primeira qualidade.

A loja funciona desde 1930, quando a comida enlatada era popular porque era acessível e, agora, tornou-se um alimento enlatado gourmet . Aqui você encontra as típicas sardinhas, atum e cavalas, juntamente com mousse de bacalhau e lulas recheadas e outras coisas deliciosas.



Sé de Lisboa a principal atracão turística de Alfama





A Sé de Lisboa, ou Igreja de Santa Maria Maior, localiza-se na cidade de mesmo nome, em Portugal. É a sede do Patriarcado de Lisboa e da Paróquia da Sé.

Uma construção austera românica em sua fachada, a Catedral da Sé tem alguns tesouros adoráveis no seu interior.

Ela remonta a 1150 e foi construída em tal solidez para repelir os ataques dos mouros, mas não resistiu bem aos terremotos em 1344 e 1755, e a catedral que vemos atuamente foi bastante restaurada. No seu interior encontrará a fonte onde Santo Antônio de Pádua teria sido batizado, em 1195, e uma capela do século 14, por Bartholomeu Joanes.

 



Perder-se em Alfama o melhor da cidade de Lisboa





O bairro mais antigo de Lisboa, Alfama , é um para se perder! Passeie pelos impressionantes edifícios altos e ruas estreitas, parando para um café ou porto para recarregar as baterias.

Estas estradas levam-no desde o Castelo de São Jorge até ao Rio Tejo, olhando os bonitos edifícios de azulejos ao longo do caminho.

Só posso comparar Alfama ao labirinto que é  a Cidade Velha de Edimburgo, mas numa escala muito maior (ou mais estreita?). Esta área é uma das mais populares atracções turísticas de Lisboa e apresenta muitas rotas de visitas guiadas.



Torre de Belém - Um Tributo à Era do Descobrimento





Um monumento emblemático de Lisboa a não perder é a deslumbrante Torre de Belém, o marco do bairro de Belém, que pode ser desfrutado juntando-se a um dos passeios a pé . Construído no século XVI como uma fortaleza para proteger o porto de Lisboa, o edifício manuelino serve agora como um monumento àquele prima da história e é intitulado como Património Mundial da UNESCO. É o lugar que encabeça a lista imperdível de todos os turistas de Lisboa.



  • Os 18 melhores pontos turisticos para conhecer e visitar em Lisboa


Outros Artigos Populares no Blogue