Foi no final da passada segunda-feira que soou o alarme: na zona costeira do Algarve que fica entre a Ilha do Farol (Faro) e a Vilamoura (Loulé) o mar tornou-se vermelho com a presença de uma alga e a Autoridade Marítima Nacional, aconselhada pela Agência Portuguesa do Ambiente, decidiu interditar as praias afetadas, já que a tal mancha era tida como “potencialmente perigosa para a saúde pública”

 

Mas afinal as algas que apareceram na costa algarvia e que dão uma coloração vermelha à água não são prejudiciais à saúde humana. A Universidade do Algarve já fez análises à água e, garante a bióloga marinha e vice-reitora, Alexandra Teodósio esta maré vermelha não é prejudicial aos banhistas.

Estas algas são, como explica, "dinoflagelados", um tipo de microalga. "Esta espécie não é prejudicial aos banhos, a pessoa pode tomar banho na mesma", assegura.




 E há até uma dimensão atrativa destas algas, como explica Alexandra Teodósio, tomando como exemplo a costa da Califórnia. É uma espécie bioluminescente. Durante a noite produz fluorescência, é muito bonito de ver conta a bióloga, que admite ter assistido a esse espetáculo in loco durante a última noite. "Há sítios, como a Tailândia, onde as pessoas pagam para fazer esta atividade.

 






Fonte: tsf