Na região Norte de Portugal, você pode começar pelos locais da UNESCO no Porto, Guimarães ou no Vale do Douro. Ou você pode escapar para o deserto intocado da Peneda-Gerês, o único parque nacional de Portugal, ou a costa do Atlântico e praia após praia de areia dourada tentadora.

E depois há o vinho, cultivado nas espectaculares vinhas em socalcos, nas margens do Douro, a leste, e do Minho, no norte. Em Porto, o espírito de uva é adicionado para fazer um vinho fortificado que é conhecido e amado em todo o mundo. E no Côa muitos milhares de anos de arte pré-histórica são gravados em rochas e apresentados como uma enorme galeria ao ar livre.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer no Norte de Portugal :

1. Porto

 

A capital do Norte tem um sutil fascínio, capturando os corações em sua área da Ribeira pela água.

Este bairro caótico e próximo está em desacordo com a cidade do século 18 gentil mais acima da colina.

Há muito para ver e fazer no Porto, mas deve sempre poupar cerca de uma hora duas para as igrejas como Santa Clara, que têm a mais luxuosa talha dourada do início do século XVIII.

O bairro da Foz do Douro é o local para jantar e ver o sol se pôr, enquanto Vila Nova de Gaia, na margem sul do rio, tem centenas de anos de know-how portuário para partilhar.

2. Braga

 

Capital da região do Minho, Braga é uma cidade universitária jovem em torno de um núcleo antigo dotado de delicada arquitectura manuelina e barroca dos séculos XVI e XVII.

Há igrejas, fontes e mansões cobertas de azulejos para conquistá-lo.

Por puro drama, nada pode superar o santuário do Bom Jesus do Monte fora da cidade.

É tão extravagante como eles vêm, com uma escadaria barroca que ziguezagueia mais de 100 metros até a colina para esta capela de peregrinação, passando por fontes na escalada de testes.

Essa escalada pode não ser a idéia de todo mundo de um dia divertido, então, felizmente, há também um funicular do século XIX para aguentar a tensão.

 

3. Guimarães

 

Quando Portugal foi recuperado dos mouros no século XII, Guimarães foi a base do poder e se tornou a capital na época.

Portanto, não é errado afirmar que Portugal nasceu nesta cidade encantadora.

As suas prioridades devem ser alguns dos monumentos que remontam a este tempo, como o castelo do século X e a igreja Igreja de Nossa Senhora da Oliveira.

O centro histórico possui muita arquitetura gótica em pequenas praças adoráveis, bem como o Palácio dos Duques de Bragança, do século XV, decorado com móveis de época e tapeçarias.

Você também pode pegar o teleférico até o topo da Montanha da Penha e fazer um piquenique sobre um panorama da cidade.

 

4. Vale do Douro

 

O vale do Douro atravessa a região de leste a oeste e chega ao Atlântico no Porto.

No leste do vale é um longo Património Mundial, e pode ser o fio verde que atravessa as suas férias na região.

Você pode estar no norte de Portugal para a história, cenário natural ou vinho, mas você pode achar que continua chegando a esses bancos.

O Parque Natural do Douro Internacional, no extremo leste da região, anuncia a chegada do rio a Portugal com canyons escarpados.

E depois, uma cena clássica na região vinícola do Alto Douro é constituída por margens verdes íngremes com videiras em terraços até à beira da água.

Isso é mágico em fevereiro ou março, quando as amendoeiras estão em flor.

 

5. Parque Arqueológico do Vale do Côa

 

Incluído no Wold Heritage do Vale do Douro, encontra-se este importante local de arte pré-histórica, descoberto durante a construção de uma barragem nos anos 90.

A partir de 24.000 anos atrás, os seres humanos gravaram imagens nas rochas, retratando pessoas e animais.

Essa atividade continuou até o século I aC, de modo que há uma cronologia quase perfeita da arte desde a pré-história até a era romana.

Existem vários passeios diferentes do parque disponíveis, mas essas imagens são melhor visualizadas quando iluminadas à noite e interpretadas por um guia.

E volte para ver o museu moderno se você não se cansar desse lugar misterioso.

 

6. Velha Viana do Castelo

 

O antigo centro desta cidade portuária é feito para ser visto em dois pés.

Você não precisa realmente de um plano; basta começar em frente à antiga prefeitura e ver onde você acaba.

Há casas manuelinas e renascentistas refinadas para virar a cabeça.

A partir da Praça da República, você encontrará uma fonte esculpida do século XVI, e o antigo prédio da prefeitura é da mesma época, feito de granito e com o brasão da cidade.

Ao lado da Santa Casa da Misericórdia é muito ricamente decorar, com uma loggia apoiada por cariátides ornately carved.

7. Fortaleza Valença

 

Separado da Espanha pela largura do rio Minho, você pode apostar que a cidade fronteiriça de Valença tem visto algumas batalhas em seu tempo.

Os muros da cidadela foram derrubados pelos bárbaros, mouros, exércitos de vários reinos espanhóis e franceses, mas foram colocados de volta após cada ataque.

As paredes no lugar agora são um sofisticado sistema de baluartes e paredes angulares dos séculos XVII e XVIII.

Além de ser muito cênica na maneira como se harmoniza com a encosta, é uma maravilha da engenharia militar que manterá os historiadores absortos.

8. Parque Nacional da Peneda-Gerês

 

A maior área protegida do país é no norte de Portugal.

E quando você entra nesta região única e em contato com a sua vida selvagem você vai entender por que ele deve ser salvaguardado como um parque nacional.

As cores suaves do granito e da vegetação são muito bonitas, em floresta de azevinho e bosques com carvalhos gigantes.

Pise tranquilamente nas caminhadas e você poderá ver corço ou seu predador natural, o lobo ibérico.

Onde quer que você vá, você verá lindos pôneis garranos, que são semi-selvagens e vão para onde quiserem no parque.

Há traços de vida humana muito mais antiga também em marcos romanos, cromeleques e menires.

9. Espigueiros de Soajo

 

Na aldeia de Soajo, dentro do limite do parque nacional, você vai encontrar essas peculiares estruturas de pedra espalhadas pela aldeia.

Há também um ponto perto da igreja onde vários estão agrupados.

Com a pedra atravessando seus telhados, eles parecem ser túmulos para gigantes.

Mas estes são na verdade velhos celeiros de milho, feitos de granito, apoiados por dez patas de pedra e com um telhado triangular.

As datas mais antigas para 1782 e todas ainda são usadas para manter o milho fresco e seco.

10. Ponte Romana de Chaves

 

Na época romana, Chaves era uma potência regional que se encontrava no ponto de encontro de três estradas vitais, ligando-se essencialmente às províncias romanas da Lusitânia e da Hispânia.

E esta ponte sobre o rio Tâmega foi datada da virada do século II durante o reinado de Trajano.

É natural que uma ponte de 140 metros com 12 arcos precisaria de alguns reparos durante os anos, mas duas colunas comemorativas da ponte original sobrevivem.

Um deles tem uma inscrição sobre a construção, descrevendo o trabalho local elaborado para a construção.

 

11. Castelo de Bragança

 

Remoto Bragança é uma cidade despretensiosa no extremo nordeste do país, mas o castelo medieval dominador despertará a imaginação de visitantes jovens e idosos.

Isto está dentro de um recinto externo maior contendo a cidadela, e todas as paredes são construídas com xisto.

Este é extraído localmente e usado para muitos edifícios na área, mas dá as antigas muralhas defensivas uma mistura incomum de cores e tons.

A caminhada da muralha é gratuita, mas você tem que pagar para entrar na fortaleza.

Isso sobe para 33 metros e foi construído no século XII.

Você tem que usar uma escada para chegar ao telhado, mas terá uma vista satisfatória do rio Fervença para fazer valer a pena.

12. O Navio Gil Eannes

 

Ancorado em Viana do Castelo é este navio que foi lançado em 1955 e tinha um propósito muito especializado.

Navegará às águas do Ártico e prestará assistência médica à grande frota de pesca de bacalhau de Portugal.

Este papel foi cumprido durante 20 anos e deveria ser desfeito, antes de ser restaurado nos estaleiros de Viana do Castelo no final dos anos 90 e aberto.

Tanto quanto qualquer coisa, vai levar para casa a perigosa vida de um trawler.

Há muitos equipamentos médicos antigos que foram salvos, incluindo uma sala de cirurgia posicionada em direção ao casco para diminuir o movimento.

13. Castelo de Santa Maria da Feira

 

Contendor do castelo mais fotogénico de Portugal, esta fortaleza de Santa Maria da Feira remonta ao século IX.

Foi diretamente na linha de frente na luta entre cristãos e muçulmanos, e foi um trampolim instrumental depois de ser arrancado do controle mouro por duas vezes no século 11.

Ao contrário de muitos outros castelos medievais, este edifício é muito mais que uma concha.

Há uma capela ao lado da barbacã que guarda a entrada, e escadarias em espiral apertadas levam ao topo da fortaleza, onde você pode ver a Feira e o oceano.

14. Praias

 

Se gosta das suas praias grandes e bonitas num estilo cinematográfico widescreen, o Norte de Portugal é o seu tipo de lugar.

Há ondas do Atlântico, enormes dunas e enormes faixas de areia dourada.

Onde quer que você esteja na costa, você não terá que dirigir muito.

Uma das escolhas é Caminha, no extremo norte, no estuário do Minho e abençoada com vista para o Monte de Santa Tecla, de 341 metros, no lado espanhol do rio.

Para a natureza irrestrita, há a Praia da Árvore mais ao sul, que corre paralela a uma reserva natural e tem areia branca granítica.

E para uma soberba praia da cidade, pode ir com calma no terraço do bar da Praia da Luz, no Porto.

15. Vinho

 

Norte de Portugal é o lugar onde os melhores vinhos do país são feitos.

Você tem que começar com o Vale do Douro: Aqui no leste há menos influência do Atlântico e o clima é mais parecido com o Mediterrâneo.

Você pode cultivar quase qualquer tipo de uva no Vale do Douro, e a região produz vinhos tintos que variam da leve à robusta, como o branco espumante branco e até o moscatel.

Bem conhecida pelos seus brancos é a região do Minho mais a norte, cultivando uvas albariño que fazem um excelente vinho para os peixes.

E, por fim, nada se compara ao porto, que é enviado do vale superior até Vila Nova de Gaia.

Aqui, junto ao Atlântico, há caves que têm trabalhado na elaboração deste vinho de sobremesa vermelho fortificado há centenas de anos.