15 Melhores Coisas para fazer e visitar em Marinha Grande


No centro de uma plantação de pinheiros medievais, a Marinha Grande é uma cidade que cresceu em torno da Royal Glassworks de Portugal em 1700. Ele usou o excesso de resina de pinheiro e areia para a fabricação de objetos de vidro desde os anos 1700, e isso acabou evoluindo em uma indústria de plásticos que ainda é o maior empregador. Mas isso não conta a história completa, já que a costa do Atlântico também está dentro do município.

O bonito resort de São Pedro de Moel atraiu a alta crosta do século XIX, enquanto Vieira de Leiria era uma comunidade piscatória mais tradicional e ambas merecem o seu tempo. Ambos têm praias de areia que são amarradas pelas ondas do Atlântico.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer na Marinha Grande :

1. Museu de Vidro

 

A Marinha Grande e a fabricação de vidro andaram de mãos dadas durante centenas de anos.

O museu que documenta esta relação está no Palácio Stephens, um palácio neoclássico do século XVIII, a casa de Guilherme Stephens, anexado à fábrica de resina da cidade.

Ele era um empresário inglês que ganhou muito dinheiro durante a reconstrução de Portugal após o terramoto de 1755, e em 1769 assumiu as rédeas da Royal Glassworks de Portugal.

Os seus esforços transformaram a Marinha Grande num centro de excelência e lançaram as pistas para a futura indústria de moldes.

Séculos de know-how de fabricação de vidro são revelados aqui, e há também todo um espectro de objetos de vidro, desde utensílios simples a obras de arte cristalinas.

2. Praia de São Pedro de Moel

 

No município é esta praia de tirar o fôlego que faz fronteira com uma comunidade de férias bem-fazer.

Vamos nos concentrar na praia por enquanto, que é cheia de drama: além de uma pequena lacuna onde a vila se estende até a praia, a praia é cercada por falésias poderosas, enquanto ao longo da lavagem está repleta de formações rochosas.

É apenas o lugar se você preferir a costa selvagem, com ondas do Atlântico que são ótimas para bodyboarders e surfistas, mas menos adequadas para o banho.

Os panaormas finos de areia branca e de coração erguido compensam isso.

 

3. Pinhal de Leiria

 

Em todas as direcções da Marinha Grande, espalhando-se por mais de 11.000 hectares, existe uma floresta de pinheiros marítimos.

E o que é fascinante nessa floresta é que ela não é estritamente natural; foi plantada no século XIII para impedir as dunas de areia da costa de se espalharem para a terra em torno de Leiria.

A floresta era parte integrante da Era Portuguesa dos Descobrimentos, especialmente como fonte de alcatrão que manteria os famosos barcos de caravelas de Portugal à tona.

E mais tarde foi fundamental para o crescimento da Marinha Grande, fornecendo resina de pinheiro e muito combustível para a fabricação de vidro.

Agora é um país bucólico andando, espalhado com insinuações do passado como fornos de alcatrão e velhas torres de vigia.

4. São Pedro de Moel

 

Este pequeno enclave turístico junto à praia garante um parágrafo para o seu ar de luxo.

São Pedro de Moel é ainda melhor pela falta de edifícios modernos, pois a maioria das casas é de 1800, quando os ricos se dirigiam para a cidade no verão.

Um deles foi o escritor e pensador seminal, Afonso Lopes Vieira, e você pode entrar em sua casa.

No verão, há bares e restaurantes de frutos do mar, bem como uma vida noturna que é muito mais animada do que se imagina no ambiente tranquilo durante o dia.

5. vistas em torno da cidade

 

Como uma cidade com um passado industrial, a Marinha Grande tem poucos pontos de referência majestosos, mas tem muitos edifícios que contam uma história interessante.

A Casa do Vidreiro no Largo Ilídio de Carvalho é um exemplo sobrevivente de arquitectura regional, uma humilde casa térrea com um alpendre característico.

O Arquivo Municipal, a Biblioteca e a Galeria formam um conjunto central com o museu do vidro e estão em mansões pintadas.

Há também uma série de pequenos monumentos a vigiar, como o busto de Guilherme Stephens e a estátua de Orfeu de Joaquim Correia.

Veja também o farol de São Pedro de Moel nas falésias, a 55 metros acima do nível do mar e datando de 1912.

 

6. Casa-Museu Afonso Lopes Vieira

 

Afonso Lopes Vieira foi poeta e intelectual ativo nos séculos XIX e XX.

Sua família tinha uma residência em São Pedro de Moel, que mais tarde foi dada a ele como presente de casamento e era uma residência de verão favorita dele quando muitos grandes escritores e pensadores da época permaneceram como convidados.

Pouco antes de morrer, doou a propriedade à Marinha Grande, com a condição de que os móveis da sala e da varanda fossem preservados.

Se você está preso por idéias, é uma atração para se ter em mente, para admirar a bela virada do século, móveis e azulejos, mas também para estar em um lugar que acolheu algumas das grandes mentes de Portugal da época.

7. Coleção Visitável da Indústria de Moldes

 

A fábrica de resina ao lado do Palácio Stephens recebeu recentemente uma atualização, com uma nova fachada transparente.

Ele contém uma ala do Museu do Vidro, mas também uma coleção separada que formará seu próprio museu.

Trata-se da produção em massa e do negócio de fabricação de moldes que substituiu as técnicas de sopro de vidro nos anos 1930.

Você acompanhará o desenvolvimento tecnológico dessa indústria ao longo de 80 anos, auxiliado por décadas de produtos de vidro e plástico fabricados na cidade, além de fotos, material de arquivo e maquinário.

8. Museu Joaquim Correia

 

O Taibner de Morais Santos Barosa era proprietário deste edifício e participava no comércio de vidro da Marinha Grande em 1800.

É uma mansão burguesa clássica daquela era, tomando emprestado de vários estilos históricos, e com um teto de mansarda que se destaca.

Desde 1997, abriga uma exposição para o escultor do século XX, Joaquim Correia, um dos filhos mais famosos da Marinha Grande.

Ele nasceu em uma família de fabricantes de vidro e se tornou um membro importante da segunda geração do modernismo português, com obras em museus e espaços públicos em todo o país.

Alguns de seus enormes trabalhos estão expostos aqui, e em 2010 um novo pavilhão foi adicionado para mostrar suas esculturas maiores.

9. Praia das Pedras Negras

 

pode ver porque o Pinhal de Leiria foi plantado quando você segue para o norte de São Pedro de Moel.

Depois do farol, a costa se achata e as praias são percorridas por dunas a quilômetros de distância.

Se você gosta de geologia, pode ficar intrigado com o ambiente em mudança nessa praia; ao sul, há afloramentos escuros de mármore que foram extraídos para seu gesso no século XX.

Essas rochas são as mais antigas da região, com mais de 245 milhões de anos.

Quanto à praia, é uma faixa larga de areia em frente ao Atlântico e apoiada por essa plantação histórica de pinheiros.

 

10. Vieira de Leiria

 

Esta cidade também está dentro do município da Marinha Grande, e fica a quatro quilômetros da costa, na margem esquerda do rio Lis.

Uma comunidade de construtores navais e fabricantes de vidro cresceu em torno do Lis depois de ter sido navegável em 1800, enquanto os pescadores criaram uma vida perigosa na costa por centenas de anos.

Basta passear pelo enclave costeiro de Vieira de Leiria e ver alguns barcos tradicionais em meia-lua em forma de meia-lua que seriam lançados contra a rebentação na praia principal, e as casas tradicionais, pintadas de listras coloridas, são muito atraentes.

A praia é tão convidativa como qualquer outra na área, e é limitada a norte pela Lis e a sul pela cúspide setentrional do Pinhal de Leiria.

 

11. Mariparque

 

Embora as praias da Marinha Grande sejam todas espectaculares nas suas diferentes formas, nenhuma é realmente adequada para as crianças mais novas nadarem ou mesmo mergulharem nas águas rasas.

Por isso, deve também fazer com que Vieira de Leiria visite o parque aquático, que se encontra num complexo com as estâncias hoteleiras da cidade.

Há um conjunto de piscinas com águas rasas e uma escolha de três toboáguas.

As crianças também podem se inscrever para uma série de atividades como canoagem, cursos de obstáculos e "bola de aqua", onde eles podem correr na superfície da água em uma esfera transparente.

12. Leiria

 

Não mais do que 10 minutos por estrada, Leiria tem a atmosfera de uma cidade grande e passeios suficientes para mantê-lo em pé durante um dia inteiro.

Foi uma fortaleza ferozmente contestada durante a Reconquista e mudou de mãos entre os mouros e cristãos algumas vezes no século XII.

O castelo, olhando para a cidade velha a partir de seu alto poleiro, é um testemunho desse período e foi criado na década de 1130 um esforço para consolidar o poder.

Mais tarde, esta fortaleza foi uma casa para os reis Denis I, Fernando e John I, por isso tornou-se mais luxuosa com o passar do tempo.

Também não deixe de visitar a cidade antiga, visitar o MiMo (museu de imagens em movimento) e ver o que é oficialmente a mais antiga fábrica de papel de Portugal.

13. Atividades ao ar livre

 

pode agradecer aos reis medievais de Leiria por tudo o que há para fazer no campo em torno da Marinha Grande.

O Pinhal de Leiria é um ambiente fresco e perfumado para caminhadas e passeios de bicicleta, e tem alguns locais de piquenique.

Na verdade, as bicicletas têm sido o principal meio de transporte há um século, quando os fabricantes de vidro da cidade usavam duas rodas para se locomover.

Os caminhantes podem escolher entre três trilhas marcadas, uma das quais rastreia a rota de um antigo trem de mineração de estanho até São Pedro de Moel.

Surfistas e bodyboarders estarão ansiosos para testar suas habilidades contra o surf local, e há escolas para essas atividades em São Pedro de Moel e Vieira de Leiria.

14. Mosteiro da Batalha

 

Quando um local da UNESCO e um dos tesouros nacionais de Portugal estão ao alcance, não há desculpa para não fazer a viagem.

Foi mais do que um século em construção, com o trabalho começando em 1386 como um memorial para a vitória portuguesa sobre os espanhóis na Batalha de Aljubarrota no ano anterior.

Isso empresta uma mistura inebriante de arquitetura manuelina de alto gótico e do início do século XVI.

Há uma quantidade vertiginosa de se ver, desde a invulgarmente alta nave até o Claustro Real e as ornamentadas Capelas Inacabadas ligadas por um portal maravilhoso.

Os túmulos de João I e esposa Philippa de Lancaster são maravilhosos também.

Seus filhos ficaram conhecidos como a "Geração Ilustre", um dos quais era o explorador Henrique, o Navegador, também enterrado aqui.

15. Gastronomia

 

Os primeiros assentamentos na Marinha Grande estavam no litoral, e muitos dos alimentos tradicionais são frutos do mar ou peixes.

O prato de marca é provavelmente arroz de marisco, que é arroz, amêijoas, camarões e mexilhões cozidos em caldo de alho, tomate e cebola.

Outro que se originou na Praia da Vieira é o carapus aberto, cavala seca.

Isso seria aberto, lavado, salgado e deixado secar ao sol por até três dias.

Algumas pessoas comem cru, mas a alternativa é grelhar os filés, temperá-los com vinagre, pimenta e cebola e servi-los com batatas cozidas.

  • 15 Melhores Coisas para fazer e visitar em Marinha Grande


Outros Artigos Populares no Blogue