15 Melhores Coisas para fazer e visitar em Bragança


Uma bela cidade antiga em duas partes, o terreno elevado de Bragança é governado pela cidadela e castelo, enquanto nas margens do rio Fervença abaixo é a nova cidade. Verdade seja dita, a nova cidade também não é muito nova, já que a antiga catedral aqui é de 1500.

A cidadela medieval e o castelo acima estão em grande forma, com detalhes originais e um bairro adormecido de ruas de paralelepípedos defendidas pelas paredes. O campo deve figurar em seus planos, seja em uma excursão pelas aldeias de granito do Parque Natural de Montesinho ou indo para o sul até a praia com Bandeira Azul no reservatório do Azibo.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Bragança :

1. Castelo de Bragança

 

Escalada acima da cidadela de Bragança e visível por quilômetros ao redor é a fortaleza do século XV.

Este tem 17 metros de largura e 33 metros de altura, encomendado pelo rei João I e construído sobre uma fortaleza anterior do século XII.

O que é especial sobre este edifício é que ele não precisou de muita restauração, então o que você vê mudou pouco desde o século XV.

Há pequenos floreios góticos, como as janelas traceried e o brasão de armas da Casa Real de Avis, do rei João.

Você pode ver o interior visitando o Museu Militar, que visitaremos em breve, e chegar ao telhado, que tem uma vista épica da cidade e das colinas arborizadas do Parque Natural de Montesinho.

Domus Municipalis

 

Este edifício de granito pentagonal no centro da cidadela tem intrigado os historiadores há mais de um século.

Ninguém tem certeza do que foi feito ou mesmo quando foi construído.

A maioria das estimativas coloca-o nos séculos XIII ou XIV.

Pode ter sido planejado como uma cisterna ou sala de reunião pública.

De qualquer forma, continua a ser um dos únicos exemplos da arquitectura cívica românica a ser encontrada em Portugal, e você é livre para entrar e fazer a sua própria conclusão.

Uma sequência de janelas de arco semicirculares permite a entrada da luz e há um banco de pedra em torno do interior do primeiro andar.

 

3. Cidadela

 

Rodeada por muralhas ameadas e comandada pelo castelo, a cidadela medieval fica no topo de uma colina a leste da nova cidade.

Para entrar, você tem que passar por portais de pedra, e uma vez dentro das muralhas, você pode encontrar escadas para chegar às ameias, para poder manejar as defesas como um guarda medieval.

A cidadela é mais antiga que o atual castelo, datado de 1130 e com uma rede de paralelepípedos retilíneos.

É uma espécie pacífica e sonolenta de lugar com oficinas de artesanato e alguns bares e restaurantes.

Para dar uma olhada nas tradições locais, visite o Museu Ibérico da Máscara e do Traje, que tem as máscaras e trajes ritualísticos usados para festivais na região.

4. Museu do Abade de Baçal

 

Fora dos muros da cidadela, na cidade baixa, fica o antigo palácio episcopal de Bragança.

No início do século 20, o edifício foi transformado em um museu para toda a região Nordeste Trasmontano, com caches de arte, artefatos arqueológicos e moedas doadas por escritores locais e figuras militares.

Há também alguns tesouros religiosos esplêndidos como uma arca de madeira para os óleos sagrados da unção, um tríptico do martírio de Santo Inácio e várias estátuas policromáticas barrocas.

Como prova da importância de Bragança nos tempos passados, o museu possui as medidas padrão manuelinas (século XVI) para líquidos e pesos, enquanto do passado distante são machados de mão, pontas de flechas, estelas funerárias, moedas, marcos e cerâmicas.

5. Sé Velha de Bragança

 

Em 2001, Bragança ganhou uma nova catedral construída para o efeito.

Substituiu esta bonita igreja na nova cidade, que nunca teve as dimensões certas.

Mesmo assim, a antiga catedral é um monumento fantástico, construído como uma igreja conventual na década de 1560 e depois transformado em um colégio jesuíta.

Quando os jesuítas foram expulsos de Portugal no século XVIII, tornou-se a catedral.

Algumas das muitas coisas que merecem a sua atenção são o portal da Renascença, o arco triunfal com o emblema da cidade e o altar, madeira brilhante pintada de ouro de 1700.

 

6. Museu Militar De Bragança

 

Ocupando todos os quatro andares da torre de menagem, há um museu militar criado em 1929, quando o 10º Regimento de Infantaria Português foi aquartelado aqui.

Quando o exército finalmente partiu da cidadela, o museu partiu com ele, para ser reintegrado em 1983 com toda a coleção original.

Estas são armas leves como adagas, espadas, rifles e pistolas dos anos 1200 até a Primeira Guerra Mundial.

Muitas das peças mais envolventes são de campanhas africanas de Portugal no final do século XIX.

Entre eles estão os itens pessoais de Gungunhana, um rei tribal que se rebelou contra o império português e viveu seus dias no exílio nos Açores.

7. Igreja Santa Maria

 

Dentro da cidadela, junto à Domus Municipalis, encontra-se a igreja mais antiga de Bragança, embora tudo o que resta do seu edifício românico original seja o plano do piso.

O resto foi dado uma sucessão de reformas entre os anos 1500 e 1700, quando as capelas laterais renascentistas e barrocas também foram adicionados.

Antes de entrar, confira o portal barroco, que é ladeado por duas colunas salomônicas decoradas com padrões de videira.

As coisas que te atingem por dentro são o teto de abóbada de barril pintado que retrata a Assunção de Maria e o generoso altar barroco na capela principal.

8. Igreja de Castro de Avelãs

 

O mosteiro beneditino a três quilómetros do centro de Bragança foi outrora uma instituição rica e poderosa, oferecendo alojamento e local de culto para peregrinos no Caminho de Santiago.

Foi construído nos séculos XII e XIII, mas entrou em declínio nos anos 1500, depois de ter sido absorvido pela diocese de Miranda do Douro.

A característica marcante é a cabeceira românica na igreja, com suas três capelas de abside radiantes.

Eles têm três camadas de arcos cegos delgados e semicirculares, um design que não pode ser encontrado em nenhum outro lugar do país.

9. Centro de Arte Contemporânea Graça Morais

 

Aclamada pintora contemporânea, Graça Morais tem ligações estreitas com Bragança, tendo chegado à escola aqui nos anos 60.

Este museu, fundado em 2008, possui um espaço reservado para sua arte, com exposições atualizadas a cada poucos meses.

Estes correm ao lado de exposições temporárias para todos os tipos de disciplinas.

Seja você amante de arte ou não, o prédio merece alguns minutos: o centro foi obra de Eduardo Souto de Moura, que projetou um anexo moderno de um salão do século XVII que antes era ocupado pelo Banco de Portual. .

10. Centro Ciência Viva de Bragança

 

Em 2007, um moinho de água histórico e a usina hidrelétrica vizinha, no rio Fervença, foram convertidos em um centro de ciência interativo e um museu para crianças.

Os adultos ficarão impressionados com a arquitetura da moderna concha de vidro e um terraço à beira do rio com assentos de café.

As crianças podem ficar presas a alguns jogos e experiências educacionais sutilmente relacionadas com a energia eólica, o meio ambiente e a reciclagem.

As exposições na antiga Casa da Seda são sobre a produção tradicional de seda na região de Trás-os-Montes.

 

11. Parque Natural de Montesinho

 

Para deixar a civilização para trás por algumas horas você pode se aventurar neste parque natural que começa diretamente ao norte da cidade.

O parque tem apenas algumas aldeias isoladas em cerca de 74.000 hectares de picos de granito, prados verdejantes, pântanos e bosques de carvalho.

A vida selvagem é abundante nesta parte despovoada do país, e cerca de 70% de todas as espécies registradas em Portugal fazem um habitat aqui.

Isso vale para o lobo ibérico, que pode ser uma ameaça para os agricultores, que criaram o robusto cão transmontano para guardar seus rebanhos.

Caminhantes e ciclistas de montanha podem traçar os rios Sabor, Maçãs e Baceiro, passando por pontes romanas, aldeias e antigos moinhos de água que ainda estão em funcionamento.

12. Aldeia de Montesinho

 

Tecida na floresta e pastagens do parque natural é a aldeia homônima.

Montesinho é tão pitoresco quanto eles, com casas de pedra rústicas e bem cuidadas que têm telhados de ardósia e varandas de madeira.

Nas ruas de paralelepípedos você vai virar uma esquina e se deparar com vistas da montanha que tiram o fôlego.

Em uma das casas tradicionais há uma interpretação para o parque natural, revelando sua geologia e espécies nativas, bem como os comércios e costumes das pessoas que vivem aqui.

Não muito longe, há a represa hidrelétrica Serra Serrada, com 1.500 metros de extensão, e as ruínas sinistras do antigo complexo de mineração Portelo, também líder do país, também nas proximidades.

13. Rio de Onor

 

No parque natural, bem na fronteira com a Espanha, está esta aldeia de fronteira pastoral que parece um museu ao ar livre.

A configuração remota e a aspereza do ambiente local ajudaram a criar um modo distinto de fazer as coisas, descrito como uma aldeia comunitária ou aldeia comunitária.

Quase tudo o que é necessário para sobreviver, incluindo gado, fazendas, ferramentas e fornos de pão, é compartilhado pelos aldeões, e todos devem contribuir.

Além de um sistema autogovernado, o Rio de Onor chegou a desenvolver seu próprio dialeto, embora isso já esteja desaparecendo.

14. Albufeira do Azibo

 

Uma paisagem protegida foi designada em redor deste reservatório de água a uma curta distância a sul de Bragança.

A vegetação fresca ao redor fornece um habitat para águias, mergulhões, garças e cegonhas.

Há sinais de informação dizendo o que você pode ver nas trilhas ao redor da costa.

E o reservatório ficará especialmente sedutor no verão: a costa norte tem a Fraga da Pegada, uma praia que é elogiada com a Bandeira Azul todos os anos.

Se você precisar de um lugar para relaxar por algumas horas, há um restaurante com terraço ao ar livre e parquinho infantil.

15. Cozinha local

 

A comida em Bragança é simples, enche e nunca tem que ir longe à sua mesa.

Em um lugar onde os invernos podem ser amargos, a carne é um alimento básico e aparece na maioria dos pratos.

Experimente o bife à milanesa Mirandesa, que vem de gado que pastoreia nos pomares de limão, ou cabrito montsinho, que se alimenta de ervas selvagens nas colinas.

Há muitos ensopados aromáticos e aquecidos, normalmente para o jogo como o coelho, mas contendo quase tudo à mão, enquanto salsichas e carnes curadas nunca estão longe da mesa.

Um deles, o chouriço de mel é feito com mel e é frequentemente consumido como sobremesa!

  • 15 Melhores Coisas para fazer e visitar em Bragança


Outros Artigos Populares no Blogue