15 Melhores Coisas para fazer no Alentejo


A enorme região do Alentejo ocupa quase todo o terço inferior de Portugal.

Esta é uma região agrícola de campos de trigo que tem alimentado o país desde a idade média.

Historicamente, o Alentejo foi a principal rota para Portugal a partir de Espanha, e as dezenas de castelos medievais dirão que a relação entre as duas nações nem sempre foi amigável.

A capital é Évora, uma cidade maravilhosa Património Mundial da UNESCO cercada por muralhas medievais e escondendo as ruínas romanas.

Há sinais de civilização remontando aos tempos romanos em centenas de monumentos neolíticos ao redor da região.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer no Alentejo :

1. Évora

 

Com um centro histórico imaculado, Évora é um Patrimônio Mundial da UNESCO, e há tanto para ver que é difícil saber por onde começar.

A cidade foi vigiada por muros durante 2.000 anos e ainda é possível detectar o sotaque mourisco nas ruas de paralelepípedos escuros e apertados de Évora.

Dos muitos pontos turísticos, há a catedral gótica, construída em fases até o século XVIII e com impressionantes esculturas dos apóstolos do século XIV em seu portal ogival.

Entre as casas medievais e renascentistas em Évora, há evidências da antiga civilização no Templo Romano de Diana, com colunas coríntias feitas de granito e com capitéis finos esculpidos em mármore de Estremoz.

2. Aqueduto da Amoreira

 

No século XVI, a cidade fortificada de Elvas estava a ficar sem água; os poços estavam secando, então foi tomada a decisão de canalizar a água da Amoreira a oito quilômetros de distância.

O projeto estava cheio de problemas (incluindo guerra) e não seria concluído até 1622, 93 anos depois de ter sido iniciado.

O resultado é uma construção surpreendente de proporções heróicas, com quatro fileiras de arcos dominando quase qualquer edifício próximo a ela.

Este é o maior aqueduto da Península Ibérica e faz parte do Património Mundial de Elvas.

 

3. Fortificações de Elvas

 

Uma das razões pelas quais o Aqueduto da Amoreira é tão alto é porque foi projetado para ser à prova de cerco.

Esta era a história de Elvas, que era uma cidade fortificada disputada pela Guerra Portuguesa da Restauração e depois pela Guerra da Sucessão Espanhola nos séculos XVII e XVIII.

Na era da artilharia, a solução foi construir o maior sistema de defesa de valas secas em voga do mundo.

Os portões defensivos, muros e baluartes continuam por cinco quilômetros e são fortalecidos pelo Forte Nossa Senhora da Graça, do século XVIII, defendendo a cidade de uma colina ao sul.

4. Castelo de Marvão

 

A localização deste castelo na cidade de Marvão, no leste, é deslumbrante, no topo de falésias de quartzito numa colina de quase 1.000 metros de altura.

O castelo teria sido iniciado pelos mouros no século VIII, antes de ser reforçado muitas vezes depois de Marvão ter caído nas forças cristãs em 1100.

A partir de então, teria sido um posto avançado vigiando a fronteira com a Espanha.

Há muito para ver, no subsolo da sinistra cisterna, ou no alto das duas torres, que têm vista para as serras espanholas ou sobre a cidade, com seus azulejos de terracota e paredes caiadas de branco.

5. Palácio Ducal de Vila Viçosa

 

Sede opulenta dos duques de Briganza, que se levantaria para reivindicar o trono português em 1640, este palácio foi iniciado em 1501 por Dom Jaime I. Na praça em frente há uma estátua a cavalo de João IV que reinou quando o Império Português se estendeu o mundo no século XVII.

O palácio é em estilo maneirista com uma fachada de 110 metros de comprimento.

Todo o caminho são pilastras e frontões esculpidos em mármore local.

O interior está congelado no tempo como um museu e tem afrescos do século XVII, azulejos maravilhosos, tapeçarias, lareiras de mármore e obras de escultura, pintura e ourivesaria.

 

6. Cabo Espichel

 
 
Este poderia ser o melhor lugar do mundo para ver o sol se pôr? Neste promontório no topo da falésia, a cerca de uma hora a sul de Lisboa, pode ver o sol a mergulhar no Atlântico.

E as pessoas viajam para baixo da capital apenas para testemunhar este espetáculo natural.

Os penhascos de calcário e brechas aqui são gloriosos na luz suave da noite, mas também têm camadas jurássicas depositando fósseis na costa.

Há também muitos sinais de assentamento humano, especialmente nas ruínas do forte do século XVII, que possui uma capela, santuário do século XV e antigos alojamentos dos peregrinos.

7. Praia de Tróia

 

De Setúbal, você tem a opção de uma viagem de balsa direta ou uma viagem tortuosa até esta praia paradisíaca na entrada do estuário do Rio Sado.

A Praia de Tróia encontra-se no final de uma longa península parcialmente protegida do Atlântico e segura para os nadadores.

As partes mais expostas são grandes com kitesurfistas, enquanto você pode passear pela praia em direção à terra, que tem águas cristalinas e semelhantes a lagoas.

Quando você descansar o seu olhar sobre as areias brancas e as vistas sobre o estuário e as encostas verdes do Parque Natural da Arrábida, você será perdoado por se perguntar se está no Caribe.

8. Castelo e Muralhas de Monsaraz

Também perto da fronteira com a Espanha, Monsaraz é uma aldeia nas nuvens.

Essas paredes são implausivelmente altas e protegem um círculo de ruas de paralelepípedos, algumas das quais são quase vertiginosas.

Monsaraz é gloriosa de qualquer ângulo; a abordagem dos muros de xisto vai viver muito na memória e, uma vez aqui em cima, as vistas sobre o Vale da Guardiã e o lago Alqueva, a leste, são estupendas.

Em um ponto, esse assentamento foi totalmente abandonado, o que explica por que ele manteve grande parte de sua arquitetura original.

9. Museu Regional de Beja

 

Antes de entrar no soberbo museu regional de Beja, demore o tempo que precisar para apreciar o lado de fora.

Esta é de 1459 e foi fundada pelo duque Ferdinand, de Viseu, que foi o pai do rei D. Manuel I. Confira os arcos pontiagudos góticos e a balaustrada multifólio ornamentada no telhado.

A igreja barroca do século XVII é requintada, com paredes cobertas de madeira esculpida dourada.

E no claustro os arcos e as paredes são adornados com azulejos corajosos dos anos 1600.

As coleções do museu remontam à Idade do Bronze e apresentam lápides romanas, brasões medievais e instrumentos musicais do século XVII.

10. Velho Estremoz

 

Estremoz é uma das principais fontes de mármore em Portugal, e isso vem em qualquer cor de branco puro para preto.

A parte mais alta da cidade é um recinto fortificado, protegido por muros ameados e acessado por meio de uma porta de entrada do século XIII.

Você será atraído pela rua de paralelepípedos até uma praça central com fabulosos panoramas do campo.

A torre de aspecto robusto do palácio do século XIII é feita de mármore com listras e foi convertida em uma Pousada (hotel histórico de luxo). Dê uma espiada no interior da Capela de Santa Isabel, do século XVII, construída com mármore branco perolado e belos azulejos que decoram o seu interior.

 

11. Almendres Cromlech

 

Não longe de Évora é um misterioso sítio megalítico; é o maior conjunto de menires organizados em Espanha e Portugal e entre os maiores da Europa.

A cena é bastante especial, com um enorme anel de pedras de granito numa clareira de uma floresta de sobro.

Alguns dos menires chegam a 3,5 metros, embora a maioria esteja ao redor da altura da cintura.

Você vai querer andar ao redor do círculo e inspecionar cada pedra, como muitos têm esculturas curiosas.

Há espirais, círculos, crescentes e o mais comum de tudo é a forma de um bandido de pastor virado de cabeça para baixo.

12. Parque Natural da Arrábida

 

As colinas desta faixa a leste de Setúbal elevam-se abruptamente a partir da costa, criando alguns pontos de vista estupendos.

Pegue a estrada costeira N379-1, e a cada poucas centenas de metros haverá um lugar para parar e saborear os panoramas oceânicos ou a vista para a Península de Tróia.

Essas colinas íngremes ajudam a esconder pequenas enseadas e praias isoladas que parecem quase cortadas da civilização.

Se você quiser aproveitar a paisagem sob seu próprio vapor, então a variedade é atada com trilhas para caminhadas e mountain bike percorrendo a floresta sempre verde e decídua, nutrida por um microclima criado pelas encostas íngremes.

13. Praia do Malhão

 
 
Norte do resort de Vila Nova de Milfontes é uma praia de beleza impressionante.

A Praia do Malhão encontra-se no Parque Nacional do Sudoeste Alentejano, pelo que é totalmente livre de desenvolvimento.

Há uma faixa larga de areia dourada cercada por dunas e que se estende por vários quilômetros até a costa, e a ausência de qualquer tipo de infraestrutura será uma felicidade para as pessoas que querem paz e privacidade. A praia está aberta a toda a força do Atlântico, por isso não é um lugar para nadadores casuais, mas bodyboarders e surfistas fazem uso das ondas que surgem.

14. Castelo de Palmela

Nosso último castelo não está vigiando a fronteira com a Espanha; em vez disso, fica na Península de Setúbal, ao sul de Lisboa, e ocupa o ponto mais alto por quilômetros ao redor.

Este lugar foi habitado desde a pré-história e tem testemunhado romanos, visigodos e mouros no seu tempo.

As paredes internas são as mais antigas, datando de 1100, enquanto as defesas mais externas são de 1600 e projetadas para repelir a artilharia.

Venha conhecer as vistas de 360º do Estuário do Sado, Tróia e da Serra da Arrábida a sudoeste.

Em dias claros pode até ver até Lisboa.

Seu tempo será gasto passando de um ponto de parada de parar o coração para o próximo.

15. Comida e Bebida

 

No leste, especialmente ao redor de Évora pata negra, presunto é uma especialidade.

Isto vem do porco ibérico preto, que tem um estilo de vida livre e escoriações em bolotas, dando à carne um sabor distinto e suave e textura marmorizada.

As ameixas de Elvas têm protecção contra o DOP: são cozidas, embebidas em açúcar durante seis semanas e depois secas ao sol e combinam perfeitamente com o queijo no final de uma refeição.

O Alentejo é também uma região vinícola, e se você gosta de olhar para a indústria, experimente a adega da Herdade do Esporão em Monsaraz, que produz vinhos com métodos New World (controle de temperatura) usando uvas do Velho Mundo como Aragonês e Cabernet Sauvignon.

  • 15 Melhores Coisas para fazer no Alentejo


Outros Artigos Populares no Blogue