Lagoas de azul safira e verde esmeralda, prados férteis, cones e crateras vulcânicas, hortênsias, azáleas, igrejas quinhentistas e casas senhoriais;

- Terras de lenda (diz-se que são restos da mítica Atlântica), as nove ilhas de poéticos nomes oferecem um clima temperado todo o ano;

- A tranquilidade de um refúgio de 250.000 habitantes para quem “stress” ou “poluição” são palavras feias de uma língua estranha.

Locais a não perder…

Ilha de Santa Maria: excelentes condições para desportos náuticos.

 

Ilha de São Miguel: é a maior do Arquipélago. De uma beleza ímpar a Caldeira das Sete Cidades (Lagoas Verde e Azul); Vale das Furnas (termas e caldeiras), não esquecendo Angra do Heroísmo, considerada património mundial.

 

Ilha Graciosa: conserva ruas antigas, casas solarengas e moinhos típicos. Na Furna de Enxofre, deslumbrantes panoramas e gruta abobadada sobre lago subterrâneo.

 

Ilha do Faial: na Horta, porto de iates oceânicos, bela azulejaria e talha dourada. Reserva natural de Caldeira, grutas e furnas de Costa da Feteira.

 

Ilha do Pico: deve o seu nome ao cone vulcânico de 2351m de altitude. Areia Larga com belos solares de viticultores.

 

Ilha de S. Jorge: Velas, com o seu porto de pesca, é a povoação mais importante.

 

Ilha das Flores: Cascata da Ribeira Grande, Gruta dos Enxaréus e Lagoas (sete lagos em caldeiras, rodeados de flores).

 

Ilha do Corvo: a mais pequena das ilhas é um santuário de paz.

 

Gastronomia: Cozido das Furnas; Alcatra de vaca; Cracas e Lapas; Polvo guisado em vinho; Queijos.

Vinhos: Vinho de cheiro, verdelho e licores.

Artesanato: Cestos e mobiliário de vime; Miniaturas em miolo de figueira; Bordados e rendas; Mantas e colchas de tear; Flores artificiais em escama de peixe; Fiança azul e branca.