Posto de palco transatlântico desde a Era dos Descobrimentos, a Horta é uma cidade marítima na costa leste do Faial, nos Açores. O porto natural tem uma das marinas mais movimentadas do mundo, e cada capitão para atracar aqui pinta uma mensagem no píer. Isso deixou um grande mosaico colorido ao lado da água.

Não faz muito tempo, a Horta era um paraíso para os navios baleeiros e hoje partimos para maravilhar-nos com as baleias no seu habitat, em vez de caçá-las. A ilha do Faial é pequena e pode ser percorrida em meia hora. Se você alugar um carro, poderá fazer viagens a um estratovulcão gigante e a uma península inteira nascida depois de uma erupção na década de 1950.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer na Horta :

1. Marina da Horta

 

Iates e pequenas embarcações que navegam pelo Atlântico chamam o porto da Horta desde que os Açores foram descobertos.

Em 1986, esta foi modernizada como uma marina com 300 ancoradouros, todos completamente fora do vento.

De acordo com algumas fontes, é a quarta marina mais visitada do mundo, e é um porto de escala ou destino final para uma série de corridas como Les Sables-Les Açores-Les Sables e ARC Europe.

E se você precisar de provas da clientela internacional da marina, basta olhar para os molhes e o paredão, repletos de mensagens coloridas deixadas pelos muitos iatistas ao longo dos anos.

2. Museu da Horta

Num antigo colégio dos jesuítas, este museu perto da marina é um repositório do património artístico e dos negócios antigos do Faial.

Você vai se familiarizar com o know-how ancestral que vai para a cerâmica, a lã e a confecção de roupas da ilha.

Há exposições atraentes dedicadas às estações telegráficas que abriram as comunicações transatlânticas nos séculos XIX e XX, além de mineralogia, geologia e arte litúrgica dos conventos do Faial.

Mas o que deve ser visto aqui é a variedade de modelos em escala, incluindo navios de caravela, meticulosamente formados a partir de miolo de figueira (miolo de figueira) e com uma curiosa qualidade lúcida.

3. Peter Café Sport

Um desses rituais a observar na marina da Horta é parar neste bar junto à água e pedir um gin tónico.

É repleto de iatistas que se divertem, e cada superfície disponível é enfeitada com flâmulas de iates e parafernália de todo o mundo.

O bar também abriga o Museu Scrimshaw, que, como o nome sugere, tem centenas de pedaços de scrimshaw (mandíbulas e dentes de baleia gravada). Esta forma de arte foi introduzida em Horta no século XIX, nos dias em que os barcos baleeiros americanos atracavam no porto.

4. Cidade Velha da Horta

Graças à sua universidade, a Horta é uma das cidades mais jovens dos Açores, que dá mais vida aos seus bares e restaurantes à noite.

A partir da orla, há ruas de paralelepípedos em uma ladeira, ladeadas por casas elegantes e fachadas imponentes de igrejas que têm vista para o oceano.

5. Miradouro de Nossa Senhora da Conceição

 
 
Em questão de minutos você pode dirigir até este miradouro ao norte da Horta.

A razão pela qual isso é tão bom é que o tempo pode mudar rapidamente na ilha, e é uma viagem para fazer quando o céu está limpo.

Quando o sol brilha, a vista de 360º está fora deste mundo, compreendendo toda a Horta e o seu porto, bem como o Monte da Guia, a Caldeira e as ilhas de São Jorge e Pico (dominadas pelo seu vulcão de 2.351 metros).

 

6. Monte da Guia

Onde quer que esteja na Horta, poderá ver o volume titânico deste cone vulcânico emergindo da água e subindo para os 145 metros.

No século 19, esta era uma estação baleeira, e alguns dos edifícios perto da água voltam àqueles tempos.

Se você estiver andando, poderá seguir um caminho que começa na borda sul da Horta e sobe a encosta através da urze e da myrica açoriana.

Isso leva você até o cume, onde você pode contemplar a cidade, a Baía de Porto Pim e os picos verdes e suaves do Faial.

7. Igreja de São Salvador

A igreja jesuíta ao lado do antigo colégio foi iniciada em 1680, numa época em que a construção de uma igreja no arquipélago não era pequena: a construção começou dois anos após a permissão para importar todo o material necessário do continente de Portugal.

O edifício ainda não havia sido concluído quando a ordem dos jesuítas foi expulsa de Portugal em 1759. Mas eles já haviam decorado a igreja antes, com radiantes madeiras douradas no altar e lindos azulejos nas paredes da nave.

Veja também a capela da Senhora da Boa Morte com suas sublimes pinturas a óleo e, no coro, a estante giratória que possui incrustações em marfim de passagens evangélicas.

8. Forte de Santa Cruz

Como porto num arquipélago remoto, Horta foi vítima de piratas, corsários e marinheiros estrangeiros.

Isso foi exacerbado pela riqueza colonial de Portugal na época, quando os navios chegavam a Horta carregados de ouro e outras riquezas do Novo Mundo.

Esta fortaleza de 1567 fazia parte de um projecto para reforçar as defesas costeiras dos Açores e tinha um plano pentagonal.

9. Caldeira

Não importa onde você esteja no Faial, há algumas coisas que você precisa fazer.

E um deles é Caldeira, a apenas 10 quilômetros da Horta.

Caldeira é o cume mais alto da ilha, com pouco mais de 1.000 metros.

O Faial deve a sua existência a este estratovulcão, que deu origem à ilha durante uma série de erupções iniciadas há 410.000 anos.

Pegue a trilha até o Cabeço Gordo no ponto mais alto do aro.

Deste ponto de vista você pode medir as verdadeiras proporções da cratera, a mais de 400 metros de profundidade da borda e 1,5 km de diâmetro.

Se não quiser sair, pode partir para a trilha que percorre o perímetro.

10. Capelinhos




Nos Capelinhos, no extremo ocidental do Faial, pode-se dizer como a actividade vulcânica continua a moldar a ilha.

Uma erupção em 1957-58 varreu aldeias e uma estação baleeira de uma só vez.

Esse evento também criou um novo promontório, que se une ao Faial por um istmo.

E para medir o poder da erupção e a quantidade de lava e cinzas expelidas, o farol aqui usado para marcar o ponto mais oriental do Faial, mas agora está a algumas centenas de metros de distância.

O centro de interpretação narra a erupção na década de 1950 e explica a ciência por trás deste evento.

 

11. Semana do Mar

Se existe a melhor altura para estar na Horta é na segunda semana de Agosto para a Semana do Mar. Este é o maior festival náutico de Portugal e tem o porto da Horta como o palco perfeito.

Durante o dia, há eventos esportivos em modalidades como natação, remo, pólo aquático, canoagem, vela e jet-ski, e em terra há mercados artesanais e gastronômicos.

Quando o sol se põe, Horta pinta a cidade de vermelho em concertos e festas, todos atingindo o clímax com uma queima de fogos sobre a marina na última noite.

12. Praia de Porto Pim

Os Açores não são muito conhecidos pelas suas praias, mas há um sonho a sul da marina, na curva oriental da antiga caldeira do Monte da Gaia.

A Praia de Porto Pim é a praia mais frequentada do Faial e tem areia mais clara que as outras devido à pedra calcária da caldeira.

A praia é uma linda baía arqueada, banhada pelo mar suave e raso exibido pelo vulcão.

As vistas das encostas verdes e da antiga estação baleeira são impressionantes.

13. Praia do Almoxarife

 

Esta praia natural do outro lado da Pont da Espalamaca, a norte da Horta.

É uma baía de areia negra, voltada para o leste, para que as ondas não sejam tão ferozes.

No verão, a praia é vigiada por salva-vidas e você precisa ficar de olho nas bandeiras para saber se pode nadar.

O resto do ano você ainda deve admirar a areia negra contrastando com o verde do promontório.

Há uma pequena cidade atrás, com um parque público e uma igreja barroca real do século XVIII.

14. Jardim Botânico do Faial

No Vale do Flamengo, a caminho da Caldeira vindo da Horta, encontra-se o jardim botânico da ilha.

O trabalho da atração é conservar as espécies nativas da ilha e destacar a diversidade de plantas endêmicas do arquipélago.

E para conseguir isso, as plantas e árvores são todas artisticamente arranjadas, em pérgulas, em pequenos buracos, canteiros, parterres, lagoas e jardins de pedras.

Apenas por introdução há loureiros, samambaias, uma diversidade de ervas e um jardim com quase 50 espécies de orquídeas.

15. Observação de Baleias e Golfinhos

Na Horta, a observação de baleias é feita de forma adequada e responsável.

Há um grupo de empresas sediadas na marina que o colocarão nas mãos de um biólogo marinho qualificado em busca de baleias e golfinhos.

O benefício disso é saber que você não irá incomodar os animais, mas aprenderá sobre o comportamento e a anatomia deles.

A temporada de pico das baleias é mais ou menos de abril a julho, quando as baleias azul, sei, e piloto migram através dessas águas.

Mas os cachalotes, outrora caçados nos Açores, estão aqui durante todo o ano, como são comuns os golfinhos bottlenose e Risso.

Entre em contato com Hortacetáceos e Naturalist - Ciência e Turismo para mais informações.