15 Melhores Coisas para fazer em Vizela


Vizela é uma cidade termal na região Norte de Portugal, numa paisagem de colinas altas e coníferas cobertas por afloramentos de granito.

Os romanos foram os primeiros a aproveitar as águas termais ricas em minerais de Vizela, mas hoje a cidade tem um ar da Belle Époque sobre seu spa e o gracioso parque ao redor.

Nessa época a cidade também ganhou um nome para seu bolinhol, um bolo de esponja decadente coberto com glacê e apenas o acompanhamento para o chá à tarde.

Há também muitas pequenas vistas para procurar como uma ponte romana, vários santuários no topo de uma colina com vista para a montanha para morrer, enquanto a cidade de Guimarães, Património Mundial, fica apenas a 15 minutos de carro.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Vizela :

1. Parque das Termas de Vizela

 

Na década de 1880, o horticultor José Marques Loureiro plantou centenas de árvores, nativas e exóticas, em torno das nascentes termais para seus pacientes.

Essas árvores agora são gigantescas e trazem drama e personalidade para este parque, que floresce em abril e maio.

As fontes termais ainda são servidas por um hotel spa de luxo que acaba de ser atualizado, e também há cafés nas margens do rio Vizela, um parque infantil e um campo de minigolfe onde o “Campeonato Europeu de Minigolfe” foi realizado em 2016. o rio Vizela passa pelo parque, há um bar e uma nova área balnear ao ar livre.

2. Caldas de Vizela

Depois que refinamentos foram feitos para o complexo de spa na década de 1870, tornou-se o refúgio da rica nobreza portuguesa e britânica.

À noite, havia bolas luxuosas no parque e Vizela foi logo apelidada de “Rainha das Termas de Portugal”. O complexo termal sobreviveu a seu declínio inevitável no século 20 e foi restaurado em 1982. Existem várias fontes de água sulfurosa e rica em sódio, em qualquer coisa entre 15 ° C e 65 ° C e jorrando a mais de um milhão de litros por dia.

Pacientes com queixas de pele, reumáticas, musculoesqueléticas e respiratórias vêm para mergulhar nas águas e tomar banho massagens.

3. Ponte Velha de Vizela

 

Atravessando o rio Vizela na estrada romana de Braga a Amarante, esta ponte está aqui em forma há dois mil anos e está inscrita como Monumento Nacional.

Há alguns brindes que a identificam como uma ponte romana: a forma dos arcos semicirculares, a grande caverna no meio e as duas cavidades ocas.

As cavidades, especialmente, são uma assinatura de pontes romanas, projetadas para reduzir a carga nas abóbadas e permitir que a água continue quando o rio foi inundado.

4. Praça da República

 

A praça principal de Vizela é um espaço de cultura, com longas filas de plátanos, terraços de café e barracas de sorvete no verão.

As fontes termais também são desviadas para uma fonte aqui.

A Bica de Água Quente é uma bica de água quente que acaba de ser restaurada: o costume é descer até o tanque e mergulhar o dedo na água sulfurosa quente.

Mas cuidado, de acordo com o folclore de Vizela, quem fizer isso não vai querer sair da cidade novamente.

5. Jardim Público Manuel Faria

 

Junto à praça encontra-se um jardim requintado que tem outra fonte alimentada pelas nascentes de Vizela.

Há também canteiros organizados em padrões formais, um coreto, uma avenida arborizada e uma escadaria muito cerimoniosa que leva ao nível da rua.

Ao pé da escada, você pode tomar um café ou uma bebida gelada no café.

A atração principal é a estátua chamada Vizela Romana, que é uma alegoria das origens romanas da cidade.

 

6. Santuário de São Bento das Peras

 

No topo da colina de 410 metros de São Bento está o santuário religioso do mesmo nome.

Você pode subir a colina em uma estrada sinuosa ou caminhar, que é o que centenas de pessoas fazem em 11 de julho. Este é o dia do santo quando há uma longa procissão até a capela, e é um espetáculo que vale a pena pegar se você estiver em torno naquele momento.

Se não, ainda é uma viagem que precisa ser feita.

Na verdade, a nova capela é secundária ao restaurante panorâmico de Xisto, à vista deslumbrante do Vale de Vizela e às enormes pedras de granito que cobrem o cume.

7. Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro

 

Trançado em um tranquilo vale verde, este mosteiro é um monumento nacional com raízes no século IX.

O mosteiro realmente decolou em 1100 quando foi concedido privilégios e patrocínio pelo primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques.

Além da fachada marcante, com uma rosácea ladeada por pináculos pontiagudos, não resta muito dos edifícios românicos, pois o mosteiro estava constantemente se expandindo para a Era Moderna.

Isso explica o esplendor barroco do coro e do altar na igreja, exibindo opulência com seus trabalhos em madeira e molduras douradas.

Lá fora você também pode ficar nas ruínas de um claustro neoclássico incompleto, iniciado no início dos anos 1800, mas que terminou abruptamente depois que o mosteiro foi dissolvido em 1834.

8. Cavernas do Casalinho

 

Uma das mais antigas adegas da região dos Vinhos Verdes localiza-se em Vizela: as grutas do Casalinho arrancaram em 1944 e situam-se em 30 hectares de vinhas a meio do vale de Vizela.

É um ambiente muito bucólico e é ideal para o cultivo de uvas para vinho, em um declive suave com drenagem e muito sol.

Você pode olhar em torno da adega anterior, onde a impressora original e os antigos cubos ainda estão no lugar.

Caves do Casalinho produz vários tipos de vinho, entre os quais os robustos e frutados tintos normalmente encontrados no Vale do Douro e no Alentejo.

Mas os que você precisa provar e levar para casa são os vinhos verdes frescos e elegantes feitos com uvas Loureiro e Arinto.

9. Capela de Nossa Senhora da Tocha

 

Ninguém pode concordar exatamente quando esta capela foi construída.

O que se sabe é que tem um design pré-românico, que remonta a algum tempo no início do período medieval.

É um edifício muito compacto, com nave única e capela-mor.

As paredes estão totalmente vazias, com exceção dos merlões esculpidos ao longo do telhado e do pequeno campanário.

O poleiro de montanha da capela é parte de seu charme e há um mirante aqui com panoramas distantes do campo.

10. Tagilde

 

Esta humilde paróquia é o marco zero para a aliança mais longa do mundo entre duas nações.

O Tratado de Tagilde foi assinado em 1372 entre o rei Fernando I e John de Gaunt, o duque de Lancaster.

Isto uniu Portugal e Inglaterra contra os reinos de Castela e Aragão na Espanha.

Foi a primeira base legal para um pacto que sobreviveu por quase 650 anos.

Para homenagear este evento, um obelisco foi colocado fora da Igreja Matriz em 1953; talhados de granito são as armas reais medievais de Portugal e Inglaterra.

 

11. Casa de Sá

 

Uma visão menor, mas ainda assim uma que merece um desvio, é esta mansão barroca na zona rural a sudeste da cidade.

Casa de Sá é uma propriedade privada, mas isso não deve impedi-lo como o pouco vale a pena ver é fora, onde os portões da casa e sua capela são ricamente adornada com pináculos, pilastras e frontões.

Se você gosta de literatura portuguesa, pode ficar intrigado ao saber que algumas figuras ilustres passaram por esses portões, como os autores José Régio e Camilo Castelo Branco.

12. Citânia de Sanfins

 

Siga pela estrada sinuosa da montanha até este sítio arqueológico quase inigualável na Península Ibérica.

Os primeiros remanescentes da Citânia de Sanfins são do século V aC, mas a cidade atingiu seu pico cerca de 300 anos depois.

Naquela época, era a cidade-sede de uma região muito mais ampla e abrigava pelo menos 3.000 pessoas.

A cidade está repleta de muros de pedra seca de dezenas de casas, a maioria em formato circular.

Talvez a melhor parte seja a pedra formosa, uma pedra esculpida nos banhos públicos da cidade.

E não perca o núcleo familiar, onde uma casa inteira foi reconstruída, completa com um telhado de palha para lhe dar uma rara idéia de como as pessoas viviam nesses assentamentos.

13. Guimarães

 

Em Vizela você está a apenas 10 km de uma cidade Património Mundial da UNESCO, e Guimarães não deve ser desperdiçada.

Como o suposto local de nascimento de Afonso Henriques, esta cidade ajudou a moldar a história portuguesa.

O centro antigo da cidade é de tirar o fôlego, com ruas apressadas chegando a praças antigas como o Largo da Oliveira.

Este foi nomeado por sua oliveira solitária da idade média e tem um monumento gótico assombrando à Batalha de Salado no século XIV.

O Palácio dos Duques de Bragança é outro grande marco gótico e o lar do que viria a ser a linha real portuguesa.

14. Monte da Penha

 

Aproximando-se do sul, você poderia dirigir diretamente para este santuário no topo da Montanha da Penha, que se eleva acima de Guimarães.

Mas pode ser mais uma experiência deixar o carro na cidade e pegar o teleférico a € 5 para um retorno.

O cenário é fascinante e no cume você pode ver todo o caminho para o oceano quando o tempo está claro.

Há uma igreja santuário Art Déco aqui em cima, datando de 1930 e recebendo peregrinos durante todo o verão.

Mas você pode ser mais feliz apenas em torno dos vastos pedregulhos e bosques de granito.

15. Sabores Locais

 

Se Vizela é conhecida por uma iguaria, é o bolinhol, ou pão de ló coberto.

Este é um bolo de esponja úmido, retangular coberto com glacê.

O local para comprar um é a Casa de Pão de Ló Delícia, que os assa desde 1880. A receita é provavelmente muito mais antiga e provavelmente foi inventada no Convento das Carmelitas, em Guimarães, em algum momento da Idade Média.

Para algo saboroso, vá para receitas tradicionais como cabrito assado, vitela e bacalhau, assado com batatas, cebola e alho.

  • 15 Melhores Coisas para fazer em Vizela


Outros Artigos Populares no Blogue