Se há tempo para estar em Águeda é no mês de Julho, quando a cidade se enche de cor, criatividade e diversão do festival AgitÁgueda. Este evento de três semanas transforma o centro em um país das maravilhas artístico, com performances espontâneas e extraordinárias instalações artísticas. O resto do tempo é um assentamento pacífico do país onde a planície costeira no norte central de Portugal é quebrada por montanhas baixas.

A Pateira de Fermentelos, o maior lago de água doce em Portugal ou na Espanha está a poucos minutos da cidade e há uma variedade de mansões, galerias de arte, museus e locais históricos escondidos na cidade e no campo.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Águeda :

1. AgitÁgueda

Uma gigantesca tenda no Parque da Zona Ribeira é a base de uma cultura anual animada que já tem mais de uma década.

Durante três semanas, em julho, há uma programação lotada de shows e workshops, e o evento coincide com instalações de arte pública sensacionais.

O mais icônico é o Umbrella Sky Project, no qual as ruas no centro da cidade têm um dossel caleidoscópico composto de cerca de 3.000 guarda-chuvas.

Há sempre algo acontecendo, dia ou noite, seja arte urbana que transforma postes de luz, fachadas de lojas, bancos e escadas, ou concertos improvisados, flashmobs, desfiles e shows noturnos.

2. Igreja da Trofa

 

O melhor património do município de Águeda é um monumento nacional português.

A igreja paroquial de Trofa tem origens medievais, mas foi refeita durante a Renascença nos anos 1500.

Por esta altura, o mestre escultor francês João de Ruão (Jean de Rouen) foi comissionado para o Panteão dos Lemos, sepultamento dos antepassados do Senhor da Trofa.

O panteão tem dois monumentos em lados opostos da nave, com frisos, pilastras e arcos esculpidos com incrível habilidade de calcário macio.

No monumento à direita há uma escultura do Senhor da Trofa em oração com a armadura a seus pés.

 

3. Pateira de Fermentelos

 

O maior lago natural da Península Ibérica fica a segundos do centro de Águeda.

As margens da Pateira de Fermentelos são pantanosas, que é exatamente o que a sua população saudável de aves residentes e migratórias gosta.

Há uma passarela e um pavilhão de madeira onde pode esperar por um papagaio negro em círculo, ou uma garça ou garça vermelha saindo dos juncos e juncos pela água.

também verá os moradores com varas nas margens, tentando pegar carpa, tainha e poleiro, e há áreas verdes para piqueniques, à sombra de salgueiros, abetos e álamos.

4. Museu Ferroviário de Macinhata do Vouga

 

Tecendo pelo Vale do Vouga, a linha férrea da Linha do Vouga foi inaugurada pelo Rei Manuel II em 1908 e é a última linha de bitola ainda em funcionamento no país.

Na antiga estação de Macinhata do Vouga há muita parafernália sustentando o legado da linha do Vale do Vouga.

pode ver a bilheteria de 1914, uma carruagem de 1942 e o interior de um trem postal datado de 1954. Mas os inevitáveis interessados são as oito locomotivas a vapor restauradas, a mais antiga das quais é de 1886.

5. Sítio Arqueológico do Cabeço do Vouga

No campo montanhoso e arborizado de Águeda, em um afloramento de arenito, estão os restos de um poderoso forte de quase 3.000 anos de idade e reaproveitado pelos romanos.

Tem paredes de até 3,3 metros de altura e mais de 40 metros de comprimento.

Nas ruínas das habitações e defesas, observará a diferença entre os estilos de construção primitivos circulares na Idade do Ferro e as construções retangulares mais sofisticadas que os romanos trouxeram consigo, usando pedras bem quadradas.

No momento em que escrevo, o sítio arqueológico está temporariamente fechado ao público para reforma, portanto verifique o site do município antes de chegar.

 

6. Casa Museu Cancioneiro de Águeda

 

Esta moradia do século XVIII é uma das maiores propriedades de Águeda e foi salva da demolição pelo município.

Foi enriquecida com mobiliário, arte e porcelana de outra propriedade histórica, a Casa da Alta Vila, e dá-lhe uma perspectiva sobre a vida dos ricos em Águeda no início do século XX.

Cada quarto foi cuidadosamente concebido para revelar a etiqueta de jantar, costumes religiosos ou artesanato, e alguns manequins vestidos com a roupa do período.

Na cozinha encontrará a única peça de mobília que já estava na casa; um belo armário de pinho lacado.

7. Museu da Fundação Dionísio Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro

 

Dionísio Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro eram colecionadores de arte de Águeda que fundaram uma fundação em 1969. Sua função era reter e cuidar do enorme estoque de arte que o casal havia montado no decorrer de suas vidas.

Em 1985, esta colecção de pintura, escultura, porcelana, prata, joalharia, mobiliário, instrumentos musicais, relógios e marfim foi exposta nas seis salas de exposição deste museu.

A maioria das peças é de 1300 a 1900, mas também há obras da antiguidade, como o magnífico conjunto de vasos da Grécia Antiga.

8. Ponte Medieval do Rio Marnel

 

Em uma cena dolorosamente pitoresca, emoldurada por bosques e o rio Marnel, largo e de fluxo lento, é uma ponte que existe desde os anos de 1200.

A ponte tem cinco arcos e se olhar de perto o segundo arco, poderá ver os vestígios de um nicho.

Isto foi para uma estátua mariana de "Nossa Senhora do Rosário", que foi transferida para um oratório na entrada norte da ponte.

Todo o site é um parque, com uma passagem de madeira para lhe dar uma melhor visão da ponte, ligando com uma pequena ilha fluvial que tem mesas de piquenique, se quiser gastar um pouco mais neste lugar romântico.

9. Museu Subterrâneo da Aliança

 

A dez minutos de Águeda, em Sangalhos, o empresário, viticultor e colecionador de arte Joe Berardo fundou um extraordinário museu nas Adegas Aliança.

Nestes longos túneis, encontram-se exposições de arqueologia, arte africana, escultura contemporânea zimbabuense, minerais como geodes maciços, fósseis, cerâmicas das Caldas da Rainha e azulejos antigos portugueses.

Algumas das peças têm grande valor cultural e histórico, enquanto Berardo escolheu outras por razões mais sentimentais.

Isso vale para a exposição sobre Mahatma Gandhi no final da turnê.

E sendo estas caves do vinho, há detalhes sobre como são feitos espumantes e aguardentes da Aliança.

10. Parque da Alta Vila

 

Em meados do século XIX, o Dr. Eduardo Caldeira, o proprietário da propriedade no topo da cidade, começou a transformar suas terras em um romântico jardim inglês.

Nas décadas seguintes ele plantou árvores exóticas e construiu uma capela, falsas ruínas medievais, pontes sobre um lago em miniatura, caminhos serpenteantes, uma estufa, grutas, pavilhão de caça e um chalé.

Este parque de três hectares acabou por se tornar propriedade pública no século XX e agora pode fugir para o pequeno mundo do Dr. Caldeira durante cerca de uma hora.

 

11. Caminhadas e Cavalgadas

 

Águeda investiu pesadamente em uma pequena rede de trilhas sinalizadas, seis das quais começam perto da cidade.

 poderia partir da cidade para a Pateira de Fermentelos, passear pelas margens do rio Águeda, seguir a rota da ferrovia histórica ou ir para o leste, onde as colinas altas são cobertas por um profundo pinhal.

A paisagem bucólica ao longo do rio Vouga é um paraíso para andar a cavalo, e os estábulos no Abrigo dAventura podem ser personalizados para, de uma lição a aprender o básico a hacks e longas caminhadas pelo vale arborizado.

Os cavalos são fáceis de responder e o seu anfitrião fala inglês fluentemente.

12. Praia Fluvial do Alfusqueiro

 

O Atlântico fica a aproximadamente meia hora a oeste na Praia da Barra.

Mas se isso for muito longe pode se contentar com as praias fluviais perto de Águeda.

A Praia Fluvial do Alfusqueiro é a mais próxima, situada num meandro do rio Afusqueiro.

Este rio serpenteia desde a Serra do Caramulo e aqui na borda da cordilheira estará em um vale profundo coberto de madeira e floresta sempre verde.

Há uma grande área de areia, piscina-como a água para nadar e brincar, e espaços gramados com guarda-sóis.

No verão, a praia terá quiosques temporários se precisar de alguns refrescos.

13. Aveiro

 

Há muita coisa acontecendo nesta cidade, a 20 minutos a leste.

poderia montar os canais de Aveiro em um barco moliceiro de madeira, que parece um pouco como uma gôndola.

O Museu de Aveiro encontra-se no convento onde a princesa Joanna, filha do rei Afonso V, abandonou as ofertas de casamento nos anos 1400 para viver a vida de uma irmã.

Sua tumba é uma maravilha do barroco, talhada em mármore multicolorido.

Aveiro também está à frente da lagoa homônima, que tem uma área de 75 quilômetros quadrados.

Os depósitos de sal da lagoa fizeram dele um centro de bacalhau, com vastas cargas deste peixe trazido de volta ao porto de Ílhavo pela “Frota Branca” de Portugal em 1900.

Há um museu marítimo para este período, e pode embarcar em uma enorme traineira pelo canal da Gafanha da Nazaré.

14. Vinhos Tourism

 

Águeda fica na Bairrada DOC e a maioria das vinhas fica a oeste da cidade na planície costeira.

O clima ameno, temperado pelo oceano, a chuva generosa e o solo arenoso são perfeitos para a uva Fernão Pires.

Isto é usado principalmente para os espumantes picantes e afiados da região.

Se está à procura de uma viagem de vinhos, há adegas, as Cavernas Primavera e três propriedades de vinho nos limites de Águeda.

Para além dos espumantes brancos, muitos produzem em tintos normalmente produzidos a partir da casta Baga, para vinhos densos, robustos e frutados.

A Quinta da Aguieira, a Quinta do Ferrão e a Quinta Vale do Cruz recebem os seus hóspedes.

15. Culinária e doces




Se quiser comer como um "aguedense" é melhor  ter um apetite.

O prato de marca da cidade é o leitão assado, normalmente servido com fatias de laranja.

Também cozidos no forno são cabrito e coelho.

Um lampatana é um tipo de guisado cozido lentamente em uma panela de barro especial, normalmente com carne de carneiro ou cabra, enquanto rojões são barriga de porco frita com batatas.

O antigo porto de bacalhau em Ílhavo não fica longe, e tem volumes de receitas de bacalhau salgados: pode encomendá-lo cozido, frito com molho de cebola ou frito em massa.

Confira nas vitrines das padarias os doces de amêndoa, ovo e açúcar que foram preparados em conventos ou broa do milho, pão assado com centeio e farinha de milho.